Correlação entre risco de quedas, vulnerabilidade e composição corporal de idosos de um centro de atenção integral a saúde do idoso

Autores

  • Miguel Jânio Costa Ferreira Universidade Ceuma
  • Andréa Santana Carneiro Universidade Ceuma
  • Alisson Sousa Santos Universidade Ceuma
  • Elaine Farias Ibiapina Universidade Ceuma
  • Lisiane Fernanda Simeão Universidade Ceuma
  • Almir Vieira Dibai Filho Universidade Federal do Maranhão
  • Daniela Bassi Dibai Universidade Ceuma
  • Maria Claudia Gonçalves Universidade Ceuma

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v29i1a185748

Palavras-chave:

Idoso, Obesidade, Quedas, Vulnerabilidade

Resumo

Objetivo: Investigar a correlação do risco de queda com a diminuição da mobilidade funcional, vulnerabilidade e a obesidade em idosos. Método: Estudo transversal, foram avaliados idosos ativos de ambos os sexos, idade entre 60-85 anos e excluídos voluntários que não realizaram os testes avaliativos propostos para identificar a mobilidade funcional e o estado nutricional. Foram aplicados os testes Índice de Massa Corporal (IMC) que classificou o estado nutricional desnutrição IMC ≤ 22, risco nutricional IMC= 22.1-24.0, peso ideal IMC= 24.1-27.0, sobrepeso IMC 27.1-30 e obesidade com IMC > 30.0, o Timed Up & Go (TUG) para identificar a mobilidade funcional e os riscos funcionais relacionados a quedas em idosos e a classificação adotada para este estudo foi ≥ 10s sendo indicadores de risco de quedas e o Vulnerable Elders Survey (VES-13) que classificou como idoso vulnerável os voluntários com a pontuação > 2 pontos. A análise estatística foi realizada em 95% nível de confiança e p<0,05. Resultados: Participaram 104 idosos, classificados com ausência de risco para quedas (67.3%), não vulneráveis (67.3%) e como obesos (24%). Não foi observada correlação entre obesos com o risco de quedas no tempo em segundos do TUG [ρ= -0.115; p>0.05] e com a classificação do TUG [ρ= -0.152; p>0.05]. Porém, foi observada correlação entre a vulnerabilidade com o risco de quedas no tempo em segundos do TUG [ρ= 0.217; p<0.05]. Conclusão: Não foi observada correlação entre obesidade e risco para quedas. Contudo, verificou-se que quando mais vulnerável maior é o risco para quedas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Santinha G, Marques S. Ambiente construído, saúde pública e políticas públicas: uma discussão à luz de perceções e experiências de idosos institucionalizados. Saude Soc. 2015;24(3):1047-60. Doi: https://doi.org/10.1590/S0104-12902015135520

Franklin TA, Santos HCS, Santos Junior JA, ABA Vilela. Caracterização do atendimento de um serviço pré-hospitalar a idosos envolvidos em queda. Rev Fund Care Online. 2018;10(1):62-7. Doi: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2018.v10i1.62-67

Morsch P, Myskiw M, Myskiw JC. A problematização da queda e a identificação dos fatores de risco na narrativa de idosos. Ciên Saúde Coletiva. 2016;21(11):3565-74. Doi: https://doi.org/10.1590/1413-812320152111.06782016

Flesch LD, Batistoni SST, Neri AL, Cachioni M. Aspectos psicológicos da qualidade de vida de cuidadores de idosos: uma revisão integrativa. Geriatrics Gerontol Aging. 2017;11(3):138-49. Doi: https://doi.org/10.5327/Z2447-21152017v11n3ED

Tavares AS. Acessibilidade em instituição para idosos: a ergonomia do ambiente construído sob a luz do método do espectro de acessibilidade [Dissertação]. Recife: Universidade Federal de Pernambuco; 2014.

Rothmore P, Aylward P, Karnon J. The implementation of ergonomics advice and the stage of change approach. Applied Ergonomics. 2015;51:370-6. Doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.apergo.2015.06.013

Sanders C, Rogers A, Bowen R, Bower P, Hirani S, Cartwright M, et al. Exploring barriers to participation and adoption of telehealth and telecare within the Whole System Demonstrator trial: A qualitative study. BMC Health Services Research. 2012;12(1):1-12. Doi: https://doi.org/10.1186/1472-6963-12-220

Zhang L, Yan T, You L, Li K, Gao Y. Social Isolation and Physical Barriers in the Houses of Stroke Survivors in Rural China. Arch Phys Med Rehabil. 2016;97(12):2054-2060. Doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.apmr.2016.07.007

Caberlon IC, Bós ÂJG. Diferenças sazonais de quedas e fraturas em idosos gaúchos. Ciên Saúde Coletiva. 2015;20(12):3743-52. Doi: https://doi.org/10.1590/1413-812320152012.20602014

Vagetti GC, Oliveira V, Silva MP, Pacífico AB, Costa TRA, Campos W. Associação do índice de massa corporal com a aptidão funcional de idosos participantes de um programa de atividade física. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2017;20(2):216-27. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1981-22562017020.160160

Santos PHS, Fernandes MH, Casotti CA, Coqueiro RS, Carneiro JAO. Perfil de fragilidade e fatores associados em idosos cadastrados em uma Unidade de Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20(6):1917-24. Doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232015206.17232014

Martins HDO, Bernado KMA, Martins MS, Alfieri FM. Controle postural e o medo de cair em idosos fragilizados e o papel de um programa de prevenção de quedas. Acta Fisiatr. 2016;23(3):113–9. Doi: http://dx.doi.org/10.5935/0104-7795.20160022

Vieira EC, Peixoto MRG, Silveira EA. Prevalência e fatores associados à síndrome Metabólica em idosos usuários do Sistema Único de Saúde. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(4):805–17. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1809-4503201400040001

Brasil. Ministério da Saúde. Caderneta de saúde da pessoa idosa: manual de preenchimento. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2008.

