Confiabilidade da baropodometria na avaliação do equilíbrio de indivíduos com deficiência visual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v28i2a168933

Palavras-chave:

Pessoas com Deficiência Visual, Equilíbrio Postural, Reprodutibilidade dos Testes

Resumo

Indivíduos com deficiência visual podem apresentar déficits de equilíbrio e existem diversos métodos capazes de avalia-lo, sendo a baropodometria um método em expansão, porém com escassez de estudos que abordem suas medidas psicométricas e avaliações padronizados. Objetivo: Avaliar a confiabilidade relativa e absoluta da baropodometria em um protocolo de avaliação de equilíbrio para pessoas com deficiência visual. Método: Estudo observacional, de corte transversal, com 38 indivíduos, de ambos os sexos, com e sem diagnóstico de deficiência visual, sendo alocados: grupo controle (GCO) (n= 13) composto por indivíduos sem deficiência visual, grupo baixa visão (GBV) (n= 15), grupo cegueira (GCE) (n= 10) e posteriormente realizada a junção do GBV e GCE, compondo o grupo deficiência visual (GDV) (n= 25). Para avaliar a confiabilidade da baropodometria, utilizou-se o método teste e reteste, com um intervalo de sete dias. Os indivíduos foram avaliados em três condições, apoio bipodal, apoio unipodal direito e apoio unipodal esquerdo considerando as variáveis área, amplitude e velocidade média anteroposterior e laterolateral. Para confiabilidade relativa foi utilizado o Coeficiente de Correlação Intraclasse (CCI) e para a confiabilidade absoluta o erro padrão da medida (EPM). Resultados: Em relação a confiabilidade relativa, os CCIs das variáveis da baropodometria variaram de baixo a muito alto em todos os grupos, com melhor confiabilidade nas condições de apoios unipodais e maior índice no GCE. Na confiabilidade absoluta, 14 variáveis apresentaram boa confiabilidade. Conclusão: A baropodometria apresenta-se como um método confiável, porém deve-se ter cautela na escolha do posicionamento e da variável a ser analisada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ruhe A, Fejer R, Walker B. The test-retest reliability of centre of pressure measures in bipedal static task conditions--a systematic review of the literature. Gait Posture. 2010;32(4):436-45. Doi: https://doi.org/10.1016/j.gaitpost.2010.09.012

Parreira RB, Grecco LAC, Oliveira CS. Postural control in blind individuals: A systematic review. Gait Posture. 2017;57:161-7. Doi: https://doi.org/10.1016/j.gaitpost.2017.06.008

Soares AV, Oliveira CS, Knabben RJ, Domenech SC, Borges Junior NG. Postural control in blind subjects. Einstein (Sao Paulo). 2011;9(4):470-6. Doi: https://doi.org/10.1590/S1679-45082011AO2046

Sá CG, Bim CR. Análise estabilométrica pré e pós-exercícios fisioterapêuticos em crianças deficientes visuais. Fisioter Mov. 2012;25(4):811-9. Doi: https://doi.org/10.1590/S0103-51502012000400014

Robbins SM, Caplan RM, Aponte DI, St-Onge N. Test-retest reliability of a balance testing protocol with external perturbations in young healthy adults. Gait Posture. 2017;58:433-9. Doi: https://doi.org/10.1016/j.gaitpost.2017.09.007

Mancini M, Horak FB. The relevance of clinical balance assessment tools to differentiate balance deficits. Eur J Phys Rehabil Med. 2010;46(2):239-48.

Umphred DA. Reabilitação neurológica. Rio de Janeiro: Elsevier; 2011.

Rodowanski IJ. Plataforma de força instrumentada: uma ferramenta aplicada a estudos de posturologia [Dissertação]. Salvador: Universidade Federal da Bahia; 2011.

Giacomozzi C. Hardware performance assessment recommendations and tools for baropodometric sensor systems. Ann Ist Super Sanita. 2010;46(2):158-67. Doi: https://doi.org/10.4415/ANN_10_02_09

Rosário JLP. A review of the utilization of baropodometry in postural assessment. J Bodyw Mov Ther. 2014;18(2):215-9. Doi: https://doi.org/10.1016/j.jbmt.2013.05.016

Khanmohammadi R, Talebian S, Hadian MR, Olyaei G, Bagheri H. The relative and absolute reliability of center of pressure trajectory during gait initiation in older adults. Gait Posture. 2017;52:194-201. Doi: https://doi.org/10.1016/j.gaitpost.2016.11.042

Kottner J, Audigé L, Brorson S, Donner A, Gajewski BJ, Hróbjartsson A, et al. Guidelines for Reporting Reliability and Agreement Studies (GRRAS) were proposed. J Clin Epidemiol. 2011;64(1):96-106. Doi: https://doi.org/10.1016/j.jclinepi.2010.03.002

