A idade e o índice de massa corporal estão relacionados com os critérios de diagnóstico de sarcopenia em mulheres idosas?

Autores

  • Rafaela Korn Faculdade Guilherme Guimbala - ACE
  • Bárbara Antonacci de Mello Faculdade Guilherme Guimbala - ACE
  • Marilda Morais da Costa Associação Educacional Luterana Bom Jesus - IELUSC
  • Mauren da Silva Sali Associação Educacional Luterana Bom Jesus - IELUSC
  • Yoshimasa Sagawa Júnior University of Franche-Comté
  • Antonio Vinicius Soares Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v28i2a185059

Palavras-chave:

Saúde do Idoso, Avaliação Geriátrica, Sarcopenia

Resumo

O envelhecimento traz modificações na composição corporal do idoso, caracterizadas pela redução da massa muscular e densidade óssea, aumento da redistribuição de gordura corporal, e diminuição de massa corporal. Essas alterações estão associadas à falta de hábitos saudáveis, como exercício físico regular e boa alimentação, podendo levar a um provável diagnóstico de Sarcopenia. Objetivo: Observar a relação da idade e composição corporal de idosas comunitárias ativas e institucionalizadas com os critérios diagnósticos da Sarcopenia. Método: Foram selecionadas 132 idosas, com idade ≥70 anos, sem traços demenciais e/ou depressivos. Após a determinação do índice de massa corporal (IMC) foram classificadas em três grupos (n= 13 com baixo peso <22 kg/m2, n= 43 eutróficas de 22 a 27 kg/m2, e n= 76 com sobrepeso >27 kg/m2). Foram avaliados ainda, o índice de massa muscular total (IMMT) por equação preditiva, e a força de preensão manual (FPM) por dinamometria. Resultados: Foi observado que com o avançar da idade ocorre redução do IMC, assim como diminuição do IMMT e FPM no grupo baixo peso. Também houve uma correlação positiva muito forte entre o IMC e o IMMT no sobrepeso, mostrando que quanto maior o IMC, maior será o IMMT. Conclusão: Idade e IMC estão relacionados com os critérios diagnósticos da Sarcopenia. Assim, é de extrema importância a avaliação minuciosa da composição corporal, estado nutricional e da força muscular em idosos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Marques KM, Ferreira MPN, Freitas TI, Goulart RMM, Aquino RC, PrevidellI ÁN. Evaluation of dynapenia in the elderly in São Caetano do Sul, São Paulo, Brazil. Fisioter Mov. 2019;32:e003218. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1980-5918.032.AO18

Paula JA, Wamser EL, Gomes ARS, Valderramas SR, Cardoso Neto J, Schieferdecker MEM. Análise de métodos para detectar sarcopenia em idosas independentes da comunidade. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016;19(2):235-46. Doi: https://doi.org/10.1590/1809-98232016019.140233

Vagetti GC, Oliveira V, Silva MP, Pacífico AB, Costa TRA, Campos W. Associação do índice de massa corporal com a aptidão funcional de idosas participantes de um programa de atividade física. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2017;20(2):216-27. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1981-22562017020.160160

Brasil. Ministério da Saúde. Caderneta de saúde da pessoa idosa: proposta preliminar. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014.

Alexandre TS, Duarte YAO, Santos JLF, Lebrão ML. Prevalência e fatores associados à sarcopenia, dinapenia e sarcodinapenia em idosos residentes no Município de São Paulo – Estudo SABE. Rev Bras Epidemiol. 2018;21(Supl 2): E180009. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1980-549720180009.supl.2

Bachettini NP, Bielemann RM, Barbosa-Silva TG, Menezes AMB, Tomasi E, Gonzalez MC. Sarcopenia as a mortality predictor in community-dwelling older adults: a comparison of the diagnostic criteria of the European Working Group on Sarcopenia in Older People. Eur J Clin Nutr. 2020;74(4):573-80. Doi: http://dx.doi.org/10.1038/s41430-019-0508-8

Oliveira TA, Duarte SFP, Reis LA. Relação entre índice de massa corporal e desempenho motor de idosos pertencentes a grupos de convivência. Texto Contexto Enferm. 2016;25(4):e3370014. Doi: https://doi.org/10.1590/0104-07072016003370014

Cox KL, Cyarto EV, Etherton-Beer C, Ellis KA, Alfonso H, Clare L, et al. A randomized controlled trial of physical activity with individual goal-setting and volunteer mentors to overcome sedentary lifestyle in older adults at risk of cognitive decline: the INDIGO trial protocol. BMC Geriatr. 2017;17(1):215. Doi: https://doi.org/10.1186/s12877-017-0617-y

Carneiro JA, Cardoso RR, Durães MS, Guedes MCA, Santos FL, Costa FM, et al. Fragilidade em idosos: prevalência e fatores associados. Rev Bras Enfer. 2017;70(4):780-5. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0633

Cruz-Jentoft AJ, Bahat G, Bauer J, Boirie Y, Bruyère O, Cederholm T, et al. Sarcopenia: revised European consensus on definition and diagnosis. Age Ageing. 2019;48(1):16-31. Doi: http://dx.doi.org/10.1093/ageing/afy169

Rech CR, Dellagrana RA, Marucci MFN, Petroski EL. Validade de equações antropométricas para estimar a massa muscular em idosos. Rev Bras Cineantropom Hum. 2012;14(1):23-31. Doi: http://dx.doi.org/10.5007/1980-0037.2012v14n1p23

