Redução da força de preensão manual entre idosos longevos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v27i1a170815

Palavras-chave:

Idoso de 80 Anos ou mais, Força da Mão, Sarcopenia, Enfermagem Geriátrica

Resumo

Objetivos: Descrever as características sociodemográficas e de saúde dos longevos, identificar a ocorrência da redução da força de preensão manual dos longevos e verificar os fatores associados à redução da força de preensão manual dos longevos. Métodos: Estudo transversal e analítico, com abordagem quantitativa, desenvolvido com 313 idosos longevos da comunidade de uma Macrorregião de Saúde do Estado de Minas Gerais. Na coleta dos dados aplicaram-se: Miniexame do Estado Mental; Questionário estruturado elaborado pelo Grupo de Pesquisa em Saúde Coletiva; Questionário Internacional de Atividade Física; versão brasileira do Short Physical Performance Battery; Teste de força de preensão manual; Índice de massa corporal e questão referente à ocorrência de queda. Procederam-se às análises: descritiva, teste Qui-quadrado e regressão logística múltipla (p<0,05). Resultados: Houve predomínio de longevos do sexo feminino (64,2%); com 80-90 anos de idade (86,6%); 1-5 anos de estudo (53,0%); renda ≤1 salário mínimo (55,3%); viúvos (63,3%); que moravam acompanhados (75,7%); inativos fisicamente (51,4%); com desempenho físico moderado/bom (55,9%); sem ocorrência de quedas nos últimos 12 meses (68,4%); eutróficos (39,9%) e com cinco ou mais morbidades (62,9%). A maioria dos longevos (60,4%) apresentou redução da força de preensão manual que se associou à ocorrência de quedas nos últimos 12 meses (p=0,042) e à inatividade física (p<0,001). Conclusão: A redução na força de preensão manual dos idosos longevos foi relacionada à ocorrência de quedas e inatividade física, tais fatores contribuem para planejamento do cuidado gerontológico na prática clínica.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Dinâmica demográfica brasileira recente: padrões regionais de diferenciação [texto na Internet]. Rio de Janeiro: IPEA; c2018. [citado 2020 Jun 07]. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_2415.pdf

Lenardt MH, Grden CRB, Sousa JAV, Reche PM, Betiolli SE, Ribeiro DKMN. Fatores associados à diminuição de força de preensão manual em idosos longevos. Rev Esc Enferm USP. 2014;48(6):1006-12. Doi: https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000700007

Beaudart C, Rolland Y, Cruz-Jentoft AJ, Jürgen MB, Cornel S, Cyrus C, et al. Assessment of Muscle Function and Physical Performance in Daily Clinical Practice: A position paper endorsed by the European Society for Clinical and Economic Aspects of Osteoporosis, Osteoarthritis and Musculoskeletal Diseases (ESCEO). Calcif Tissue Int. 2019;105(1):1‐14. Doi: https://doi.org/10.1007/s00223-019-00545-w

Lenardt MH, Grden CRB, Sousa JAV, Betiolli SE, Reche PM, Lourenço TM. Fatores sociodemográficos e clínicos associados à força de preensão manual e velocidade da marcha em longevos. Cogitare Enferm. 2017; 22(3):e50464 Doi: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v22i3.50464

Beaudart C, McCloskey E, Bruyère O, Cesari M, Rolland Y, Rizzoli R, et al. Sarcopenia in daily practice: assessment and management. BMC Geriatr. 2016;16:170. Doi: https://doi.org/10.1186/s12877-016-0349-4

Ling CH, Taekema D, de Craen AJ, Gussekloo J, Westendorp RG, Maier AB. Handgrip strength and mortality in the oldest old population: the Leiden 85-plus study. CMAJ. 2010;182(5):429‐35. Doi: https://doi.org/10.1503/cmaj.091278

Zanin C, Jorge MSG, Knob B, Wibelinger LM, Libero GA. Força de preensão palmar em idosos: uma revisão integrativa. PAJAR. 2018;6(1):22-8. Doi: https://doi.org/10.15448/2357-9641.2018.1.29339

Bortoluzzi EC, Doring M, Portella MR, Cavalcanti G, Mascarelo A, Delani MP. Prevalência e fatores associados à dependência funcional em idosos longevos. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2017;22(1):85-94. Doi: https://doi.org/10.12820/rbafs.v.22n1p85-94

Benedetti TR, Mazo GZ, Barros MVG. Aplicação do questionário internacional de atividades físicas (IPAQ) para avaliação do nível de atividades físicas de mulheres idosas: validade concorrente e reprodutibilidade teste-reteste. Rev Bras Cien Mov. 2004;12(1):25-33. Doi: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v12i1.538

World Health Organization (WHO). Global recommendations on physical activity for health. Geneva: World Health Organization; c2010 [cited 2020 June 07]. Available from: https://www.who.int/dietphysicalactivity/publications/9789241599979/en/

Nakano MM. Versão brasileira da Short Physical Performance Battery SPPB: adaptação cultural e estudo da confiabilidade [Dissertação]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2007.

