Diagnóstico da instabilidade atlanto–axial na Síndrome de Down

revisão de literatura

Autores

  • Andréa Tobo Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina
  • Marcelo El Khouri Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina
  • Marcelo Alves Mourão Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina

Palavras-chave:

Síndrome de Down, Instabilidade Articular/diagnóstico, Literatura de Revisão como Assunto

Resumo

A Síndrome de Down é a mais comum e a mais bem estudada alteração genética pelo ser humano. É caracterizada por másformações em diversos órgãos e sistemas, incluindo alterações músculo-esquelético, dentre os quais se destaca a instabilidade atlanto-axial (IAA) devido ao seu potencial de gravidade. Estudos têm sido realizados a fim de padronizar métodos e parâmetros para seu diagnóstico, tendo a radiografia simples em perfil o método mais empregado, porém ainda com grandes divergências sobre os melhores parâmetros adotados como referência de normalidade. Além da radiografia simples, a tomografia computadorizada e a ressonância magnética vêm emergindo como grandes aliadas para tanto diagnóstico como planejamento terapêutico. O presente estudo visa discutir os métodos atuais mais empregados para o diagnóstico da IAA com base em revisão de literatura, focando no diagnóstico radiográfico simples como método de escolha inicial para detecção das IAA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Tobo, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina

Médica Fisiatria, Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Marcelo El Khouri, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina

Médico Fisiatra, Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Marcelo Alves Mourão, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina

Médico Fisiatra Assistente, Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Referências

Gonzalez CH. Anormalidades clínicas devido aos autossomos. In: Marcondes E. Pediatria básica. Sao Paulo: Sarvier; 1991. p. 583-6.

Barros Filho TEP, Oliveira RP, Rodrigues NR, Galvao PEC. Instabilidade atlanto-axial na síndrome de down. relato de dez casos tratados cirurgicamente. Rev Bras Ortop. 1998;33(2):91-4.

Schwartzman JS. Síndrome de Down. Sao Paulo: Memnon; 1999.

Spitzer R, Rabinowich JY, Wybar KC. A study of the abnormalities of the skull, teeth and lenses in mongolism. Can Med Assoc J. 1961;84(11):567-72.

American Academy of Pediatrics. Committee on Sports Medicine. Atlantoaxial instability in Down Syndrome. Pediatrics. 1984;74(1):152-4.

Cremers MJ, Bol E, Roos F, van Gijn J. Risk of sports activities in children with Down's syndrome and atlantoaxial instability. Lancet. 1993; 342(8870):511-4.

Pueschel SM, Herndon JH, Gelch MM, Senft KE, Scola FH, Goldberg MJ. Symptomatic atlantoaxial subluxation in persons with Down syndrome. J Pediatr Orthop. 1984;4(6):682-8.

Barros Filho TEP, Netto ABFM, Cristante AF. Coluna cervical. In: Hebert S, Xavier R. al. Ortopedia e traumatologia: princípios e pratica. Sao Paulo: Artmed; 2003. p. 99-102.

Pueschel SM, Scola FH. Atlantoaxial instability in individuals with Down syndrome: epidemiologic, radiographic, and clinical studies. Pediatrics. 1987;80(4):555-60.

Pueschel SM, Findley TW, Furia J, Gallagher PL, Scola FH, Pezzullo JC. Atlantoaxial instability in Down syndrome: roentgenographic, neurologic, and somatosensory evoked potential studies. J Pediatr. 1987;110(4):515-21.

Roy M, Baxter M, Roy A. Atlantoaxial instability in Down syndrome guidelines for screening and detection. J R Soc Med. 1990;83(7):433-5.

Pueschel SM, Moon AC, Scola FH. Computerized tomography in persons with Down syndrome and atlantoaxial instability. Spine. 1992;17(7):735-7.

Cremers MJ, Ramos L, Bol E, van Gijn J. Radiological assessment of the atlantoaxial distance in Down's syndrome. Arch Dis Child. 1993;69(3):347-50.

Morton RE, Khan MA, Murray-Leslie C, Elliott S. Atlantoaxial instability in Down's syndrome: a five year follow up study. Arch Dis Child. 1995;72(2):115-8.

Bono CM, Vaccaro AR, Fehlings M, Fisher C, Dvorak M, Ludwig S, et al. Measurement techniques for upper cervical spine injuries: consensus statement of the Spine Trauma Study Group. Spine. 2007;32(5):593-600.

Wellborn CC, Sturm PF, Hatch RS, Bomze SR, Jablonski K. Intraobserver reproducibility and interobserver reliability of cervical spine measurements. J Pediatr Orthop. 2000;20(1):66-70.

Downloads

Publicado

2009-09-09

Edição

Seção

Artigo de Revisão