Considerações sobre instituições de reabilitação para crianças e adolescentes com deficiência no município do Rio de Janeiro

  • Livia Rangel Lopes Borgneth Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ
  • Alice Yuriko Shinohara Hassano Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ
  • Luciane Gaspar Guedes Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ
  • Márcia Gonçalves Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ
Palavras-chave: Centros de Reabilitação, Serviços de Reabilitação, Pessoas com Deficiência, Criança

Resumo

Discussão a partir de dados extraídos da pesquisa “Estudo da oferta e análise de programas de reabilitação para a população infanto-juvenil com deficiência no Município do Rio de Janeiro”. Objetivo: Ampliar o conhecimento sobre as instituições que oferecem reabilitação para a população de crianças e adolescentes com deficiência. Método: Estudo descritivo tipo inquérito, por questionário, especificamente preparado para este fim. Resultados: A amostra composta por 7 (12,6%) instituições de ensino, 16 (29,6%) instituições pertencentes ao Sistema Único de Saúde (SUS) e 31 (57,41%) representam: 11 organizações não governamentais, 15 filantrópicas e 5 privadas conveniadas com o SUS e/ou Sistema único de Assistência Social (SUAS), mostrando que a maior parte dos atendimentos não ocorre na rede pública. Este dado sugere rotatividade de profissionais por falta de estabilidade e consequente descontinuidade de tratamento. Maioria das organizações, fora a rede pública, tem convênio com o SUAS, cuja missão é regular e organizar serviços, programas e benefícios socioassistenciais, o que pode levar ao não aproveitamento de avanços técnicos na área da saúde. Avaliações médicas especializadas e recursos como óculos, cadeira de rodas, andadores, mostraram não ser de fácil obtenção. Considerações sobre dificuldade para reabilitação são levantadas. Conclusão: O fato de que esta população quando reabilitada tem ampliada sua condição para participação ativa na sociedade, com consequente redução de custo e aumento do capital social é uma realidade. Ampliar conhecimentos sobre a gestão em reabilitação está se tornando cada vez mais premente, visto que avanços científicos e tecnológicos aliados a constantes conquistas sociais viabilizam, cada vez mais, inserção de pessoas que antes estariam restritas a uma vida de exclusão social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Garcia VG. Panorama da inclusão das pessoas com deficiência no mercado de trabalho no Brasil. Trab Educ Saúde. 2014;12(1):165-87. DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-77462014000100010

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro; IBGE; 2012.

O caminho à frente: recomendações. In: World Health Organization. Relatório mundial sobre a deficiência. São Paulo: SEDPcD; 2012. p.269-78.

Lantos JD, Ward NA. A new pediatrics for a new century. Pediatrics. 2013;131 Suppl 2:S121-6. DOI: https://doi.org/10.1542/peds.2013-0252b

Duarte JG, Gomes SC, Pinto MT, Gomes MASM. Perfil dos pacientes internados em serviços de pediatria no município do Rio de Janeiro: mudamos? Physis. 2012; 22(1):199-214.

Entendendo a deficiência. In: World Health Organization. Relatório mundial sobre a deficiência. São Paulo: SEDPcD; 2012. p.3-18.

Camden C, Swaine B, Tétreault S, Brodeur MM. Reorganizing pediatric rehabilitation services to improve accessibility: do we sacrifice quality? BMC Health Serv Res. 2010;10:227.

Costa AJL, Kale PL, Vermelho LL. Indicadores de saúde. In: Medronho RA. Epidemiologia. 2 ed. São Paulo: Atheneu; 2009. p.31-82.

Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012.

Pontes RJ, Ramos Júnior AN, Kerr LRS, Bosi MLM. Transição demográfica e epidemiológica. In: Medronho RA. Epidemiologia. 2 ed. São Paulo: Atheneu; 2009. p.123-51.

Strehle EM, Straub V. Recent advances in the management of Duchenne muscular dystrophy. Arch Dis Child. 2015;100(12):1173-7. PMID: 26153505 DOI: https://doi.org/10.1136/archdischild-2014-307962

Oliveira CS, Vasconcelos PFC. Microcefalia e Vírus Zika. J Pediatr (Rio J). 2016;92(2):103-5.

Pereira IB, Lima JCF. Dicionário da educação profissional em saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. O SUS no seu município: garantindo saúde para todos. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

World Health Organization. Community-based rehabilitation: CBR guidelines. Geneva: WHO; 2010.

Costa AMM, Silva K, Gomes Jr SC, Oliveira MI, Mello R, Carvalho M, et al. Avaliação de impacto da ONG Refazer no tratamento médico de crianças em risco social. Rev Panam Salud Publica. 2011:30(3):231-9. DOI: https://doi.org/10.1590/S1020-49892011000900007

Azevedo E, Pelicioni MC, Westphal MF. Práticas Intersetoriais nas Políticas de Promoção de Saúde. Physis Rev Saúde Coletiva. 2012;22(4):1333-56. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312012000400005

Stancato K, Zilli PT. Fatores geradores da rotatividade dos profissionais de saúde: uma revisão da literatura. Rev Adm Saúde. 2010;12(47):87-99.