Lebrão ML, Duarte YAO. SABE – Saúde, Bem-estar e Envelhecimento – o projeto Sabe no município de São Paulo: uma abordagem inicial. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2003.

American Dietetic Association, American Academy of Family Physicians, National Council on the Aging. Nutrition interventions manual for professionals caring for older Americans. Washington (US): Nutrition Screening Initiative; 1992.

Fried LP, Fried LP, Tangen CM, Walston J, Newman AB, Hirsch C, et al. Frailty in older adults: evidence for a phenotype. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2001;56(3):M146-56. Doi: http://dx.doi.org/10.1093/gerona/56.3.m146

Queiroz D, Araújo C, Novais M, Oliveira L, Andrade L, Reis L. Funcionalidade, aptidão motora e condições de saúde em idosos longevos residentes em domicílio. Arq Ciênc Saúde. 2016;23(2):47-53. Doi: https://doi.org/10.17696/2318-3691.23.2.2016.281

Liberalesso TEM, Dallazen F, Bandeira VAC, Berlezi EM. Prevalência de fragilidade em uma população de longevos na região Sul do Brasil. Saúde Debate. 2017;41(113):553-62. Doi: https://doi.org/10.1590/0103-1104201711316

Grden CRB, Lenardt MH, Sousa JAV, Kusomota L, Dellaroza MSG, Betiolli SE. Associação da síndrome da fragilidade física às características sociodemográficas de idosos longevos da comunidade. Rev Latino-Am Enferm. 2017;25:e2886. Doi: https://doi.org/10.1590/1518-8345.1770.2886

Sousa JAV, Lenardt MH, Grden CRB, Kusomota L, Dellaroza MSG, Betiolli SE. Modelo preditivo de fragilidade física em idosos longevos. Rev Latino-Am Enferm. 2018; 26:e3023. Doi: https://doi.org/10.1590/1518-8345.2346.3023

Lee DR, Kawas CH, Gibbs L, Corrada MM. Prevalence of frailty and factors associated with frailty in individuals aged 90 and older: the 90+ study. J Am Geriatr Soc. 2016;64(11):2257‐62. Doi: https://doi.org/10.1111/jgs.14317

Wearing J, Konings P, Stokes M, Bruin ED. Handgrip strength in old and oldest old Swiss adults – a cross-sectional study. BMC Geriatrics. 2018;18:266. Doi: https://doi.org/10.1186/s12877-018-0959-0

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeção da população do Brasil [texto na Internet] Brasilia (DF): IBGE; c2020. [citado 2020 Jun 07]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao

Oliveira TC, Medeiros WR, Lima KC. Diferenciais sócio‑demográficos da mortalidade de idosos em idades precoces e longevas. Rev Baiana Saúde Pública. 2015;39(2):249. Doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2015.v39.n2.a2063

Silva JB, Pereira MC, Lourenço LC, Araújo WA, Assis EV, Feitosa ANA, et al. Correlação entre fragilidade e força de preensão manual em idosos. Rev Enferm UFPE. 2018;12(10): 2590-7. Doi: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i10a237494p2590-2597-2018

Lenardt MH, Carneiro NHK, Betiolli SE, Binotto MA, Ribeiro DKMN, Teixeira FFR. Fatores associados à força de preensão manual diminuída em idosos. Esc Anna Nery. 2016;20(4): e20160082. Doi: https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160082

Bazzanella NAL, Piccoli JCJ, Quevedo DM. Qualidade de vida percebida e atividade física: um estudo em idosas acima de 80 anos participantes de um programa municipal da terceira idade na Serra Gaúcha, (RS). Estud Interdiscipl Envelhec. 2015;20(1):249-70.

