Influência do uso do Wii Fit sobre o equilíbrio estático e a marcha na doença de Parkinson

Autores

  • Luciana Dias Belchior Universidade de Fortaleza – UNIFOR
  • Lícia Maria Belchior Almeida Universidade Federal do Ceará – UFC

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v27i2a171459

Palavras-chave:

Doença de Parkinson, Jogos de Vídeo, Exercício de Simulação, Equilíbrio Postural, Análise da Marcha

Resumo

A Doença de Parkinson (DP) caracteriza-se, especialmente, por bradicinesia, instabilidade postural, reflexos reduzidos e alteração de marcha, aumentando o risco de quedas. Objetivo: Avaliar a influência de exercícios protocolados sobre equilíbrio estático e marcha com Wii Fit na DP. Métodos: Trata-se de artigo original que analisou alterações estáticas e marcha em dois pacientes com Parkinson, submetidos ao Nintendo Wii®e avaliados antes e após o protocolo. A avaliação deu-se mediante análise do equilíbrio estático e da marcha, no início e ao final de 6 semanas após o protocolo de três jogos: Penguin Slide, Plataforms e Balance Bubble, 2 vezes semanais, abordando a mesma sequência. A pesquisa foi realizada no Laboratório de Análise do Movimento Humano, vinculado à Universidade de Fortaleza, de fevereiro a setembro de 2015. Resultados: Os dados baropodométricos, referentes à variação da superfície, mostraram valor menor após intervenção. A variável velocidade média aumentou após atividade. As distâncias entre 2º e 3º passo e entre 3º e 4º passo também aumentaram, após intervenção, exceto esta última para o primeiro paciente. Com o protocolo de Nitendo Wii Fit, participantes relataram maior agilidade e segurança nas passadas, podendo ser comprovado pelo aumento da velocidade média dessas. Os pacientes evidenciaram uma melhora no equilíbrio estático e na marcha. Conclusão: Os exercícios protocolados em realidade virtual nos pacientes com DP melhoraram o desempenho do equilíbrio estático e da marcha, o que tende a favorecer a estabilidade ortostática e a deambulação.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aguiar PMC, Severino P. Biomarcadores na doença de Parkinson: avaliação da expressão gênica no sangue periférico de pacientes com e sem mutações nos genes PARK2 e PARK8. Einstein. 2010; 8 (3): 291-7. Doi: https://doi.org/10.1590/s1679-45082010ao1674

Leandro LA. Fatores associados ao desempenho funcional de idosos portadores da Doença de Parkinson [Dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2011.

Queiroz FS. Autocuidado e qualidade de vida de idosas com Parkinson e disfunção miccional [Dissertação]. Salvador: Universidade Federal da Bahia; 2012.

Peternella FMN, Marcon SS. Descobrindo a Doença de Parkinson: impacto para o parkinsoniano e seu familiar. Rev Bras Enferm. 2009;62(1):1-4. Doi: https://doi.org/10.1590/S0034-71672009000100004

Almeida MHM, Castiglioni MC. Recursos tecnológicos: estratégia de promoção do autocuidado, atividades e participação para pessoas com doença de Parkinson. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2007;18(3):152-7. Doi: https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v18i3p152-157

Molina KI, Ricci NA, Moraes SA. Virtual reality using games for improving physical functioning in older adults: a systematic review. J Neuroeng Rehabil. 2014; 11(1):156. Doi: https://doi.org/10.1186/1743-0003-11-156

Fontoura VCB, Macêdo JGF, Silva LP, Silva IB, Coriolano MGWS, Monteiro D. Papel da reabilitação com realidade virtual na capacidade funcional e qualidade de vida de indivíduos com doença de Parkinson. Acta Fisiátr.2017;24(2):86-91. Doi: https://doi.org/10.5935/0104-7795.20170017

Barry G, Galna B, Rochester L. The role of exergaming in Parkinson’s disease rehabilitation: a systematic review of the evidence. J Neuroeng Rehabil. 2014;11 (1):33. Doi: https://doi.org/10.1186/1743-0003-11-33

Goble DJ, Cone BL, Fling BW. Using the Wii Fit as a tool for balance assessment and neurorehabilitation: the first half decade of “Wii-search”. J Neuroeng Rehabil. 2014;11(1):12. Doi: https://doi.org/10.1186/1743-0003-11-12

Hoehn MM, Yahr MD. Parkinsonism onset, progression, and mortality. Neurology. 1967;17(5): 427-42. Doi: https://doi.org/10.1212/wnl.17.5.427

