Confiabilidade de um teste funcional de desempenho do membro superior

Teste Elui

Autores

  • Valéria Meirelles Carril Elui Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
  • Daniela Nakandakari Goia Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto
  • Flávia Pessoni Faleiros Macêdo Ricci Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
  • Marisa de Cássia Registro Fonseca Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

DOI:

https://doi.org/10.5935/0104-7795.20140021

Palavras-chave:

Mãos, Destreza Motora, Habilidades para Realização de Testes

Resumo

A destreza manual é uma habilidade fundamental para o desempenho das atividades cotidianas. Medidas da força muscular, amplitude de movimento e sensibilidade isoladamente podem não refletir o status funcional na avaliação físico-funcional. É importante também o uso de questionários autoaplicáveis e testes funcionais específicos que avaliem o desempenho levando em consideração o membro superior e que possam testar aspectos como a destreza, coordenação e qualidade da preensão, podendo variar em termos de padronização e propriedades psicométricas. A partir desta necessidade foi desenvolvido o Teste Funcional de Membro Superior Elui que visou oferecer um instrumento nacional de mensuração e de referência a ser utilizado na prática clínica, porém suas propriedades psicométricas ainda não são definidas. Objetivo: Analisar a confiabilidade interexaminador e teste re-teste do Teste Funcional de Membro Superior Elui. Método: 50 voluntários saudáveis, de ambos os sexos, com idade média de 32,62 anos que não apresentassem disfunção ou sintomatologia nos membros superiores foram submetidos ao teste por dois examinadores e após 30 dias por um examinador. A aplicação deste teste requer materiais simples presentes no cotidiano, divididos em 10 subitens: Simular Escrita, Virar Chave, Pegar pequenos objetos, Simular alimentação, Despejar água, Abrir Potes, Cortar com a Faca, Simular Vestuário, Pegar objetos Grandes e leves e Pegar objetos grandes e pesados. Cada voluntário avaliado deveria realizar cada item do teste com ambas as mãos ou com a mão dominante, dependendo do subitem analisado, sendo adaptada a lateralidade quando necessário. Resultados: A análise estatística foi realizada visando comparar as diferenças das medidas de cada sub-item do teste em segundos e a análise da confiabilidade interexaminadores e teste reteste pelo Coeficiente de Correlação Intraclasse (ICC) com intervalo de confiança de 95% e p < 0,05. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa local e todos os voluntários assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido. Os resultados mostraram que com exceção da tarefa pegar pequenos objetos que teve ICC considerado não aceitável (0,65), todos os outros 9 itens apresentaram excelente confiabilidade interexaminadores entre 0,95-0,99 e Alpha de Cronbach entre 0,97-0,99. Para o teste reteste as tarefas com excelente confiabilidade foram despejar água ICC 0,98 e simular escrita ICC 0,91, boa confiabilidade para as tarefas pegar objetos grandes e pesados ICC 0,85, cortar com faca ICC 0,85 e simular alimentação ICC 0,80; confiabilidade aceitável dos itens virar chave ICC 0,74 e simular vestuário ICC 0,76; com Alpha de Cronbach de todas as tarefas entre 0,79 e 0,99. Conclusão: O Teste Elui apresentou excelente repetitividade tanto entre examinadores como em medidas repetidas ao longo do tempo pelo mesmo examinador na maioria dos subitens, sendo considerado confiável para a amostra estudada, sendo utilizada a terceira medida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Sartorio F, Bravini E, Vercelli S, Ferriero G, Plebani G, Foti C et al. The Functional Dexterity Test: test-retest reliability analysis and up-to date reference norms. J Hand Ther. 2013;26(1):62-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jht.2012.08.001

Fonseca MCR, Mazzer N, Barbieri CH, Elui, VMC. Traumas da mão: estudo retrospectivo. Rev Bras Ortop. 2006;41(5):181-6.

McPhee SD. Functional Hand Evaluations: A Review. The American Journal of Occupational Therapy. Am J Occup Ther. 1987;41(3):158-63. DOI: http://dx.doi.org/10.5014/ajot.41.3.158

Teixeira E, Sauron FN, Santos LSB, Oliveira MC. Terapia ocupacional na reabilitação física. São Paulo: Roca; 2003.

