A percepção emocional do cuidador familiar frente à técnica do cateterismo intermitente limpo na mielomeningocele

Autores

  • Regina Célia Villa Costa Associação de Assistência à Criança Deficiente
  • Elizabete Tsubomi Saito Guiotoku Associação de Assistência à Criança Deficiente
  • Helena Kravchychyn Associação de Assistência à Criança Deficiente
  • Juliana Rocha Associação de Assistência à Criança Deficiente
  • Mariana Magalhães do Carmo Associação de Assistência à Criança Deficiente
  • Yara Pisanelli Gustavo Castro

DOI:

https://doi.org/10.5935/0104-7795.20120035

Palavras-chave:

Cateterismo Urinário, Cuidado da Criança, Cuidadores, Meningomielocele

Resumo

Os cuidados do trato urinário necessários à criança com mielomeningocele demandam auxílio constante de um cuidador, que frequentemente é um membro da família e que por vezes vivencia dúvidas, angústias e dificuldades com relação à técnica do cateterismo intermitente limpo que se faz necessário para essas crianças. Objetivo: Dessa forma, esta pesquisa tem como objetivo investigar pensamentos e sentimentos do cuidador familiar sobre a realização dessa técnica na criança e analisar se o cuidador visualiza a possibilidade da criança fazer o autocateterismo no futuro. Método: O estudo tem abordagem quantitativa e qualitativa, observacional e transversal. Realizado com 15 cuidadores familiares provenientes de uma instituição de reabilitação da cidade de São Paulo, de abril a agosto de 2012, por meio de entrevista estruturada gravada em áudio. Para a análise de conteúdo e léxica das questões abertas usou-se o software SPAD-T® versão 1.5. Resultados: As categorias encontradas foram: Impressões do cuidador sobre o cateterismo; Tempo de adaptação ao procedimento; Percepções do cuidador sobre as impressões da criança; Referências à intervenção do profissional; Percepções do cuidador sobre o autocateterismo; Percepções do cuidador sobre o potencial da criança; Referências à (in)dependência na relação cuidador-criança. Para a análise estatística utilizou-se o software SPSS® 15.0. Conclusão: Todos os cuidadores apresentaram sentimentos e pensamentos negativos a respeito do cateterismo, apesar de alguns também mencionarem conteúdos positivos. Além disso, a maior parte dos cuidadores não soube responder com clareza se a criança realizará o autocateterismo futuramente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fernandes AC. Mielomeningocele. In: Teixeira E, Sauron FN, Santos LSB, Oliveira MC. Terapia ocupacional na reabilitação física. São Paulo: Roca; 2003. p.73-88.

Fernandes AC, Mendonça AB, Santos CA. Defeitos do fechamento do tubo neural. In: Fernandes AC. AACD - medicina e reabilitação: princípios e prática. São Paulo: Artes Médicas; 2007. p.141-60.

Lapides J, Diokno AC, Silber SJ, Lowe BS. Clean, intermittent self-catheterization in the treatment of urinary tract disease. J Urol. 1972;107(3):458-61.

Furlan MFFM. Experiência do cateterismo vesical intermitente por crianças e adolescentes portadores de bexiga neurogênica [Dissertação]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo; 2003.

Pereira SGR. Qualidade de vida de pacientes com disfunções vesicoesfincterianas em programa de cateterismo vesical intermitente limpo [Dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2010.

Makiyama TY, Battistella LR, Litvoc J, Martins LCM. Estudo sobre a qualidade de vida de pacientes hemiplégicos por acidente vascular cerebral e de seus cuidadores. Acta Fisiatr. 2004;11(3):106-9.

Zebold KF. Urologic nursing care of the child with spina bifida. In: Sarwark JF, Lubicky JP. Caring for the child with spina bifida. Chicago: AAOS; 2000. p. 561-70.

Gaiva MAM, Neves AQ, Siqueira FMG. O cuidado da criança com espinha bífida no domicílio. Rev Enferm. 2009;13(4):717-25.

Cipriano MABQ, Oliveira MV. Cuidado da criança portadora de mielomeningocele: vivência da família. Rev Rene. 2008;9(4):72-81.

Bardin L. Análise de conteúdo. 4 ed. Lisboa: Edições 70; 2009.

Costa JN. Fatores Interferentes na realização do cateterismo vesical intermitente em crianças com mielomeningocele na percepção do cuidador [Dissertação]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2006.

Furlan MFFM. O "cuidar" de crianças portadoras de bexiga neurogênica: representações sociais das necessidades dessas crianças e suas mães [Dissertação]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo; 1998.

Santos EM. Qualidade de vida relacionada à saúde em crianças e adolescentes com mielomeningocele [Dissertação]. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia; 2009.

Brunhara F, Petean EBL. Mães e filhos especiais: reações, sentimentos e explicações à deficiência da criança. Paidéia (Ribeirão Preto). 1999;9(16):31-40. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X1999000100004

Caprara A, Rodrigues J. A relação assimétrica médicopaciente: repensando o vínculo terapêutico. Cien Saúde Coletiva. 2004;9(1):139-46. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232004000100014

Falkenback AP, Drexsler G, Werler V. A relação mãe/criança com deficiência: sentimentos e experiências. Cien Saúde Coletiva. 2008;13(Sup 2):2065-73.

Publicado

2012-12-09

Edição

Seção

Artigo Original
MÉTRICAS | METRICS