Medeiros CRG, Junqueira AGW, Schwingel G, Carreano I, Jungles LAP, Saldanha OMFL. A Rotatividade de enfermeiros e médicos: um impasse na implementação da estratégia de saúde de família. Ciên Saúde Coletiva. 2010;15(Supl 1):1521-31. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000700064

Erdmann AL, Sousa FG. Cuidando da criança na atenção básica de saúde: atitude dos profissionais da saúde. O Mundo da Saúde São Paulo. 2009.33(2).150-60.

Barros ACMW. Proteção e Vulnerabilidade à Violência Familiar em Crianças e Adolescentes com Deficiência [Tese]. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira; 2014.

Pai AL, McGrady M. Systematic review and metaanalysis of psychological interventions to promote treatment adherence in children, adolescents, and young adults with chronic illness. J Pediatr Psychol. 2014;39(8):918-31. DOI: https://doi.org/10.1093/jpepsy/jsu038

Cavalcante LPF. Avaliação da aprendizagem no ensino superior na área da saúde: unidade de produção de sentidos sob a perspectiva histórico-cultural [Tese] São Carlos: Universidade Federal de São Carlos; 2011.

Ballester D, Zuccollotto SMC, Gannam SSA, Escobar AMU. A Inclusão da Perspectiva do Paciente na Consulta Médica: um Desafio na Formação do Médico. Rev Bras Educ Méd. 2010;34(4):598-606. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022010000400016

Simões C, Matos MG, Ferreira M, Tomé G. Risco e resiliência em adolescentes com necessidades educativas especiais: desenvolvimento de um programa de promoção da resiliência na adolescência. Psicol Saúde e Doenças. 2010;11(1):101-19.

Hassano AYS, Borgneth LRL, Barça L, Pereira JA, Rebel MF. Contribuição da UFRJ à atenção ao desenvolvimento neuropsicomotor da criança e do adolescente e reabilitação no Município do Rio de Janeiro, como um dos parceiros interinstitucionais. In: I Congresso de Pediatria da UFRJ; 2005; Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: UFRJ; 2005. p. 30.

Ribeiro CTM, Ribeiro MG, Araújo AP, Mello LR, Rubim LC, Ferreira JES. O sistema público de saúde e as ações de reabilitação no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2010;28(1):43–8. DOI: https://doi.org/10.1590/S1020-49892010000700007

Federação das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Beneficentes do Estado do Paraná [homepage na Internet]. Curitiba: FEMIPA; c2015 [citado 2015 Out 16]. Disponível em: http://www.femipa.org.br/pdf/manual_sustentabilidade.pdf

Oliveira LR, Medeiros RM, Terra PB, Quelhas LG. Sustentabilidade: da evolução dos conceitos à implementação como estratégia nas organizações. Produção. 2012;22(1):70-82.

World Health Organization. Relatório mundial sobre a deficiência. São Paulo: SEDPcD; 2012.

Nobrega M, Marone SAM, Sih T, Lubianca Neto JF, Bragagnolo S, Simões R. Perda Auditiva na Infância. São Paulo: Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina; 2012.

Carrico B, Sameli AG, Matas CG, Magliaro FCL, Carvallo RMM, Limogi SCO, et al. Avaliação auditiva periférica em crianças com síndrome de Down. Audiol Commun Res.2014;19(3):280-5. DOI: https://doi.org/10.1590/S2317-643120140003000012

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de ambiência dos centros especializados em reabilitação (CER) e das oficinas ortopédicas: orientações para elaboração de projetos (construção, reforma e ampliação). Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Sposito MMM. Bloqueios químicos para o tratamento da espasticidade na paralisia cerebral. Acta Fisiátr. 2010;17(2):68-83.

Ahmed S, Alam ST, Rahman MM, Akhter S. Clinical profile of early childhood epilepsy: a cross sectional study in a tertiary care hospital. Mymensingh Med J. 2016;25(1):96-101.

Vieira DKR, Horovitz DDG, Llerena Júnior JC. Avaliação genética itinerante de crianças e adolescentes com deficiência vinculadas à estratégia saúde da família. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2012;7(24). DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc7(24)485

Lianza S, Dezen E. Órteses. In: Lianza S. Medicina de Reabilitação. 3 ed. Rio de Janeiro; Guanabara Koogan; 2001. p. 50-67.

Maciel SC, Souza DR, Makita LM. Órteses. In: Fernandes AC, Ramos ACR, Casalis MEP. Medicina e reabilitação: princípios e prática. São Paulo: Artes Médicas; 2007. p.645-70.

Verschuren O, Peterson MD, Leferink S, Darrah J. Muscle activation and energy-requirements for varying postures in children and adolescents with cerebral palsy. J Pediatr. 2014;165(5):1011-6. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jpeds.2014.07.027

Publicado
2018-06-30
Seção
Artigo Original