Araújo PMP. Avaliação funcional. In: Freitas PP. Reabilitação da mão. São Paulo: Atheneu; 2006. p.35-54.

Seftchick JL, Detullio LM, Fedorczyk JM, et al. Clinical examination of the hand. In: Skirven TM, Osterman L, Fedorczyk J, Amadio PC. Rehabilitation of the hand and upper extremity. Philadelphia: Elsevier Mosby; 2011. p 55-71.

MacDonald EM. Terapia ocupacional em reabilitação. 4 ed. São Paulo: Santos; 1998.

Beattie P. Measurement of health outcomes in the clinical setting: applications to physiotherapy. Physiother Theory Pract. 2001;17(3):173-85. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/095939801317077632

Fess EE. Functional tests. In: Skirven TM, Osterman LA, Fedorczyk JM, Amadio PC. Rehabilitation of the hand and upper extremity. Philadelphia: Elsevier Mosby; 2011. p. 152-62.

Macdermid JC. Outcomes measurement in upper extremity practice. In: Skirven TM, Osterman LA, Fedorczyk JM, Amadio PC. Rehabilitation of the hand and upper extremity. Philadelphia: Elsevier Mosby; 2011. p. 194-205.

Elui VMC, Fonseca MCR. Destreza. In: Recomendações para avaliação do membro superior. 2 ed. São Paulo: Sociedade Brasileira de Terapeutas da Mão e Membro Superior; 2005. p. 98-110.

Rallon CR, Chen CC. Relationship between performance-based and self-reported assessment of hand function. Am J Occup Ther. 2008;62(5):574-9. DOI: http://dx.doi.org/10.5014/ajot.62.5.574

Yancosek KE, Howell D.A narrative review of dexterity assessments. J Hand Ther. 2009;22(3):258-69. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jht.2008.11.004

Skirven TM, Osterman AL. Clinical examination of the wrist. In: Skirven TM, Osterman LA, Fedorczyk JM, Amadio PC. Rehabilitation of the hand and upper extremity. Philadelphia: Elsevier Mosby; 2011. p. 72-84.

Coleman EF, Renfro RR, Cetinok EM, Fess EE, Shaar CJ, Dunipace KR. Reliability of the manual dynamic mode of the Baltimore Therapeutic Equipment Work Simulator. J Hand Ther. 1996;9(3):223-37. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0894-1130(96)80086-X

Jebsen RH, Taylor N, Trieschmann RB, Trotter MJ, Howard LA. An objective and standardized test of hand function. Arch Phys Med Rehabil. 1969;50(6):311-9.

Rayan GM, Brentlinger A, Purnell D, Garcia-Moral CA. Functional assessment of bilateral wrist arthrodeses. J Hand Surg Am. 1987;12(6):1020-4. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0363-5023(87)80102-8

Weiss AC, Wiedeman G Jr, Quenzer D, Hanington KR, Hastings H 2nd, Strickland JW. Upper extremity function after wrist arthrodesis. J Hand Surg Am. 1995;20(5):813-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0363-5023(05)80437-X

Elui VMC. Comparação da função de duas órteses na reabilitação da mão em garra móvel de hansenianos [Tese]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo; 2001.

Wahlund K, List T, Dworkin SF. Temporomandibular disorders in children and adolescentes: reability of a questionary, clinical examination, and diagnosis. J Orofacial Pain. 1998;12(1):42-51.

Shumway-Cook A, Woollacott MH. Controle motor: teoria e aplicações práticas. 2 ed. Barueri: Manole; 2002.

Poole JL. Measures of hand function: Arthritis Hand Function Test (AHFT), Australian Canadian Osteoarthritis Hand Index (AUSCAN), Cochin Hand Function Scale, Functional Index for Hand Osteoarthritis (FIHOA), Grip Ability Test (GAT), Jebsen Hand Function Test (JHFT), and Michigan Hand Outcomes Questionnaire (MHQ). Arthritis Care Res (Hoboken). 2011;63 Suppl 11:S189-99. DOI: http://dx.doi.org/10.1002/acr.20631

Carazzato JG. Teste de função motora da mão pesquisa em 200 pessoas normais [Dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 1978.

Publicado

2014-09-09

Edição

Seção

Artigo Original
MÉTRICAS | METRICS