Lenardt MH, Betiolli SE, Garcia ACKC, Ribeiro DKDMN, Stoguchi LS, Corrêa RGP. Hand grip strength and functionality in the long-lived elderly: a cross-sectional study. Online Braz J Nurs. 2020;17(3). Doi: https://doi.org/10.17665/1676-4285.20186044

Liberman K, Forti LN, Beyer I, Bautmans I. The effects of exercise on muscle strength, body composition, physical functioning and the inflammatory profile of older adults: a systematic review. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2017;20(1):30-53. Doi: https://doi.org/10.1097/MCO.0000000000000335

Ribeiro DK, Lenardt MH, Michel T, Setoguchi LS, Grden CR, Oliveira ES. Fatores contributivos para a independência funcional de idosos longevos. Esc Enferm USP. 2015;49(1):89-96. Doi: https://doi.org/10.1590/S0080-623420150000100012

Valenzuela PL, Castillo-García A, Morales JS, Izquierdo M, Serra-Rexach JA, Santos-Lozano A, et al. Physical Exercise in the Oldest Old. Compr Physiol. 2019;9(4):1281-1304. Doi: https://doi.org/10.1002/cphy.c190002

Macera CA, Cavanaugh A, Bellettiere J. State of the Art Review: Physical Activity and Older Adults. Am J Lifestyle Med. 2016;11(1):42-57. Doi: https://doi.org/10.1177/1559827615571897

Novais MM, Araújo CM, Bôas SV, Prates RV, Pinto DS, Reis L. Avaliação de indicadores de desempenho funcional de idosos longevos residentes em domicílio. Arq Ciênc Saúde. 2016;23(3):67-72. Doi: https://doi.org/10.17696/2318-3691.23.3.2016.280

Leiva-Caro JA, Salazar-González BC, Gallegos-Cabriales EC, Gómez-Meza MV, Hunter KF. Connection between competence, usability, environment and risk of falls in elderly adults. Rev Lat Am Enfermagem. 2015;23(6):1139-48. Doi: https://doi.org/10.1590/0104-1169.0331.2659

Oliveira GG, Neves BB, Jorge L, Neris JCD, Rauber BR, Caberlon IC, et al. Diferenças na gravidade da queda entre idosos jovens e longevos. PAJAR. 2017;4(2):54-9. Doi: http://dx.doi.org/10.15448/2357-9641.2016.2.26181

Lv YB, Yuan JQ, Mao C, Gao X, Yin ZX, Kraus VB, et al. Association of body mass index with disability in activities of daily living among chinese adults 80 years of age or older. JAMA Netw Open. 2018;1(5):e181915. Doi: http://dx.doi.org/10.1001/jamanetworkopen.2018.1915

Chen C, Winterstein AG, Fillingim RB, Wei YJ. Body weight, frailty, and chronic pain in older adults: a cross-sectional study. BMC Geriatr. 2019;19(1):143. Doi: http://dx.doi.org/10.1186/s12877-019-1149-4

Landi F, Calvani R, Tosato M, Martone AM, Bernabei R, Onder G, et al. Impact of physical function impairment and multimorbidity on mortality among community-living older persons with sarcopaenia: results from the ilSIRENTE prospective cohort study. BMJ Open. 2016;6(7):e008281. Doi: http://dx.doi.org/10.1136/bmjopen-2015-008281

Pessini J, Barbosa AR, Trindade EBSM. Chronic diseases, multimorbidity, and handgrip strength among older adults from Southern Brazil. Rev Nutr. 2016;29(1):43-52. Doi: https://doi.org/10.1590/1678-98652016000100005

Oliveira DV, Antunes MD, Junior Leite D, Leme DEC, Nascimento Júnior JRA. Associação do índice de massa corporal, força muscular e nível de atividade física de idosas praticantes de hidroginástica. Rev Universidade Vale do Rio Verde. 2017;15(1):417-27. Doi: http://dx.doi.org/10.5892/ruvrd.v15i1.3352

Granic A, Davies K, Jagger C, Kirkwood TB, Syddall HE, Sayer AA. Grip strength decline and its determinants in the very old: longitudinal findings from the Newcastle 85+ Study. PLoS One. 2016;11(9):e0163183. Doi: http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0163183

Lopes MA, Krug RR, Bonetti A, Mazo GZ. Barreiras que influenciaram a não adoção de atividade física por longevas. Rev Bras Ciênc Esporte. 2016;38(1):76-83. Doi: https://doi.org/10.1016/j.rbce.2015.10.011

Downloads

Publicado

2020-03-31

Edição

Seção

Artigo Original

Dados de financiamento

MÉTRICAS | METRICS