Sexualidade: implicações no cotidiano de pessoas com lesão medular

Autores

  • Caroline Nascimento Santana Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Carolina Rebellato Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v29i3a192778

Palavras-chave:

Traumatismos da Medula Espinal, Sexualidade, Saúde Sexual, Pessoas com Deficiência

Resumo

A lesão medular altera funções motoras e sensitivas, podendo causar limitações de atividades e restrição de participação. Nesse contexto, é frequente a presença de alterações da sexualidade, relacionadas a diminuição da função sexual, libido, baixa autoestima e aceitação social. Apesar disso, a sexualidade e seus desdobramentos têm sido pouca integrada no processo de reabilitação dessas pessoas. Objetivo: Compreender a sexualidade da pessoa com lesão medular, suas vivências e estratégias utilizadas, bem como a atuação de profissionais de saúde nessa área a partir da percepção de pessoas com lesão medular. Método: Estudo descritivo de análise qualitativa, que incluiu 12 pessoas com lesão medular, de idades entre 23 e 56 anos, usuários do Projeto Praia Para Todos, Rio de Janeiro. A coleta de dados foi realizada através de entrevista gravada por telefone. Os instrumentos utilizados foram Ficha de identificação sociodemográfica, roteiro de entrevista semiestruturado e Quociente Sexual. A inferência e interpretação dos dados foram realizados após transcrição das entrevistas na íntegra. Resultados: A lesão medular acarretou mudanças na vivência da sexualidade em aspectos físicos, psicossociais e ambientais. As principais estratégias utilizas foram mudança de hábitos, utilização de equipamentos, técnicas, medicamentos e busca por rede de suporte social. Embora o processo de reabilitação tenha se dado através de equipe multidisciplinar, foi identificado ausência de abordagem da sexualidade. Conclusão: Sugere-se mais estudos que visem identificar as limitações, barreiras e estratégias utilizadas por pessoas com lesão medular e outras deficiências, bem como o esclarecimento a profissionais de saúde sobre a importância da atuação nesse campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Cavalcante KMH, Carvalho ZMF, Barbosa IV, Rolim GA. Vivência da sexualidade por pessoas com lesão medular. Rev RENE. 2008;9(1):27-35.

Pilusa S, Myezwa H, Potterton J. Prevention care for secondary health conditions among people living with spinal cord injuries: research protocol. BMC Res Notes. 2019;12(1):179. Doi: https://doi.org/10.1186/s13104-019-4202-7

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes de Atenção à Pessoa com Lesão Medular. 2 ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2015.

Cerezetti CRN, Nunes GR, Cordeiro DRCL, Tedesco S. et al. Lesão Medular Traumática e estratégias de enfrentamento: revisão crítica. Mundo Saúde. 2012;36(2):318-26.

Patek M, Stewart M. Spinal cord injury. Anaesth Intensive Care Med. 2020; 21(8):411-16. Doi: https://doi.org/10.1016/j.mpaic.2020.05.006

Fechio MB, Pacheco KMB, Kaihami HN, Alves, VLR. A repercussão da lesão medular na identidade do sujeito. Acta Fisiátr. 2009;16(1):38-42. Doi: https://doi.org/10.5935/0104-7795.20090005

Schoeller SD, Bitencourt RN, Leopardi MT, Pires DP, Zanini MTB. Mudanças na vida das pessoas com lesão medular adquirida. Rev Eletr Enferm. 2012;14(1):95-103. Doi: https://doi.org/10.5216/ree.v14i1.12453

Silva GA, Schoeller SD, Gelbcke FL, Carvalho ZMF, Silva EMJP. Avaliação funcional de pessoas com lesão medular: utilização da escala de independência funcional - MIF. Texto Contexto Enferm. 2012;21(4):929-36. Doi: https://doi.org/10.1590/S0104-07072012000400025

Torrecilha LA, Costa BT, Lima FB, Santos SMS, Souza RB. O perfil da sexualidade em homens com lesão medular. Fisioter Mov. 2014;27(1):39-48. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/0103-5150.027.001.AO04

Eglseder K, Demchick B. Sexuality and spinal cord injury: the lived experiences of intimate partners. OTJR (Thorofare N J). 2017;37(3):125-31. Doi: https://doi.org/10.1177/1539449217701394

França ISX, Chaves AF. Sexualidade e paraplegia: o dito, o explícito e o oculto. Acta Paul Enferm. 2005;18(3):253-9. Doi: https://doi.org/10.1590/S0103-21002005000300005

New PW, Currie KE. Development of a comprehensive survey of sexuality issues including a self-report version of the International Spinal Cord Injury sexual function basic data sets. Spinal Cord. 2016;54(8):584-91. Doi: https://doi.org/10.1038/sc.2015.216

Smith A, Lyons A, Ferris J, Richter J, Pitts M, Shelley A, et al. Sexual and relationship satisfaction among heterosexual men and women: the importance of desired frequency of sex. J Sex Marital Ther. 2011;37(2):104-15. Doi: http://dx.doi.org/10.1080/0092623X.2011.560531

World Health Organization. Defining sexual health: report a technical consultation of sexual health [text on the Internet]. Geneva: OMS; c2006. [cited 2021 nov 22]. Available from: https://www.who.int/reproductivehealth/publications/sexual_health/defining_sexual_health.pdf

Santos BMS, Silva AMV. Representação social do gênero masculino e suas implicações na sexualidade de pacientes com paraplegia. Gênero Amazônia. 2017;7(12):97-107.