Alves R, Borel WP, Rossi BP, Vicente EJD, Chagas PS de C, Felício DC. Test-retest reliability of baropodometry in young asyntomatic individuals during semi static and dynamic analysis. Fisioter Mov. 2018;31. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jclinepi.2010.03.002

Souza AC, Alexandre NMC, Guirardello EB. Propriedades psicométricas na avaliação de instrumentos: avaliação da confiabilidade e da validade. Epidemiol Serv Saude. 2017;26(3):649-59. Doi: https://doi.org/10.5123/S1679-49742017000300022

Echevarría-Guanilo ME, Gonçalves N, Romanoski PJ. Propriedades psicométricas de instrumentos de medidas: bases conceituais e métodos de avaliação - parte I. Texto Contexto Enferm. 2018;26(4):e1600017. Doi: https://doi.org/10.1590/0104-07072017001600017

Marques MM, Cutlac Neto J, Oliveira NML, Oliveira CCE, Ruas G, Shimano SGN.Efeitos da fisioterapia aquática na deficiência visual: relato de caso. Rev Neurocienc. 2015;23(1):136-42. Doi: https://doi.org/10.4181/RNC.2015.23.01.978.7p

Brucki SM, Nitrini R, Caramelli P, Bertolucci PH, Okamoto IH. Sugestões para o uso do mini-exame do estado mental no Brasil. Arq Neuropsiquiatr. 2003;61(3B):777-81. Doi: https://doi.org/10.1590/s0004-282x2003000500014

Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Diretrizes brasileiras de obesidade. São Paulo: ABESO; 2016.

Machado GG, Oliveira ICB, Urquizo WEC, Shimano SGN, Oliveira NML. Avaliação do equilíbrio, postura e qualidade de vida de deficientes visuais. Arq Ciênc Esporte. 2019;7(1):41–5. Doi: https://doi.org/10.17648/aces.v7n1.3498

Urquizo WEC. Efeitos de um protocolo adaptado de Pilates em deficientes visuais [Dissertação]. Uberaba: Universidade Federal do Triângulo Mineiro; 2018.

Duarte M, Freitas SMSF. Revisão sobre posturografia baseada em plataforma de força para avaliação do equilíbrio. Rev Bras Fisioter. 2010;14(3):183–92. Doi: https://doi.org/10.1590/S1413-35552010000300003

Le Clair K, Riach C. Postural stability measures: what to measure and for how long. Clin Biomech (Bristol, Avon). 1996;11(3):176-8. Doi: https://doi.org/10.1016/0268-0033(95)00027-5

Baumfeld D, Baumfeld T, Rocha RL, Macedo B, Raduan F, Zambelli R, et al. Reliability of baropodometry on the evaluation of plantar load distribution: a transversal study. Biomed Res Int. 2017;2017:5925137. Doi: https://doi.org/10.1155/2017/5925137

Corazza ST, Laux RC, Foesch MLS, Santos DL, Machado RR, Macedo TL, et al. Benefícios do treinamento funcional para o equilíbrio e propriocepção de deficientes visuais. Rev Bras Med Esporte. 2016;22(6):471-5. DOI: DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1517-869220162206164644

Kellar SP, Kelvin E. Munro’s statistical methods for health care research. 6th ed. Philadelphia: LWW; 2012.

Qiu H, Xiong S. Center-of-pressure based postural sway measures: Reliability and ability to distinguish between age, fear of falling and fall history. Int J Ind Ergon.2015;47:37–44. Doi: https://doi.org/10.1016/j.ergon.2015.02.004

Palmieri RM, Ingersoll CD, Stone MB, Krause BA. center-of-Pressure Parameters Used in the Assessment of Postural Control. J Sport Rehabil. 2002;11(1):51-66. Doi: https://doi.org/10.1123/jsr.11.1.51

Bruton A, Conway JH, Holgate ST. Reliability: What is it, and how is it measured? Physiotherapy. 2000;86(2):94-9. Doi: https://doi.org/10.1016/S0031-9406(05)61211-4

Lexell JE, Downham DY. How to assess the reliability of measurements in rehabilitation. Am J Phys Med Rehabil. 2005;84(9):719-23. Doi: https://doi.org/10.1097/01.phm.0000176452.17771.20

Oliveira DN, Barreto RR. Avaliação do equilíbrio estático em deficientes visuais adquiridos. Rev Neurociencias. 2005;13(3):122-7.

Magee DJ. Avaliação musculoesquelética. Barueri: Manole; 2005.

Downloads

Publicado

2021-06-30

Edição

Seção

Artigo Original
MÉTRICAS | METRICS