Protocolo de assistência do serviço de condicionamento físico para indivíduos com doenças neuromusculares e musculoesqueléticas

  • Cristiane Vieira Cardoso Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital – FMUSP
  • Cristiane Gonçalves Mota Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital – FMUSP https://orcid.org/0000-0001-8596-8712
  • Isabel Cristina da Silva Prado Sampaio Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital – FMUSP
  • Livia Maria dos Santos Sabbag Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital – FMUSP
Palavras-chave: Doenças Neuromusculares, Doenças Musculoesqueléticas, Aptidão Física, Exercício

Resumo

O condicionamento físico supervisionado por profissionais de Educação Física inserido em um programa de reabilitação para pacientes com distúrbios neuromusculares e musculoesqueléticos visa o aumento da força muscular, melhora da coordenação motora, equilíbrio dinâmico, capacidade aeróbia, capacidade funcional e da aptidão física voltada à saúde. Trata-se de importante intervenção para prevenir e atenuar a sinergia entre a perda de função física e a exacerbação de várias comorbidades que comprometem a independência funcional, modificar fatores de risco, aumentar a qualidade de vida e longevidade com redução da mortalidade. O objetivo desse artigo é apresentar o protocolo de assistência do Serviço de Condicionamento Físico do Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IMREA-HCFMUSP), elaborado para que a intervenção de exercícios físicos seja adequada, respeitando o perfil e limitações físicas desses pacientes, bem como na observação de seus marcadores clínicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Mcardle WD. Fisiologia do exercício: energia, nutrição e desempenho humano. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2008.

American College Sports of Medicine. Manual do ACMS para avaliação da aptidão física relacionada à saúde. Rio de Janeiro: Guanabara Koggan; 2006.

American College of Sports Medicine. Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição. 8 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2010.

American College of Sports Medicine. Pesquisas do ACSM para a fisiologia do exercício clínico: afecções musculoesqueléticas, neuromusculares, neoplásicas, imunológicas e hematológicas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2004.

Sociedade Brasileira de Cardiologia / Sociedade Brasileira de Hipertensão / Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2010; 95(1 supl.1):1-51. DOI: https://doi.org/10.1590/S0066-782X2010001700001

Jones CJ, Rikli RE, Beam WC. A 30-s chair-stand test as a measure of lower body strength in communityresiding older adults. Res Q Exerc Sport. 1999;70(2):113-9. DOI: https://doi.org/10.1080/02701367.1999.10608028

Podsiadlo D, Richardson S. The timed “Up & Go”: a test of basic functional mobility for frail elderly persons. J Am Geriatr Soc. 1991;39(2):142-8. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1532-5415.1991.tb01616.x

Publicado
2018-06-30
Seção
Tendências e Reflexões