Correlação entre domínios de funcionalidade de trabalhadoras com doenças musculoesqueléticas relacionadas ao trabalho

Autores

  • Ana Clarissa Lopes Silva Damasceno Universidade Federal da Bahia – UFBA
  • Lauro Antonio Porto Universidade Federal da Bahia – UFBA
  • Denise Nunes Viola Universidade Federal da Bahia – UFBA
  • Kionna Bernardes Universidade Federal da Bahia – UFBA
  • Robson da Fonseca Neves Departamento de Fisioterapia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
  • Monica Angelim Gomes de Lima Universidade Federal da Bahia – UFBA

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v27i3a174902

Palavras-chave:

Doenças Musculosqueléticas, Doenças do Trabalho, Transtornos Traumáticos Cumulativos, Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde

Resumo

Trabalhadoras com doenças musculoesqueléticas (DME) relacionadas ao trabalho possuem deficiências relacionadas às funções e estruturas do corpo, bem como têm dificuldades para executar atividades do cotidiano no âmbito individual e social. Somado a isso, os fatores do ambiente podem atuar como barreiras ou facilitadores, agravando ou melhorando o estado de saúde das pessoas. Objetivou-se verificar a correlação entre alguns domínios da saúde, que pertencem aos componentes das funções do corpo, atividades e participação e fatores ambientais de trabalhadoras estatutárias e não estatutárias com DME. Houve maior correlação negativa entre as funções mentais e sensoriais e de dor com as atividades e participação e fatores ambientais de trabalhadoras não estatutárias. As correlações indicaram que a funcionalidade das trabalhadoras não estatutárias esteve mais prejudicada, bem como as correlações positivas sinalizaram que maiores deficiências repercutiram em mais dificuldades na atividade e participação social. Quanto aos fatores ambientais como temperatura, vibração e atitudes foram obstáculos às funções mental e sensorial e de dor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Hagberg M, Violante FS, Bonfiglioli R, Descatha A, Gold J, Evanoff B, et al. Prevention of musculoskeletal disorders in workers: classification and health surveillance - statements of the Scientific Committee on Musculoskeletal Disorders of the International Commission on Occupational Health. BMC Musculoskelet Disord. 2012;13:109. Doi: https://doi.org/10.1186/1471-2474-13-109

Brasil. Ministério da Saúde. Diagnóstico, tratamento, reabilitação, prevenção e fisiopatologia das LER/DORT. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2001.

Jansen GB, Linder J, Ekholm KS, Ekholm J. Differences in symptoms, functioning, and quality of life between women on long-term sick-leave with musculoskeletal pain with and without concomitant depression. J Multidiscip Healthc. 2011;4:281-92. Doi: https://doi.org/10.2147/JMDH.S21827

Vlaeyen JW, Linton SJ. Fear-avoidance model of chronic musculoskeletal pain: 12 years on. Pain. 2012;153(6):1144-7.

Doi: https://doi.org/10.1016/j.pain.2011.12.009

Vader K, Doulas T, Patel R, Miller J. Experiences, barriers, and facilitators to participating in physical activity and exercise in adults living with chronic pain: a qualitative study. Disabil Rehabil. 2019:1-9. Doi: https://doi.org/10.1080/09638288.2019.1676834

Bair MJ, Poleshuck EL, Wu J, Krebs EK, Damush TM, Tu W, et al. Anxiety but not social stressors predict 12-month depression and pain severity. Clin J Pain. 2013;29(2):95-101. Doi: https://doi.org/10.1097/AJP.0b013e3182652ee9

Bras M, Dordević V, Gregurek R, Bulajić M. Neurobiological and clinical relationship between psychiatric disorders and chronic pain. Psychiatr Danub. 2010;22(2):221-6.

Cullen KL, Irvin E, Collie A, Clay F, Gensby U, Jennings PA, et al. Effectiveness of workplace interventions in return-to-work for musculoskeletal, pain-related and mental health conditions: an update of the evidence and messages for practitioners. J Occup Rehabil. 2018;28(1):1-15. Doi: https://doi.org/10.1007/s10926-016-9690-x

Dijkers MP, Murphy SL, Krellman J. Evidence-based practice for rehabilitation professionals: concepts and controversies. Arch Phys Med Rehabil. 2012;93(8 Suppl):S164-76. Doi: https://doi.org/10.1016/j.apmr.2011.12.014

CIF: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. São Paulo: Edusp; 2003.

Lima MAG, Neves RF, Tironi MOS, Nascimento AMDN, Magalhães FB. Avaliação da funcionalidade dos trabalhadores com LER/DORT: a construção do Core Set da CIF para LER/DORT. Acta Fisiatr. 2008;15(4):229-35.

