Estresse infantil e a percepção do suporte familiar das crianças submetidas à cirurgia ortopédica

Autores

  • Gabriella Ribeiro Nakao Associação de Assistência à Criança Deficiente - AACD
  • Paula Hiromi Ito Associação de Assistência à Criança Deficiente - AACD
  • Rafael Oliveira Pontes Associação de Assistência à Criança Deficiente - AACD
  • Regina Célia Villa Costa Associação de Assistência à Criança Deficiente - AACD

DOI:

https://doi.org/10.5935/0104-7795.20170012

Palavras-chave:

Ortopedia, Reabilitação, Adaptação Psicológica, Relações Familiares

Resumo

Objetivo: Investigar a correlação existente entre o nível de estresse de crianças pós-operadas, de 11 a 14 anos de idade, em relação à qualidade da percepção destes pacientes sobre o suporte familiar recebido durante o processo de reabilitação física. Método: Trata-se de um estudo transversal, com análise qualitativa e quantitativa, desenvolvido em um centro de reabilitação, no município de São Paulo. Os instrumentos aplicados nos pacientes foram: Escala de Stress Infantil (ESI), Inventário de Percepção do Suporte Familiar (IPSF) e no respectivo cuidador, um questionário de caracterização dos participantes. Resultados: Os dados foram analisados estatisticamente e se observou significância estatística entre o fator Adaptação (IPSF) com a dimensão Reações psicológicas com componente depressivo (ESI). Houve associação significativa entre o escore total da ESI e do IPSF. Neste estudo, das crianças com sinais significativos de estresse, a maioria apresentou baixa/ médio-baixa percepção do suporte familiar. Discussão: A percepção do paciente sobre o meio pelo qual se relaciona é um importante indício do enfrentamento às situações adversas vividas no meio social, conforme associação encontrada neste estudo. Conclusão: Os aspectos relacionados à maturidade cognitiva e emocionais da criança contribuem na qualidade da percepção do suporte familiar. É importante que novos estudos sejam realizados para ampliar as discussões nessa área

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Mombelli MA, Costa JB, Marcon SS, Moura CB. Estrutura e suporte familiar como fatores de risco de stress infantil. Estud Psicol. 2011;28(3):327-35. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2011000300004

Lucarelli MDM, Lipp MEN. Validação do inventário de sintomas de stress infantil - ISS - I. Psicol Reflex Crit. 1999;12(1):71-88. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79721999000100005

Lipp MEN, Arantes JP, Buriti MS, Witzig T. O estresse em escolares. Psicol Esc Educ. 2002;6(1):51-6. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-85572002000100006

Martins LAN. Residência médica: estresse e crescimento. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2005.

Rosa M. Psicologia evolutiva: problemática do desenvolvimento. 7 ed. Petrópolis: Vozes; 1993.

Limongi SCO. A linguagem na criança de onze a catorze anos: sua expressão no período formal. In: Bossa NA, Oliveira VB. Avaliação psicológica do adolescente. 4 ed. Petrópolis: Vozes; 1998. p.105-31.

Giacomini M, Galvan G. A atuação do psicólogo no contexto hospitalar com pacientes ortopédicos. In: Ismael SMC. A prática psicológica e sua interface com as doenças. 2 ed. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2010. p.173-84.

Castanho AAG, Previatto TLC. Fisioterapia pós-operatória na paralisia cerebral. In: Borges D, Moura EW, Lima E, Silva PAC. Fisioterapia: aspectos clínicos e práticos da reabilitação. São Paulo: Artes Médicas; 2005. p. 61-74.

Cavalcante, FG. Pessoas muito especiais: a construção social do portador de deficiência e a reinvenção da família. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003.

Baptista MN. Inventário de Percepção de Suporte Familiar (IPSF). São Paulo: Vetor; 2009.

Campos EP. Suporte social e família. In: Melo Filho J, Burd M. Doença e família. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2004. p.141-61.

Nery CR. Dos pressupostos teóricos. In: Nery CR. Compartilhando para crescer: experiências psicoterápicas em Gestalt-Terapia. Curitiba: Juruá; 2013. p. 22-38.

Lipp MEN, Lucarelli MDM. Escala de Stress Infantil - ESI: manual. São Paulo: Casa do Psicólogo; 1998.

Lipp MEN, Lucarelli MDM. Escala de Stress Infantil - ESI: manual. 2 ed. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2005.

Sebastiani RW. Atendimento psicológico no centro de terapia intensiva. In: Camon VAA. Psicologia hospitalar: teoria e prática. 2 ed. São Paulo: Cengage Learning; 2015. p. 35-40.

Bee H, Boyd D. A visão de Piaget sobre as operações formais. In: Bee H, Boyd D. A criança em desenvolvimento. 12 ed. Porto Alegre: Artmed; 2011. p. 186-88.

Faria AMB, Cardoso CL. Aspectos psicossociais de acompanhantes cuidadores de crianças com câncer: stress e enfrentamento. Est Psicol. 2010;27(1):13-20.

Souza MS, Baptista MN, Alves GAS. Suporte familiar e saúde mental: evidência de validade baseada na relação entre variáveis. Aletheia. 2008;(28):32-44. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932008000200004

Baptista MN, Souza MS, Alves GAS. Evidências de Validade entre a Escala de Depressão (EDEP), o BDI e o Inventário de Percepção do Suporte Familiar (IPSF). Psico-USF. 2008;13(2):211-20. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712008000200008

Publicado

2017-06-30

Edição

Seção

Artigo Original
MÉTRICAS | METRICS