Efeito agudo da estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS) na lombalgia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v27i1a171150

Palavras-chave:

Terapia por Estimulação Elétrica, Dor Lombar, Modalidades de Fisioterapia, Reabilitação

Resumo

A lombalgia é um problema extremamente comum, que afeta mais pessoas do que qualquer outra afecção. Acarreta em um quadro de dor, perda de função e redução da qualidade de vida. Isto posto, o tratamento conservador é de suma importância para a reabilitação de pacientes com lombalgia. Objetivo: Avaliar o efeito agudo da estimulação elétrica transcutânea (TENS) em portadores de lombalgia. Métodos: Série de casos, no qual participaram 66 pacientes. Foi realizado uma única intervenção com TENS no modo acupuntural, frequência de 70 Hz, tempo de pulso de 150 us, com duração de 40 minutos. Foram avaliados o nível de dor, flexibilidade de isquiotibiais, força muscular e estabilização do complexo lombopélvico pré, imediatamente após e 24 horas após a intervenção.  Resultados: O nível de dor, flexibilidade de isquiotibiais e força muscular dos extensores de tronco apresentaram melhora imediatamente após intervenção (p<0,05). Após 24 horas, houve aumento significativo da dor em comparação ao pós intervenção (p<0,05), porém ainda se verificou um efeito analgésico e de melhora da flexibilidade em comparação a avaliação pré. A força muscular melhorou de forma significativa pós intervenção e manteve-se 24 horas após (p<0,05). Os testes de estabilidade apresentaram maior tempo de manutenção da postura imediatamente após a aplicação da TENS, porém com redução deste feito pós 24 horas (p<0,05). Conclusão: A TENS demonstrou redução do quadro álgico, melhora da força de tronco, flexibilidade de isquiotibiais e da estabilização lombopélvica imediatamente após a intervenção. Estes efeitos se mantiveram 24 horas após, porém não com a mesma intensidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Weber KT, Jacobsen TD, Maidhof R, Virojanapa J, Overby C, Bloom O, et al. Developments in intervertebral disc disease research: pathophysiology, mechanobiology, and therapeutics. Curr Rev Musculoskelet Med. 2015;8(1):18-31. Doi: http://dx.doi.org/10.1007/s12178-014-9253-8

Li Y, Fredrickson V, Resnick DK. How should we grade lumbar disc herniation and nerve root compression? A systematic review. Clin Orthop Relat Res. 2015;473(6):1896-902. Doi: http://dx.doi.org/10.1007/s11999-014-3674-y

Negrelli WF. Hérnia discal: Procedimentos de tratamento. Acta Ortop Bras. 2001;9(4):39-45. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-78522001000400005

Simon CB, Riley JL 3rd, Fillingim RB, Bishop MD, George SZ. Age group comparisons of TENS response among individuals with chronic axial low back pain. J Pain. 2015;16(12):1268-79. Doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.jpain.2015.08.009

Ebadi S, Ansari NN, Ahadi T, Fallah E, Forogh B. No immediate analgesic effect of diadynamic current in patients with nonspecific low back pain in comparison to TENS. J Bodyw Mov Ther. 2018;22(3):693-9. Doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.jbmt.2017.11.003

Schulz AP, Chao BC, Gazola F, Pereira GD, Nakanishi MK, Kunz RI, et al. Ação da estimulação elétrica nervosa transcutânea sobre o limiar de dor induzido por pressão. Rev Dor. 2011;12(3):231-4. Doi: https://doi.org/10.1590/S1806-00132011000300007

Lima LEA, Lima SO, Rocha CM, Santos GF, Bezerra AJR, Hazime ASO, et al. Estimulação elétrica nervosa transcutânea de alta e baixa frequência na intensidade da dor pós-cesárea. Fisioter Pesq. 2014; 21(3):243-8. Doi: http://dx.doi.org/10.590/1809-2950/65021032014

Morgan CR, Santos FS. Estudo da estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS) nível sensório para efeito de analgesia em pacientes com osteoartrose de joelho. Fisioter Mov. 2011; 24(4):637-46. Doi: https://doi.org/10.1590/S0103-51502011000400007

Ammendolia C, Côté P, Rampersaud YR, Southerst D, Budgell B, Bombardier C, et al. Effect of TENS versus placebo on walking capacity in patients with lumbar spinal stenosis: a protocol for a randomized controlled trial. J Chiropr Med. 2016;15(3):197-203. Doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.jcm.2016.04.001

Rajfur J, Pasternok M, Rajfur K, Walewicz K, Fras B, Bolach B, et al. Efficacy of selected electrical therapies on chronic low back pain: a comparative clinical pilot study. Med Sci Monit. 2017;23:85-100. Doi: http://dx.doi.org/10.12659/msm.899461

Pourahmadi MR, Taghipour M, Ebrahimi Takamjani I, Sanjari MA, Mohseni-Bandpei MA, Keshtkar AA. Motor control exercise for symptomatic lumbar disc herniation: protocol for a systematic review and meta-analysis. BMJ Open. 2016;6(9):e012426. Doi: http://dx.doi.org/10.1136/bmjopen-2016-012426

Lins VML, Caldas RR, Carvalho AGC, Barros MFA, Guerino MR, Campos SL, et al. Avaliação da qualidade de vida nos portadores de hérnia de disco lombar praticantes do método pilates. Ter Man. 2013; 11(54):567-72.