Kathy Cheng HY, Cheng CY, Ju YY. Work-related musculoskeletal disorders and ergonomic risk factors in early intervention educators. Appl Ergon. 2013;44(1):134-41. Doi: https://doi.org/10.1016/j.apergo.2012.06.004

Gitkind AI, Gritsenko K. Neck pain. In: Yong RJ, Nguyen M, Nelson E, (ed). Pain Medicine. Cham: Springer; 2017. p. 453–5. Doi: https://doi.org/10.1007/978-3-319-43133-8_119

Brasil. Decreto-Lei n. 5.452, de 1 de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1943 Ago 9 [Citado 2020 Ago 21]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452compilado.htm

Brasil. Lei n. 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1991 Abr 19 [Citado 2020 Ago 21]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8112cons.htm

Traesel ES, Merlo ÁRC. “Somos sobreviventes”: vivências de servidores públicos de uma instituição de seguridade social diante dos novos modos de gestão e a precarização do trabalho na reforma gerencial do serviço público. Cad Psicol Soc Trab. 2014;17(2):224-38. Doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v17i2p224-238

Varekamp I, van Dijk FJ, Kroll LE. Workers with a chronic disease and work disability. Problems and solutions. Bundesgesundheitsblatt Gesundheitsforschung Gesundheitsschutz. 2013;56(3):406-14. Doi: https://doi.org/10.1007/s00103-012-1621-1

Statistical Package for the Social Sciences [programa de computador] Versão 13.0. Chicago: IBM; 2004.

Siegel S, Castellan JNJ. Estatística não-paramétrica para ciências do comportamento. Porto Alegre: Artmed; 2006.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde (CNS). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as seguintes diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos [texto na Internet]. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Brasília (DF): 2013 Jun 13; Seção 1:59-62.

Turner JA, Franklin G, Fulton-Kehoe D, Egan K, Wickizer TM, Lymp JF, et al. Prediction of chronic disability in work-related musculoskeletal disorders: a prospective, population-based study. BMC Musculoskelet Disord. 2004;5:14. Doi: https://doi.org/10.1186/1471-2474-5-14

Mojtabai R, Stuart EA, Hwang I, Susukida R, Eaton WW, Sampson N, Kessler RC. Long-term effects of mental disorders on employment in the National Comorbidity Survey ten-year follow-up. Soc Psychiatry Psychiatr Epidemiol. 2015;50(11):1657-68. Doi: https://doi.org/10.1007/s00127-015-1097-z

Saldanha JHS, Lima MAG, Neves RF, Iriart JAB. Construção e desconstrução das identidades masculinas entre trabalhadores metalúrgicos acometidos de LER/DORT. Cad Saúde Pública 2018;34(5):e00208216. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00208216

Aragón A, Partanen T, Felknor S, Corriols M. Social determinants of workers' health in Central America. Int J Occup Environ Health. 2011;17(3):230-7. Doi: https://doi.org/10.1179/107735211799041986

Turk DC, Wilson HD. Fear of pain as a prognostic factor in chronic pain: conceptual models, assessment, and treatment implications. Curr Pain Headache Rep. 2010;14(2):88-95. Doi: https://doi.org/10.1007/s11916-010-0094-x

Woolf AD, Vos T, March L. How to measure the impact of musculoskeletal conditions. Best Pract Res Clin Rheumatol. 2010;24(6):723-32. Doi: https://doi.org/10.1016/j.berh.2010.11.002

Bridi MA, Braga R, Santana MA. Sociologia do trabalho no Brasil hoje: balanço e perspectivas. Rev Bras Sociol. 2018;6(12):42-64. Doi: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.244

de Vries HJ, Brouwer S, Groothoff JW, Geertzen JH, Reneman MF. Staying at work with chronic nonspecific musculoskeletal pain: a qualitative study of workers' experiences. BMC Musculoskelet Disord. 2011;12:126. Doi: https://doi.org/10.1186/1471-2474-12-126

Neves RF, Nunes MO. Da legitimação a (res)significação: o itinerário terapêutico de trabalhadores com LER/DORT. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(1):211-20. Doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000100026

Lima MAG, Trad LAB. “Circuloterapia”: uma metáfora para o enfrentamento da dor crônica em duas clínicas de dor. Physis: Rev Saúde Coletiva. 2011;21(1):217-36. Doi: https://doi.org/10.1590/S0103-73312011000100013

Sardá Júnior JJ, Nicholas MK, Pimenta CAM, Asghari A. Preditores biopsicossociais de dor, incapacidade e depressão em pacientes brasileiros com dor crônica. Rev Dor. 2012;13(2):111-8. Doi: https://doi.org/10.1590/S1806-00132012000200003

Maeno M, Vilela RAG. Reabilitação profissional no Brasil: elementos para a construção de uma política pública. Rev Bras Saúde Ocup. 2010;35(121):87-99. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0303-76572010000100010

Venugopal V, Chinnadurai JS, Lucas RA, Kjellstrom T. Occupational Heat Stress Profiles in Selected Workplaces in India. Int J Environ Res Public Health. 2015;13(1):89. Doi: https://doi.org/10.3390/ijerph13010089

Brauer M, Gradim MN, Silva NG, Braun F. Satisfação no trabalho: aspectos conceituais e metodológicos. Rev Vianna Sapiens. 2018;9(1):137-58. Doi: https://doi.org/10.31994/rvs.v9i1.335

Downloads

Publicado

2020-09-30

Edição

Seção

Artigo Original
METRICAS | METRICS