A saturação periférica de oxigênio não é influenciada pelo uso de máscaras faciais em exercício

Autores

  • Natália Cristina de Oliveira Vargas e Silva Master Program in Health Promotion, Undergraduation in Physical Education, Centro Universitário Adventista de São Paulo – UNASP
  • Fabio Marcon Alfieri Master Program in Health Promotion, Undergraduation in Physical Education, Centro Universitário Adventista de São Paulo – UNASP https://orcid.org/0000-0002-5242-3246

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v27i3a171415

Palavras-chave:

Exercício Físico, Nível de Oxigênio, Máscaras, Infecções por Coronavirus

Resumo

Em muitas cidades do mundo o uso de máscaras faciais em espaços públicos tornou-se obrigatório para prevenir a disseminação da COVID-19. O fechamento de parques públicos, academias e outras áreas destinadas à prática de atividade física podem contribuir para o sedentarismo. Objetivo: Avaliar a saturação periférica de oxigênio com o uso de diferentes máscaras faciais em repouso e durante exercício ao ar livre. Método: Uma única participante (41 anos, índice de massa corporal 18.5 kg/m2), experiente em corrida ao ar livre, foi submetida a sessões de corrida com 4 tipos diferentes de máscaras faciais (cirúrgica, tecido duplo, tecido triplo e N95) e sem máscara, em 5 dias não consecutivos. As sessões tiveram duração de 50 minutos, onde 5,8km eram percorridos em uma velocidade média de 7km/h. A saturação periférica de oxigênio (SpO2, %) e a frequência cardíaca (FC, bpm) firam registradas em repouso, a cada 5 minutos de exercício e após 5 minutos de recuperação. Resultados: Os dados revelaram que não ocorreu desaturação em nenhum momento com qualquer das máscaras, mesmo em alta intensidade. Não houve diferença nas médias de SpO2 ou FC com nenhuma das máscaras durante o exercício quando comparadas com o uso de nenhuma máscara.  Conclusão: Deixando de lado o desconforto de treinar com máscaras faciais e a possível interferência disso na performance, as máscaras faciais parecem não impedir uma adequada troca gasosa durante o exercício em indivíduos saudáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Huang C, Wang Y, Li X, Ren L, Zhao J, Hu Y, et al. Clinical features of patients infected with 2019 novel coronavirus in Wuhan, China. Lancet. 2020;395(10223):497-506. Doi: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)30183-5

Jiménez-Pavón D, Carbonell-Baeza A, Lavie CJ. Physical exercise as therapy to fight against the mental and physical consequences of COVID-19 quarantine: Special focus in older people. Prog Cardiovasc Dis. 2020;63(3):386-388. Doi: https://doi.org/10.1016/j.pcad.2020.03.009

Martínez-Velilla N, Casas-Herrero A, Zambom-Ferraresi F, Sáez de Asteasu ML, Lucia A, Galbete A, et al. Effect of exercise intervention on functional decline in very elderly patients during acute hospitalization: a randomized clinical trial. JAMA Intern Med. 2019;179(1):28-36. Doi: https://doi.org/10.1001/jamainternmed.2018.4869

Feng S, Shen C, Xia N, Song W, Fan M, Cowling BJ. Rational use of face masks in the COVID-19 pandemic. Lancet Respir Med. 2020;8(5):434-436. Doi: https://doi.org/10.1016/S2213-2600(20)30134-X

Prefaut C, Durand F, Mucci P, Caillaud C. Exercise-induced arterial hypoxaemia in athletes: a review. Sports Med. 2000;30(1):47-61. Doi: https://doi.org/10.2165/00007256-200030010-00005

Katch VL, McArdle WD, Katch F. Essentials of exercise physiology. 4th ed. Baltimore: Wolters Kluwer, Lippincott Williams and Wilkins; 2011.

Seixas DM, Seixas DM, Pereira MC, Moreira MM, Paschoal IA. Dessaturação em indivíduos saudáveis submetidos ao incremental shuttle walk test. J Bras Pneumol. 2013;39(4):440-6. Doi: https://doi.org/10.1590/S1806-37132013000400007

Nielsen HB. Arterial desaturation during exercise in man: implication for O2 uptake and work capacity. Scand J Med Sci Sports. 2003;13(6):339-58. Doi: https://doi.org/10.1046/j.1600-0838.2003.00325.x

Downloads

Publicado

2020-09-30

Edição

Seção

Comunicação Breve
METRICAS | METRICS