Lesões no judô

repercussão na prática esportiva

  • Thiago de Sá Oliveira Universidade Castelo Branco-RJ.
  • Eduardo Monnerat Universidade Castelo Branco-RJ.
  • João Santos Pereira Universidade Castelo Branco-RJ.
Palavras-chave: Traumatismos em Atletas, Artes Marciais, Reabilitação

Resumo

O objetivo deste estudo foi verificar a freqüência de lesões durante a pratica de judô, tempo de afastamento da atividade esportiva e tratamento utilizado em atletas federado praticantes de judô de academias e agremiações no Município do Rio de Janeiro. Método: Participaram do estudo trinta e cinco atletas, sexo masculino, com idade entre 8 e 30 anos e atividade mínima no esporte de 12 meses. Utilizou-se para avaliação um questionário estruturado validado, composto de 18 perguntas abertas e fechadas. Resultados e Discussão: Verificou-se que a maioria das lesões ocorreu durante os treinamentos (82,86%). A maioria permaneceu afastada da pratica esportiva em média entre 15 e 30 dias. Em relação à terapêutica, observou-se que medicamentos antiinflamatórios foram freqüentemente utilizados (71,4%), seguindo-se repouso (62,9%), imobilização (60%) e gelo local (crioterapia) com 51,4%, sendo esta conduta associada à fisioterapia em 40% das lesões. Necessitaram de intervenção cirúrgica 14,3% dos casos. Conclusão: A ocorrência de lesões durante a prática de Judô predomina nos treinamentos, tendo a maioria dos atletas recuperação em tempo inferior a um mês, sendo a principal opção terapêutica o tratamento conservador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago de Sá Oliveira, Universidade Castelo Branco-RJ.
Mestrando, Universidade Castelo Branco-RJ.
Eduardo Monnerat, Universidade Castelo Branco-RJ.
Mestrando, Universidade Castelo Branco-RJ.

Referências

Santos SG. Estudo característico de impacto e da percepção humana de conforto na pratica de ukemi em diferentes tatames [Tese]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2003.

Watson AW. Sports injuries related to flexibility, posture, acceleration, clinical defects, and previous injury, in high-level players of body contact sports. Int J Sports Med. 2001;22(3):222-5.

Rohfs ICPM, Mara LS, Lima WC, Carvalho T. Relação da síndrome do excesso de treinamento com estresse, fadiga e serotonina. Rev Bras Med Esporte. 2005;11(6):367-72.

Nakamoto FP. Conseqüências Fisiológicas do Overtreining [texto na Internet]. São Paulo: Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício [citado em 2008 Fev 26]. Disponivel em: http://www.centrodeestudos.org.br/pdfs/ovt.pdf

Knapik JJ, Sharp MA, Canham-Chervak M, Hauret K, Patton JF, Jones BH. Risk factors for training-related injuries among men and women in basic combat training. Med Sci Sports Exerc. 2001;33(6):946-54.

Barsottini D, Guimarães AE, Morais PR. Relação entre técnicas e lesões em praticantes de judô. Rev Bras Med Esporte. 2006;12(1):56-60.

Parkkari J, Kannus P, Natri A, Lapinleimu I, Palvanen M, Heiskanen M, et al. Active living and injury risk. Int J Sports Med. 2004;25(3):209-16.

Santos SG, Piucco T. Efeitos da vibração transitória no organismo dos atletas. EFDeportes.com, Revista Digital. 2006;11(102):1-4.

Publicado
2010-03-09
Seção
Tendências e Reflexões