Santos AEA, Leão FM, Araújo LS, Ferreira LTH. Sexual e reprodutiva: direitos e desafios em um mundo multicultural [texto na Internet]. Brasília: Simulação das Nações Unidas para Secundaristas (SiNUS); 2011. [citado 2021 nov 22]. Disponível em: https://livrozilla.com/doc/533727/sexual-e-reprodutiva--direitos-e-desafios-em-um

Oliveira CMS. O cuidado de enfermagem com o suporte da terapêutica chinesa em homens com lesão medular adquirida [Dissertação]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2016.

Magalhães IMB. Influência da atividade física na sexualidade de indivíduos com lesão vertebro-medular [Dissertação]. Porto: Universidade do Porto; 2005.

Krassioukov A, Elliott S. Neural Control and Physiology of Sexual Function: Effect of Spinal Cord Injury. Top Spinal Cord Inj Rehabil. 2017;23(1):1-10. Doi: http://dx.doi.org/10.1310/sci2301-1

Baasch AKM. Sexualidade na lesão medular [Dissertação]. Florianópolis; Universidade do Estado de Santa Catarina; 2008.

Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29 ed. Rio de Janeiro: Vozes; 2010.

Instituto Novo Ser [homepage na Internet]. Rio de Janeiro: Instituto Novo Ser; c2021 [citado 2021 nov 22]. Disponível em: https://www.novoser.org.br/

Abdo CHN. Elaboração e validação do quociente sexual-versão masculina, uma escala para avaliar a função sexual do homem. Rev Bras Med. 2006;63(1-2): 42-6.

Abdo CHN. Quociente sexual feminino: um questionário brasileiro para avaliar a atividade sexual da mulher. Diagn Tratamento. 2009;14(2):89-1.

Vera RS. Resiliência, enfrentamento e qualidade de vida na reabilitação de indivíduos com lesão medular [Tese]. Brasília: Universidade de Brasília; 2012.

Morais DF, Spotti AR, Cohen MI, Mussi SE, Melo Neto JS, Tognola WA. Perfil epidemiológico de pacientes vítimas de traumatismo raquimedular atendidos em hospital terciário. Coluna/columna. 2013;12(2):149-52. Doi: https://doi.org/10.1590/S1808-18512013000200012

Trierveiler KS, Ramos FRS, Schoeller SD, Nogueira GC, Martins MMFPS, Schneider, DG. Funcionalidade familiar da pessoa com lesão medular. Texto Contexto Enferm. 2015;24(4):993-1002. Doi: https://doi.org/10.1590/0104-0707201500003610014

Carvalho ANL, Silva JP. Sexualidade das pessoas com deficiência: uma revisão sistemática. Arq Bras Psicol. 2018;70(3):289-304.

Maia ACB. A sexualidade depois da lesão medular: uma análise qualitativa-descritiva de uma narrativa biográfica. Interação Psicol. 2012;16(2):227-37. Doi: http://dx.doi.org/10.5380/psi.v16i2.21212

Anderson R, Moses R, Lenherr S, Hotaling JM, Myers J. Spinal cord injury and male infertility-a review of current literature, knowledge gaps, and future research. Transl Androl Urol. 2018;7(Suppl 3):S373-S382. Doi: https://doi.org/10.21037/tau.2018.04.12

Oliveira S, Azenha S, Sousa AP, Pinheiro JP, Santos ATA. Eficácia da vibroestimulação peniana após lesão vertebromedular. Acta Urológica. 2016;33(1):16-21. Doi: https://doi.org/10.1016/j.acup.2016.01.002

Calliga MCNS, Porto LA. Quais pessoas com paraplegia traumática voltam a trabalhar? Ciênc Saúde Colet. 2019;24(6):2341-50. Doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232018246.15682017

Murta SG, Guimaraes SS. Enfrentamento à lesão medular traumática. Estud Psicol (Natal). 2007;12(1):57-63. Doi: https://doi.org/10.1590/S1413-294X2007000100007

Costa BT, Torrecilha LA, Paloco SA, Spricigo JMVA, Souza RB, Santos SMS. O perfil e as adaptações sexuais de homens após a lesão medular. Acta Fisiátr. 2015;21(4): 177-82. Doi: https://doi.org/10.5935/0104-7795.20140035

Sarris AB, Nakamura, MC, Fernandes LGR, Staichak RL, Pupulim AF, Sobreiro BP. Fisiopatologia, avaliação e tratamento da disfunção erétil: artigo de revisão. Rev Med (São Paulo). 2016;95(1):18-29. Doi: https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v95i1p18-29

World Health Organization. Education and treatment in human sexuality: The training of health professionals. A report from a WHO meeting. Geneva: WHO; 1975. [WHO Technical Report Series, 572]

Paula AR, Sodelli FG, Faria G, Gil M, Regen M, Meresman S. Pessoas com deficiência: pesquisa sobre sexualidade e vulnerabilidade. Temas Desenvolv. 2010;17(98):51-65.

