A história da deficiência, da marginalização à inclusão social

uma mudança de paradigma

Autores

  • Kátia Monteiro De Benedetto Pacheco Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina
  • Vera Lucia Rodrigues Alves Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v14i4a102875

Palavras-chave:

pessoas portadoras de deficiência/história, reabilitação, preconceito, meio social

Resumo

Este artigo pretende contribuir com uma reflexão mais crítica dos indivíduos em relação ao preconceito existente à pessoa com deficiência. Assim, descreve-se o percurso histórico desta população, ressaltando as diferentes posturas como: marginalização, assistencialismo, educação, reabilitação, integração e inclusão social, para melhor compreensão dos valores que muitas vezes podemos estar reproduzindo sem nenhum questionamento crítico e coerente, pois nos foram transmitidos no processo de socialização. Conclui-se que quando o processo de reabilitação está baseado no paradigma de inclusão, este poderá trazer maior possibilidade para que o indivíduo reflita sobre os valores que a cultura pode ter com relação à deficiência e, assim, se torne um agente de mudança no contexto social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kátia Monteiro De Benedetto Pacheco, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina

Psicóloga da DMR HC FMUSP, Especialista em Psicologia Clínica e Hospitalar em Reabilitação, Mestre em Psicologia pela Universidade São Marcos.

Vera Lucia Rodrigues Alves, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina

Diretora do Serviço de Psicologia da DMR HC FMUSP, Mestre e Doutora em Psicologia Social pela PUC-SP

Referências

Crochik JL. Preconceito, indivíduo e cultura. Sao Paulo: Robe Editorial; 1995.

Pessoti I. Deficiência mental: da supertiçao à ciência. Sao Paulo: T. A. Queiroz, 1984.

Silva OM. A Epopéia ignorada: a pessoa deficiente na história do mundo de ontem e de hoje. Sao Paulo: CEDAS; 1986.

Mazzotta MJS. Educaçao especial no Brasil: história e políticas públicas. 2 ed. Sao Paulo: Cortez; 1999.

Amaral LA. Conhecendo a deficiência: em companhia de Hércules. Sao Paulo: Robe Editorial; 1995.

Schewinsky SR. A barbárie do preconceito contra o deficiente: todos somos vítimas. Acta Fisiatr. 2004;11(1):7-11.

Aranha MSF. Integraçao social do deficiente: análise conceitual e metodológica. Temas Psicol. 1995;2:63-70.

Amiralian MLTM. Psicologia do excepcional. Sao Paulo: EPU; 1986.

Omote S. A integraçao do deficiente: um pseudo-problema científico. Temas Psicol. 1995;2:55-62.

Sassaki RK. Inclusao:construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA;1997.

Salimene ACM. Reabilitaçao e ideologia- um breve histórico. Rev Serviço Soc Hospital Sao Paulo. 1996;3(1):34-7.

Alves VLR. O Significado do discurso de risco na área de reabilitaçao. Acta Fisiatr. 2001;8(2):67-70.

Berger PL, Luckmann T. A construçao social da realidade. 15 ed. Petrópolis: Vozes; 1998.

Bartalotti CC. A Terapia Ocupacional e a atençao à pessoa com deficiência mental: refletindo sobre integraçao / inclusao social. Rev Mundo da Saúde. 2001;25(4):361-4.

Masini EFS. Avaliaçao: inclusao - promoçao automática: exclusao. Rev Psicoped. 2001;15(55):109-12.

Gil M. O que as empresas podem fazer pela inclusao das pessoas com deficiência. Sao Paulo: Instituto Ethos; 2002.

Carmo SM. Um breve panorama do que já foi feito pela educaçao especial no Brasil e no mundo [texto na Internet] Sao Paulo: Pedago Brasil [citado 2005 jan 18]. Disponível em: http://www.pedagobrasil.com.br/educacaoespecial/umbrevepanorama.htm

De Benedetto KM, Forgione MCR, Alves VLR. Reintegraçao corporal em pacientes amputados e a dor fantasma. Acta Fisiatr. 2002;9(20:85-9.

Downloads

Publicado

2007-12-09

Edição

Seção

Tendências e Reflexões