Comparação das estratégias musculares entre dois grupos etários diferentes no movimento de passar de sentado para em pé

Autores

  • Stella Maris Lins Terena Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina
  • Mario Augusto Taricco Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina

Palavras-chave:

Grupos Etários, Postura, Movimento, Músculo Esquelético, Eletromiografia

Resumo

Investigar a ordem de ativação dos músculos tibial anterior (TA), reto femoral (RF), gastrocnêmio medial (GM), bíceps femoral (BF) e paravertebral lombar (PL) no movimento de passar de sentado para em pé comparando dois grupos etários diferentes. Sujeitos: Grupo A: vinte sujeitos com idade entre 25 à 35 anos, saudáveis, e o Grupo B: vinte sujeitos com idade entre 60 à 65 anos, sem patologias neurológicas associadas e sem histórico de quedas nos últimos 6 meses. O Teste de Berg, um eletrogoniômetro bidimensional flexível foi usado para marcar o início do movimento articular, no quadril e joelho do mesmo lado. O tempo total do movimento no grupo A foi menor de olhos abertos do que de olhos fechados. O grupo B em relação às duas condições não houve diferença estatística no tempo total da execução da tarefa (p< 0,05). A análise de variância de 1 fator foi usada para comparar a ordem de ativação muscular, e os resultados demonstraram que a ordem de ativação foi diferente no grupo A e no grupo B de olhos abertos e semelhante na condição de olhos fechados. O tibial anterior foi o primeiro músculo a ser ativado nos dois grupos e nas duas condições e os demais músculos tiveram ordem de ativação diferente; o tempo total de movimento foi menor no grupo A; a ausência momentânea da visão influenciou mais o grupo A do que o grupo B.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Hanke TA, Pai YC, Rogers MW. Reliability of measurements of body center-of-mass momentum during sit-to-stand in healthy adults. Phys Ther. 1995;75(2):105-13.

Shumway-Cook A, Woollacott MH. Motor control: theory and pratical applications. Baltimore: Willians & Wilkins; 1995.

Janssen WG, Bussmann HB, Stam HJ. Determinants of the sit-to-stand movement: a review. Phys Ther. 2002;82(9):866-79.

Goulart F, Chaves CM, Vallone MLDC, Carvalho JA, Saiki KR. O movimento de passar de sentado para de pé em idosos: implicaçoes para o treinamento funcional. Acta Fisiatr. 2003;10(3):138-43.

Bernardi M, Rosponi A, Castellano V, Rodio A, Traballesi M, Delussu AS, et al. Determinants of sit-to-stand capability in the motor impaired elderly. J Electromyogr Kinesiol. 2004;14(3):401-10.

Kerr A, Durward B, Kerr KM. Defining phases for the sit-to-walk movement. Clin Biomech (Bristol, Avon). 2004;19(4):385-90.

Kuzelicki J, Zefran M, Burger H, Bajd T. Synthesis of standing-up trajectories using dynamic optimization. Gait Posture. 2005;21(1):1-11.

Yamada T, Demura S. Instruction in reliability and magnitude of evaluation parameters at each phase of a sit-to-stand movement. Percept Mot Skills. 2005;101(3):695-706.

Roy G, Nadeau S, Gravel D, Malouin F, McFadyen BJ, Piotte F. The effect of foot position and chair height on the asymmetry of vertical forces during sit-to-stand and stand-to-sit tasks in individuals with hemiparesis. Clin Biomech (Bristol, Avon). 2006;21(6):585-93.

Goulart F, Valls-Solé J. Reciprocal changes of excitability between tibialis anterior and soleus during the sit-to-stand movement. Exp Brain Res. 2001;139(4):391-7.

Reisman DS, Scholz JP, Schöner G. Coordination underlying the control of whole body momentum during sit-to-stand. Gait Posture. 2002;15(1):45-55.

Mathiyakom W, McNitt-Gray JL, Requejo P, Costa K. Modifying center of mass trajectory during sit-to-stand tasks redistributes the mechanical demand across the lower extremity joints. Clin Biomech (Bristol, Avon). 2005;20(1):105-11.

Araujo RC, Duarte M, Amadio AC. On the inter- and intra-subject variability of the electromyographic signal in isometric contractions. Electromyogr Clin Neurophysiol. 2000;40(4):225-9.

Menz HB, Morris ME, Lord SR. Foot and ankle characteristics associated with impaired balance and functional ability in older people. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2005;60(12):1546-52.

Freitas Junior P, Barela JA. Alteraçoes no funcionamento do sistema de controle postural nos idosos: uso da informaçao visual. Rev Port Cien Desp. 2006;6(1):94-105.

Mochizuki L, Cosme RG, Amadio AC. Coordenaçao motora e controle postural por meio da análise multivariada. Motriz: Rio Claro; 2006;12(1):65-72.

Moreira MMF, Maudonnet OAQ. Equilíbrio: conceitos básicos e mecanismos visuais no controle do equilíbrio. Acta AWHO. 1998;17(2):66-9.

Allum JH, Bloem BR, Carpenter MG, Hulliger M, Hadders-Algra M. Proprioceptive control of posture: a review of new concepts. Gait Posture. 1998;8(3):214-42.

Frank JS, Earl M. Coordination of posture and movement. Phys Ther. 1990;70(12):855-63.

Horak FB, Henry SM, Shumway-Cook A. Postural perturbations: new insights for treatment of balance disorders. Phys Ther. 1997;77(5):517-33.

Downloads

Publicado

2009-09-09

Edição

Seção

Artigo Original