Langston JW, Widner H, Goetz CG, Brooks D, Fahn S, Freeman T, et al. Core assessment program for intracerebral transplantations (CAPIT). Mov Disord. 1992;7(1):2-13. Doi: https://doi.org/10.1002/mds.870070103

Deacon M, Parsons J, Mathieson S, Davies TC. Can Wii Balance? Evaluating a Stepping Game for Older Adults. IEEE Trans Neural Syst Rehabil Eng. 2018;26(9):1783-93. Doi: https://doi.org/10.1109/TNSRE.2018.2862146

Mengarelli A, Cardarelli S, Strazza A, Di Nardo F, Fioretti S, Verdini F. Validity of the Nintendo Wii balance board for the Assessment of Balance Measures in the Functional Reach Test. IEEE Trans Neural Syst Rehabil Eng. 2018;26(7):1400-1406. Doi: https://doi.org/10.1109/TNSRE.2018.2843884

Araújo LP, Rodrigues AP. Exercício físico e avaliação da capacidade funcional de idosos com Parkinson. Motricidade. 2018;14(SI):54-9. Doi: https://doi.org/10.6063/motricidade.16237

Crocetta TB, Oliveira SR, Liz CM, Andrade A. Tecnologias de realidade virtual e aumentada no desempenho humano: uma revisão. Fisioter Mov. 2015;28(4):823-35. Doi: https://doi.org/10.1590/0103-5150.028.004.AR01

Xu Q, Park Y, Huang X, Hollenbeck A, Blair A, Schatzkin A, et al. Physical activities and future risk of Parkinson disease. Neurology. 2010;75(4):341-8. Doi: https://doi.org/10.1212/WNL.0b013e3181ea1597

Paula FR, Lima LO, Salmela LFT. Exercício aeróbio e fortalecimento muscular melhoram o desempenho funcional na doença de Parkinson. Fisioter Mov. 2011; 24(3):379-88. Doi: https://doi.org/10.1590/S0103-51502011000300002

Fonseca LJP, Brandalize M, Brandalize D. Nintendo Wii na reabilitação de pacientes com paralisia cerebral – relato de caso. Arq Ciênc Saúde UNIPAR. 2012;16(1): 39-43. Doi: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v16i1.2012.4565

Descatoire A, Thévenon A, Moretto A. Baropodometric information return device for foot unloading. Med Eng Phys. 2009;31(5):607-13. Doi: https://doi.org/10.1016/j.medengphy.2008.12.002

Klinger E, Chemin I, Lebreton S, Marié RM. Virtual action planning in Parkinson's disease: a control study. Cyberpsychol Behav. 2006;9(3):342-7.Doi: https://doi.org/10.1089/cpb.2006.9.342

Ebersbach G, Grust U, Ebersbach A, Wegner B, Gandor F, Kühn AA. Amplitude-oriented exercise in Parkinson’s disease: a randomized study comparing LSVT-BIG and a short training protocol. J Neural Transm. 2015;122(2): 253-6. Doi: https://doi.org/10.1007/s00702-014-1245-8

Fukunaga JY, Quitschal RM, Doná F, Ferraz HB, Ganança MM, Caovilla HH. Postural control in Parkinson's disease. Braz J Otorhinolaryngol. 2014;80(6):508-514. Doi: https://doi.org/10.1016/j.bjorl.2014.05.032

Sánchez-Arias MDR, Kleiner AFR, Hamanaka AYY, Santiago PRP, Gobbi LTB, Stella F. Restrição visual e oscilações corporais ântero-posteriores na doença de Parkinson. Acta Fisiátr. 2012;19(3):161-6. Doi: https://doi.org/10.5935/0104-7795.20120025

Frazzitta G, Maestri R, Ghilardi MF, Riboldazzi G, Perini M, Bertotti G, et al. Intensive rehabilitation increases BDNF serum levels in parkinsonian patients: a randomized study. Neurorehabil Neural Repair. 2014 Feb;28(2):163-8. Doi: https://doi.org/10.1177/1545968313508474

Gonçalves GB, Leite MA, Pereira JS. Influência das distintas modalidade de reabilitação sobre as disfunções motoras decorrentes da Doença de Parkinson. Rev Bras Neurol. 2011; 47 (2): 22-30.

Rose MH, Lokkegaard A, Sonne-holm S. Tremor irregularity, torque steadiness and rate of force development in Parkinson’s disease. Motor Control. 2012; 17(2):203-16. Doi: https://doi.org/10.1123/mcj.17.2.20

Downloads

Publicado

2020-06-30

Edição

Seção

Artigo Original
METRICAS | METRICS