A intervenção fisioterapêutica no ambulatório de cuidado a pessoa com síndrome de Down no Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Autores

  • Munique Dias de Almeida Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina
  • Maria Cecilia dos Santos Moreira Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina
  • Patricia Zen Tempski Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina

DOI:

https://doi.org/10.5935/0104-7795.20130010

Palavras-chave:

Síndrome de Down, Desenvolvimento Infantil, Destreza Motora, Modalidades de Fisioterapia, Centros de Reabilitação

Resumo

A Síndrome de Down (SD) é a cromossosmopatia mais comum do ser humano. Sabe-se que estas pessoas quando estimuladas adequadamente apresentam potencial para uma plena inclusão social. O objetivo deste texto é divulgar o trabalho realizado junto a esta população pelo serviço de Fisioterapia que compõem a equipe multiprofissional do Ambulatório de Cuidado a Pessoa com SD do Instituto de Medicina Física e Reabilitação - HC FMUSP. Tal ambulatório desenvolve atividades terapêuticas com pessoas entre zero e 18 anos de idade. Os trabalhos são realizados em modelos que são subdivididos em: Modelo de Etimulação Global, que atende de zero a três anos cujos os objetivos são voltados a aquisição dos marcos motores, essenciais para o desenvolvimento neuropsicomotor; Modelo de Desenvolvimento Infantil que aborda crianças dos quatro aos onze anos e estão focados no desenvolvimento de habilidades motoras mais avançadas, força, estruturação postural, aprimoramento da motricidade, equilíbrio e propriocepção para otimização da atividade cerebelar e consequente melhora do equilíbrio estático e dinâmico; Modelo Adolescentes Down dos doze aos dezoito anos e Modelo Adulto Down a partir de dezenove anos que visa tratar do reestabelecimento ortopédico e postural, além de fornecer orientações de promoção e prevenção em saúde. O acompanhamento fisioterapêutico é fundamental dentro do ambulatório do cuidado à pessoa com SD pois estimula junto à equipe mustiprofissional e à família, o desenvolvimento motor destas crianças, respeitando o seu tempo e valorizando suas potencialidades, além de atuar como educador em saúde junto á família, com objetivo de prevenção e promoção da saúde da pessoa com SD e seu núcleo familiar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Munique Dias de Almeida, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina

Fisioterapeuta, Ambulatório de Cuidado a Pessoa com Síndrome de Down do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP.

Maria Cecilia dos Santos Moreira, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina

Fisioterapeuta, Diretora do Serviço de Fisioterapia do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP

Patricia Zen Tempski, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina

Médica Pediatra, Coordenadora do Ambulatório de Cuidado a Pessoa com Síndrome de Down do Instituto de Medicina Física e Reabilitação HC FMUSP.

Referências

Projeto Down [Homepage na Internet]. Sao Paulo: Centro de Informaçao e Pesquisa da Síndrome de Down; c2012 [citada 2012 ] Disponível em: http://www.projetodown.org.br/

Carvalho RL, Almeida GL.Controle postural em indivíduos portadores da síndrome de Down: revisao de literatura. Fisioter Pesqui. 2008;15(3):304-8.

Mancini MC, Silva PC, Gonçalves SC, Martins SM. Comparaçao do desempenho funcional de crianças portadoras de síndrome de Down e crianças com desenvolvimento normal aos 2 e 5 anos de idade. Arq Neuropsiquiatr. 2003;61(2-B):409-15.

Stray-Gundersen K. Crianças com síndrome de Down: guia para pais e educadores. Porto Alegre: Artmed; 2007.

Perrotti AC, Manoel EJ. Uma visao epigenética do desenvolvimento motor. Rev Bras Cienc Mov.2001;9(4):77-82.

Reed UC. Doenças neuromusculares. J Pediatr (Rio J) 2002;78(Supl.1):S89-S103.

iper MC, Pinnell LE, Darrah J, Maguire T, Byrne PJ. Construction and validation of the Alberta Infant Motor Scale (AIMS). Can J Public Health. 1992;83 Suppl 2:S46-50.

Sacani R. Validaçao da Alberta Infant Motor Scale para aplicaçao no Brasil: análise do desenvolvimento motor e fatore de risco para atraso de crianças de 0 a 18 meses [Dissertaçao]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2009.

Almeida KM, Dutra MV, Mello RR, Reis AB, Martins PS. Concurrent validity and reliability of the Alberta Infant Motor Scale in premature infants. J Pediatr (Rio J).2008;84(5):442-8. DOI: http://dx.doi.org/10.2223/JPED.1836

Cunninghan C. Síndrome de Down: uma abordagem para pais e cuidadores. 3 ed. Porto Alegre: Artmed; 2008.

Mik G, Gholve PA, Scher DM, Widmann RF, Green DW. Down syndrome: orthopedic issues. Curr Opin Pediatr. 2008;20(1):30-6. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/MOP.0b013e3282f35f19

Hankinson TC, Anderson RC. Craniovertebral junction abnormalities in Down syndrome. Neurosurgery. 2010;66(3 Suppl):32-8.

Cohen WI. Current dilemmas in Down syndrome clinical care: celiac disease, thyroid disorders, and atlanto-axial instability. Am J Med Genet C Semin Med Genet. 2006;142C(3):141-8.

Bull MJ; Committee on Genetics. Clinical report - health supervision for children with Prader-Willi syndrome. Pediatrics.2011;128(2):393-406.

Caselli MA, Cohen-Sobel E, Thompson J, Adler J, Gonzalez L. Biomecanical management of children and adolescents with Down Syndrome. J Am Podiatri Med Assoc. 1991;81(3):119-27.

Rosa Neto F. Manual de Avaliaçao Motora. Porto Alegre: Artmed; 2002.

Pereira K. Perfil do desenvolvimento motor de lactantes com Síndrome de. Down dos 3 aos 12 meses de idade [Tese]. Sao Carlos: Univesidade Federal de Sao Carlos; 2008.

Shields N, Taylor NF. A student-led progressive resistance training program increases lower limb muscle strength in adolescents with Down syndrome: a randomised controlled trial. J Physiother. 2010;56(3):187-93. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S1836-9553(10)70024-2

Pitetti KH, Climstein M, Mays MJ, Barrett PJ. Isokinetic arm and leg strength of adults with Down syndrome: a comparative study. Arch Phys Med Rehabil. 1992;73(9):847-50.

Croce RV, Pitetti KH, Horvat M, Miller J. Peak torque, average power, and hamstrings/quadriceps ratios in nondisabled adults and adults with mental retardation. Arch Phys Med Rehabil. 1996;77(4):369-72. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0003-9993(96)90086-6

Dugdale TW, Renshaw TS. Instability of the patellofemoral joint in Down syndrome. J Bone Joint Surg Am. 1986;68(3):405-13.

Milbrandt TA, Johnston CE 2nd. Down syndrome and scoliosis: a review of a 50-year experienceat oneinstitution. Spine (Phila Pa 1976). 2005;30(18):2051-5. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/01.brs.0000179100.54453.72

Diamond LS, Lynne D, Sigman B. Orthopedic disorders in patients with Down's syndrome. Orthop Clin North Am. 1981;12(1):57-71.

Ulrich BD, Ulrich DA, Collier DH, Cole EL. Developmental shifts in the ability of infants with Down syndrome to produce treadmill steps. Phys Ther. 1995;75(1):14-23.

Publicado

2013-03-03

Edição

Seção

Tendências e Reflexões