Atividade física como fator protetor para o extremo baixo peso em idosos assistidos por uma operadora de saúde

Autores

  • Deborah Lorenzo Gomez Silva Centro Universitário São Camilo
  • Rafaela Ramos D'Oliveira Centro Universitário São Camilo https://orcid.org/0000-0002-7952-5277
  • Beatriz Myung Jin Kim Centro Universitário São Camilo
  • Ana Flávia de Lima Santos Centro Universitário São Camilo
  • Eduardo Antonio Barros Silva Junior Centro Universitário São Camilo
  • Henrique Souza Barros de Oliveira Centro Universitário São Camilo https://orcid.org/0000-0002-9067-8581
  • Maria Elisa Gonzalez Manso Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP https://orcid.org/0000-0001-5446-233X

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v27i1a172965

Palavras-chave:

Serviços de Saúde para Idosos, Estado Nutricional, Atividade Motora, Estilo de Vida

Resumo

Objetivo: Investigar a influência de fatores relacionados aos aspectos multidimensionais do envelhecimento em um grupo de idosos com baixo peso assistidos pelo setor privado de saúde. Métodos: Estudo transversal conduzido com 243 idosos com índice de massa corpórea <23 kg/m², todos assistidos por uma operadora de planos de saúde, no município de São Paulo, SP, Brasil, alocados em dois grupos: baixo peso e extremo baixo peso. Para a coleta dos dados empregou-se inquérito contendo informações relacionadas aos aspectos multidimensionais do envelhecimento. Os dados obtidos foram submetidos a análise descritiva das variáveis, com posterior análise comparativa através dos testes t Student e Qui-Quadrado ou exato de Fisher, quando necessário. Para variáveis com significância estatística, aplicou-se regressão logística e calculou-se as Odds Ratio, com intervalo de confiança de 95%. Resultados: Observou-se que, a idade avançada (p=0,044), dificuldade de mobilidade (p=0,011) e baixos níveis de atividade física (p=0.021) influenciam significativamente os idosos em estado nutricional de extremo baixo peso. Por meio do modelo de regressão logística, verificou-se que para cada uma hora de atividade física praticada pelos idosos deste grupo, os riscos de evolução para extremo baixo peso diminuem em até 14%. Conclusão: A pratica regular e orientada de atividade física praticada por idosos com algum grau de déficit nutricional é capaz de prevenir e/ou retardar desfechos indesejados em grupos susceptíveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil, Ministério da Saúde. Caderno de atenção básica n° 19: Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Pascali C, Peliello LC. Avaliação nutricional. In: Manso MEG (Org.). Geriatria, manual da liga de estudos do processo de envelhecimento. São Paulo: Martinari; 2015. p. 91-104.

Sousa KT, Mesquisa LAS, Pereira LA, Azeredo CM. Baixo peso e dependência funcional em idosos institucionalizados de Uberlândia (MG), Brasil. Ciência Saúde Col. 2014;19(8):3513-3520. Doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232014198.21472013

Sousa VMC, Guariento ME. Avaliação do idoso desnutrido. Rev Bras Clin Med. 2009;7(1):46-9.

Organización Panamericana de la Salud (OPAS). Salud Bienestar y Envejecimiento (SABE) en América Latina y el Caribe: informe preliminar. Washington: Organización Panamericana de la Salud; c2001 [citado 2019 jan 05]. Disponível em: http://envejecimiento.csic.es/documentos/documentos/paho-salud-01.pdf

Martins TI, Meneguci J, Damiâo R. Pontos de corte do índice de massa corporal para classificar o estado nutricional em idosos. RFACS. 2015;3(2):78-87. Doi: https://doi.org/10.18554/refacs.v3i2.10857

World Health Organization. Adults 60 year of age and older. In: World Health Organization (WHO). Phsical Status: The use and interpretation of anthropometry. Report of a WHO expert committee. Geneve; WHO; 1995. p. 375-409. [Technical Report Series nº. 854]

Nutrition Screening Initiative (NSI). Incorporating nutrition screening and interventions into medical practice: a monograph for physicians. Washington, DC: Nutrition Screening Initiative; 1994.

Manso MEG. Envelhecimento, saúde do idoso e o setor de planos de saúde no Brasil. Rev Kairós - Gerontol. 2017; 20(4):135-51. Doi: https://doi.org/10.23925/2176-901X.2017v20i4p135-151

Dias AL, Rodrigues TC. Avaliação da capacidade funcional. In: Manso MEG, editor. Geriatria, Manual da Liga de Estudos do Processo de Envelhecimento. São Paulo: Martinaria; 2015. p. 55-69.