Barbosa SR, Mansur HN, Colugnati FAB. Impacts of frailty on the negative health outcomes of elderly Brazilians. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2017;20(6):836-44. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1981-22562017020.170069

Silva AB, Costa VZV, Soares AV, Salin MS, Fischer FLE. Avaliação funcional de idosos comunitários ativos. Rev Kairós Gerontol. 2020;23(1):105-24. Doi: http://dx.doi.org/10.23925/2176-901X.20209v23i1p105-124

Tavares EL, Santos DM, Ferreira AA, Menezes MFG. Avaliação nutricional de idosos: desafios da atualidade. Bras Geriatr Gerontol. 2015;18(3):643-50. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1809-9823.2015.14249

Sass A, Marcon SS. Comparação de medidas antropométricas de idosos residentes em área urbana no sul do Brasil, segundo sexo e faixa etária. Bras Geriatr Gerontol. 2015;18(2):361-72. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1809-9823.2015.13048

Oliveira DV, Silva TPS, Scherer FC, Nascimento Júnior JA, Antunes MD. O tipo de exercício físico interfere na frequência da prática de atividade física, comportamento sedentário, composição corporal e estado nutricional do idoso? Rev Bras Nutr Esport. 2019;13(77):3-16.

Fried LP, Tangen CM, Walston J, Newman AB, Hirsch C, Gottdiener J, et al. Frailty in older adults: evidence for a phenotype. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2001;56(3):M146-56. Doi: http://dx.doi.org/10.1093/gerona/56.3.m146

Wajman JR, Schultz RR, Marin SMC, Bertolucci PHF. Adaptação e correlação entre instrumentos cognitivos e funcionais para o estadiamento e acompanhamento da doença de Alzheimer em fases avançadas. Rev Psiquiatr Clín. 2014;41(1):5-8. Doi: https://doi.org/10.1590/0101-60830000041158

Brucki SM, Nitrini R, Caramelli P, Bertolucci PH, Okamoto IH. Sugestões para o uso do mini-exame do estado mental no Brasil. Arq Neuropsiquiatr. 2003;61(3B):777-81. Doi: https://doi.org/10.1590/s0004-282x2003000500014

Valim-Rogatto PC, Candolo C, Brêtas ACP. Nível de atividade física e sua relação com quedas acidentais e fatores psicossociais em idosos de centro de convivência. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2011;14(3):521-33. Doi: https://doi.org/10.1590/S1809-98232011000300012

Soares AV, Carvalho Júnior JM, Fachini J, Domenech SC, Borges Júnior NG. Correlação entre os testes de dinamometria de preensão manual, escapular e lombar. Acta Bras Mov Humano.2012;2(1):65-72.

Lee RC, Wang Z, Heo M, Ross R, Janssen I, Heymsfield SB. Total-body skeletal muscle mass: development and cross-validation of anthropometric prediction models. Am J Clin Nutr. 2000;72(3):796-803. Doi: http://dx.doi.org/10.1093/ajcn/72.3.796

Pereira IFS, Spyrides MHC, Andrade LMB. Estado nutricional de idosos no Brasil: uma abordagem multinível. Cad Saúde Pública. 2016;32(5):e00178814. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00178814

Campos GC, Lopes C, Lourenço R. Obesidade sarcopênica e funcionalidade: Uma revisão da Literatura. Rev HUPE. 2017;16(2):102-9. Doi: http://dx.doi.org/10.12957/rhupe.2017.37650

Vieira SCAL, Granja KSB, Exel AL, Calles ACN. A força muscular associada ao processo de envelhecimento. Ciên Biol Saúde. 2015;3(1):93-102.

Sampaio LS, Carneiro JAO, Coqueiro RS, Fernandes MH. Indicadores antropométricos como preditores na determinação da fragilidade em idosos. Ciên Saúde Colet. 2017;22(12):4115-23. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320172212.05522016

Telma MF. Fragilidade, composição corporal e estado nutricional em idosos a residir na comunidade [Dissertação]. Bragança: Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Bragança; 2017.

Oliveira DV, Yamashita FC, Santos RM, Freire GLM, Pivetta NRS, Nascimento Júnior JRA. A duração e a frequência da prática de atividade física interferem no indicativo de sarcopenia em idosos? Fisioter Pesq. 2020;27(1):71-7. Doi: https://doi.org/10.1590/1809-2950/19004527012020

Silva LGC, Oliveira FS, Martins IS, Martins FES, Garcia TFM, Sousa ACPA. Avaliação da funcionalidade e mobilidade de idosos comunitários na atenção primária à saúde. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2019;22(5):e190086. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1981-22562019022.190086

Soares AV, Marcelino E, Maia KC, Borges Junior NG. Relation between functional mobility and dynapenia in institutionalized frail elderly. Einstein (Sao Paulo). 2017;15(3):278-82. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1679-45082017AO3932

Silva NA, Pedraza DF, Menezes TN. Desempenho funcional e sua associação com variáveis antropométricas e de composição corporal em idosos. Ciên Saúde Colet. 2015;20(12):3723-32. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152012.01822015

Downloads

Publicado

2021-06-30

Edição

Seção

Artigo Original
MÉTRICAS | METRICS