Sarges NA, Santos MIPO, Chaves EC. Avaliação da segurança do idoso hospitalizado quanto ao risco de quedas. Rev Bras Enferm. 2017;70(4):860-7. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0098

Lima CAB, Carvalho JL, Aquino RCA. Avaliação de vulnerabilidade do idoso através da adaptação transcultural do Instrumento de Identificação do Idoso Vulnerável VES-13. Rev Eletr. Univ Estácio. 2017;3(1).

Ferreira MJC, França JCQ, Lobos JCCM, Santana RMSB, Moraes Júnior JB, Carneiro AS, et al. Medo de cair em idosos classificados como vulneráveis de um centro de referência à atenção da saúde do idoso. Acta Fisiatr. 2020;27(2):82-8. Doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v27i2a171038

Guede Rojas FA, Chirosa LJ, Fuentealba SA, Vergara CA, Ulloa DL, Salazar SE, et al. Características antropométricas y condición física funcional de adultos mayores chilenos insertos en la comunidad. Nutricion Hospital. 2017;34(6):1319-27. Doi: http://dx.doi.org/10.20960/nh.1288

Fortunato AR, Hauser E, Capeletto E, Petreça DR, Faleiro DJA, Mazo GZ. Fatores associados à baixa preocupação em cair de idosos praticantes de atividade física. Rev Bras Med Esporte. 2019;25(1):67-70. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1517-869220192501189996

Talarska D, Strugała M, Szewczyczak M, Tobis S, Michalak M, Wróblewska I, Wieczorowska-Tobis K. Is independence of older adults safe considering the risk of falls? BMC Geriatr. 2017;17(1):66. Doi: http://dx.doi.org/10.1186/s12877-017-0461-0

Pereira JR, Gobbi S, Teixeira CVL, Nascimento CMC, Corazza DI, Vital TM, et al. Effects of Square-Stepping Exercise on balance and depressive symptoms in older adults. Motriz Rev Educ Fis. 2014;20(4):454-60. Doi: https://doi.org/10.1590/S1980-65742014000400013

Cepeda CC, Rodacki ALF, Persch LN, Silva PP, Buba S, Dressler VF. Efeitos do método isostretching sobre parâmetros morfológicos e sobre um conjunto de testes motores em idosas. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2013;15(5):604-15. Doi: https://doi.org/10.5007/1980-0037.2013v15n5p604

Bastos J, Silva CS, Pasquali FOS, Ferreira JM, Colling K, Müller DVK. Análise da mobilidade funcional entre idosos caidores e não caidores. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão. 2016;8(3):14

Moreira BS, Sampaio RF, Kirkwood RN. Spatiotemporal gait parameters and recurrent falls in community-dwelling elderly women: a prospective study. Braz J Phys Ther. 2015;19(1):61-9. Doi: https://doi.org/10.1590/bjpt-rbf.2014.0067

Martinez BP, Santos MR, Simões LP, Ramos IR, Oliveira CS, Forgiarini Júnior LA, et al. Segurança e reprodutibilidade do teste timed up and go em idosos hospitalizados. Rev Bras Med Esporte. 2016;22(5):408–11. Doi: https://doi.org/10.1590/1517-869220162205145497

Wang J, Lin W, Chang LH. The linear relationship between the Vulnerable Elders Survey-13 score and mortality in an Asian population of community-dwelling older persons. Arch Gerontol Geriatr. 2018;74:32-8. Doi: https://doi.org/10.1016/j.archger.2017.09.005

Wallace E, McDowell R, Bennett K, Fahey T, Smith SM. External validation of the Vulnerable Elder's Survey for predicting mortality and emergency admission in older community-dwelling people: a prospective cohort study. BMC Geriatr. 2017;17(1):69. Doi: https://doi.org/10.1186/s12877-017-0460-1

Bongue B, Buisson A, Dupre C, Beland F, Gonthier R, Crawford-Achour É. Predictive performance of four frailty screening tools in community-dwelling elderly. BMC Geriatr. 2017;17(1):262. Doi: http://dx.doi.org/10.1186/s12877-017-0633-y

Moraes SA, Soares WJS, Lustosa LP, Bilton TL, Ferrioli E, Perracini MR. Características das quedas em idosos que vivem na comunidade: estudo de base populacional. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2017;20(5):693-704. Doi: https://doi.org/10.1590/1981-22562017020.170080

Lin PS, Hsieh CC, Cheng HS, Tseng TJ, Su SC. Association between physical fitness and successful aging in Taiwanese older adults. PLoS One. 2016;11(3):e0150389. Doi: http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0150389

Publicado

2022-03-31

Como Citar

1.
Ferreira MJC, Carneiro AS, Santos AS, Ibiapina EF, Simeão LF, Dibai Filho AV, Dibai DB, Gonçalves MC. Correlação entre risco de quedas, vulnerabilidade e composição corporal de idosos de um centro de atenção integral a saúde do idoso. Acta Fisiátr. [Internet]. 31 de março de 2022 [citado 26 de setembro de 2022];29(1):36-41. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/185748

Edição

Seção

Artigo Original
MÉTRICAS | METRICS