Malta DB, Oliveira MM, Andrade SSCA, Caiaffa WT, Souza MFM, Bernal RTI. Fatores associados à dor crônica na coluna em adultos no Brasil. Rev Saude Publica. 2017;51 Supl 1:1s-12s. Doi: https://doi.org/10.1590/s1518-8787.2017051000052

Almeida CC, Silva VZMD, Júnior GC, Liebano RE, Durigan JLQ. Transcutaneous electrical nerve stimulation and interferential current demonstrate similar effects in relieving acute and chronic pain: a systematic review with meta-analysis. Braz J Phys Ther. 2018;22(5):347-54. Doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.bjpt.2017.12.005

Silva MC, Fassa AG, Valle NC. Dor lombar crônica em uma população adulta do Sul do Brasil: prevalência e fatores associados.Cad Saude Publica. 2004;20(2):377-85. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/s0102-311x2004000200005

Azevedo JVS, Silva JRL, Ribeiro DCL. Relação entre lombalgia e sobrepeso em praticantes de atividade física. ConScientiae Saúde. 2008;7(4):471-5. Doi: https://doi.org/10.5585/conssaude.v7i4.1384

Johnson MI, Paley CA, Howe TE, Sluka KA. Transcutaneous electrical nerve stimulation for acute pain. Cochrane Database Syst Rev. 2015;(6):CD006142. Doi: http://dx.doi.org/10.1002/14651858.CD006142.pub3

Tugay N, Akbayrak T, Demirtürk F, Karakaya IC, Kocaacar O, Tugay U, et al. Effectiveness of transcutaneous electrical nerve stimulation and interferential current in primary dysmenorrhea. Pain Med. 2007;8(4):295-300. Doi: http://dx.doi.org/10.1111/j.1526-4637.2007.00308.x

Dohnert MB, Bauer JP, Pavão TS. Estudo da eficácia da corrente interferencial em comparação à estimulação elétrica transcutânea na redução da dor lombar crônica. Rev Dor. 2015;16(1):27-31. Doi: http://dx.doi.org/10.5935/1806-0013.20150006

Ebadi S, Ansari NN, Ahadi T, Fallah E, Forogh B. No immediate analgesic effect of diadynamic current in patients with nonspecific low back pain in comparison to TENS. J Bodyw Mov Ther. 2018;22(3):693-9. Doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.jbmt.2017.11.003

Mammari MDE, Belfodil AML, Medjahdi MY. Transcutaneous electrical nerve stimulation (TENS) versus physiotherapy for chronic low back pain. Ann Phys Rehabil Med. 2018;61(Supl):e17-e18. Doi: https://doi.org/10.1016/j.rehab.2018.05.038

Rebouças Junior FR, Martins LPD, Couto M. Efeito agudo do alongamento por Facilitação Proprioceptiva Neuromuscular associada à TENS e crioterapia na flexibilidade dos músculos isquiossurais de mulheres saudáveis. Fisioter Bras. 2017;18(6):727-33. Doi: http://dx.doi.org/10.33233/fb.v18i6.1094

Law PP, Cheing GL, Tsui AY. Does transcutaneous electrical nerve stimulation improve the physical performance of people with knee osteoarthritis? J Clin Rheumatol. 2004;10(6):295-9. Doi: http://dx.doi.org/10.1097/01.rhu.0000147047.77460.b0

Bertor WRR, Fracaro GA, Silva LI, Zilio M, Aragão FA, Carvalho AR. Subclassificação da lombalgia crônica e nível de incapacidade: efeito no desempenho funcional e força muscular. Conscientiae Saúde. 2013;12(4):563-71. Doi: https://doi.org/10.5585/conssaude.v12n4.4514

Peng WW, Tang ZY, Zhang FR, Li H, Kong YZ, Iannetti GD, Hu L. Neurobiological mechanisms of TENS-induced analgesia. Neuroimage. 2019;195:396-408. Doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.neuroimage.2019.03.077

Downloads

Publicado

2020-03-31

Edição

Seção

Artigo Original
MÉTRICAS | METRICS