Leis DF, Manso MEG. Avaliação de marcha, equilíbrio e atividade física no idoso. In: Manso MEG, editor. Geriatria, Manual da Liga de Estudos do Processo de Envelhecimento. São Paulo: Martinari; 2015. p. 81-89.

Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências [homepage on the Internet]. Lisboa: Serviço Nacional de Saúde. c2015 [citado 2019 Jan 05]. Disponível em: http://www.sicad.pt/PT/Intervencao/RedeReferenciacao/SitePages/Instrumentos.aspx

Hernandes ESC, Lebrão ML, Duarte YAO, Santos JLF. Idosos com e sem plano de saúde e características socio epidemiológicas associadas. Rev Saúde Pública 2012;46(6):1030-8. Doi: https://doi.org/10.1590/S0034-89102012000600013

Manso MEG, Osti AV, Borrozino NF, Maresti LTP. Avaliação Multidimensional do Idoso: resultados em um grupo de indivíduos vinculados a uma operadora de planos de saúde. Rev Kairós – Gerontol. 2018;21(1):191-211. Doi: https://doi.org/10.23925/2176-901X.2018v21i1p191-211

Nunes BP, Batista SRR, Andrade FB, Souza Junior RB, Lima-Costa MF, Facchini LA. Multimorbidade em indivíduos com 50 anos ou mais de idade: ELSI-Brasil. Rev Saude Publica. 2018;52 Supl 2:10s. Doi: https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2018052000637

Oliveira HSB, Manso MEG. Tríade iatrogênica em um grupo de mulheres idosas vinculadas a um plano de saúde. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2019;22(1):e180188. Doi: https://doi.org/10.1590/1981-22562019022.180188

Muniz ECA, Goulart FC, Lazarini CA, Marin MJS. Analise do uso de medicamentos por idosos usuários de plano de saúde suplementar. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2017; 20(3):357-87. Doi: https://doi.org/10.1590/1981-22562017020.160111

Ferreira LK, Meireles JFF, Ferreira MEC. Avaliação do estilo e qualidade de vida em idosos: uma revisão de literatura. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2018; 21(5): 639-51. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1981-22562018021.180028

Tanner RE, Brunker LB, Agergaard J, Barrows KM, Briggs RA, Kwon OS, et al. Age-related differences in lean mass, protein synthesis and skeletal muscle markers of proteolysis after bed rest and exercise rehabilitation. J Physiol. 2015;593(18):4259-73. Doi: http://dx.doi.org/10.1113/JP270699

Dutra T, Pinheiro PA, Carneiro JAO, Coqueiro RS, Fernandes MH. Prevalência e fatores associados a sarcopenia em mulheres idosas residentes em comunidade. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2015;17(4):460-71. Doi: https://doi.org/10.5007/1980-0037.2015v17n4p460

Gianoudis J, Bailey CA, Daly RM. Associations between sedentary behaviour and body composition, muscle function and sarcopenia in community-dwelling older adults. Osteoporos Int. 2015;26(2):571-9. Doi: https://doi.org/10.1007/s00198-014-2895-y

Viana JU, Dias JMD, Batista PP, Silva SLA, Dias RC, Lustosa LP. Effect of a resistance exercise program for sarcopenic elderly women: quasi-experimental study. Fisioter Mov. 2018; 31:e003111. Doi: https://doi.org/10.1590/1980-5918.031.ao11

Cardoso RK, Araújo AM, Freitas MP, Rombaldi AJ. Effect of training with partial blood flow restriction in older adults: a systematic review. Rev Bras Cineantropom Hum. 2017; 20(2):219-28. Doi: https://doi.org/10.5007/1980-0037.2018v20n2p219

Tecchio JM, Gessinger C. Upper and lower limb functionality and body mass index in physically active older adults. Fisioter Mov. 2017;30(Suppl 1):S45-54. Doi: https://doi.org/10.1590/1980-5918.030.s01.ao04

Malafaia FL, Buglia S. Prescrição de atividade física em idosos: nunca é tarde demais para combatermos o sedentarismo. Rev DERC 2019;25(1):14-8.

Downloads

Publicado

2020-03-31

Edição

Seção

Artigo Original