Ceccarelli PR. Sexualidade e preconceito. Rev Latinoam Psicopatol Fundam. 2000;3(3):18-37. Doi: https://doi.org/10.1590/1415-47142000003003

Monzeli G, Lopes RE. Terapia ocupacional e sexualidade: uma revisão nos periódicos nacionais e internacionais da área. Rev Ter Ocup. 2013;23(3):237-44. Doi: https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v23i3p237-244

Maia ACB, Ribeiro PRM. Desfazendo mitos para minimizar o preconceito sobre a sexualidade de pessoas com deficiências. Rev Bras Educ Espec. 2010;16(2):159-76. Doi: https://doi.org/10.1590/S1413-65382010000200002

Garrett A, Martins FT, Teixeira Z. Da actividade sexual à sexualidade após uma lesão medular adquirida. 2009. Rev Faculdade Ciências Saúde. 2009;6:152-61.

Almeida S, Souza RF, Zanona AF. Intervenção da Terapia Ocupacional no desempenho ocupacional na sexualidade de pessoas com lesão medular: relato de caso. Rev Ocup Hum. 2018;18(1):50-64. Doi: https://doi.org/10.25214/25907816.193

World Health Organization. HRP annual report 2016. Geneva: WHO; 2016.

Bampi LNS. percepção de qualidade de vida de pessoas com lesão medular traumática: uma forma de estudar a experiência da deficiência [Tese]. Brasília: Universidade de Brasília; 2007.

Maia HAAS, Carvalho ESS, Xavier ASG, Bessa Júnior J. Acesso e cuidado de homens com doença falciforme e priapismo na urgência e emergência de Feira de Santana. Anais Seminário de Iniciação Científica. 2017;21. Doi: https://doi.org/10.13102/semic.v0i21.2570

Ferreira V, Matos A, Carvalho LF, Azevendo N, Reis D, Loureiro L, et al. Cirurgia de Grayhack no tratamento de priapismo isquémico–a propósito de um caso clínico. Angiol Cir Vasc. 2016;12(3):211-3. Doi: https://doi.org/10.1016/j.ancv.2016.02.002

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: ABNT; 2015.

Silva RC, Tirapegui J, Pires ISO, Ribeiro SML. Estudo controlado da influência da atividade física em fatores de risco para doenças crônicas em indivíduos lesados medulares paraplégicos do sexo masculino. Rev Bras Educ Fís Esp. 2004;18(2):169-77. Doi: https://doi.org/10.1590/S1807-55092004000200005

Nascimento LG, Silva SML. Benefícios da atividade física sobre o sistema cardiorrespiratório, como também, na qualidade de vida de portadores de lesão medular: uma revisão. Rev Bras Prescr Fisiol Exerc. 2011;1(3):42-50.

Santos EA, Alves VLR, Ramos S, Frangella VS. Análise do hábito alimentar e do estado nutricional de pacientes com lesão medular após intervenção nutricional. Acta Fisiátr. 2014;21(3):121-31. Doi: http://dx.doi.org/10.5935/0104-7795.20140025

Bryant C, Gustafsson L, Aplin T, Setchell J. Supporting sexuality after spinal cord injury: a scoping review of non-medical approaches. Disabil Rehabil. 2021;43:1-14. Doi: https://doi.org/10.1080/09638288.2021.1937339

Alvarez AB, Machado WCA, Teixeira MLO, Branco EMSC, Figueiredo NMA. Imagem corporal de paraplégicos: o enfrentamento das mudanças na perspectiva de pessoas com lesão medular. Rev Enferm UERJ. 2016;24(1):1-6. Doi: http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2016.16125

Rodrigues MPC, Araujo TCCF. Internet como suporte à pessoa com lesão medular: padrões de uso e reabilitação. Paidéia. 2012;22(53):413-21. Doi: https://doi.org/10.1590/S0103-863X2012000300013

Marques AKMC, Landim FLP, Collares PM, Mesquita RB. Apoio social na experiência do familiar cuidador. Ciênc. Saúde Coletiva. 2011;16(supl.1):945-55. Doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000700026

Alves AS, Guedes MHD, Alves VLR. Um estudo sobre a satisfação sexual de pessoas portadoras de lesão medular. Acta Fisiátr. 1999;6(1):6-9.

Tholl AD. O quotidiano e o ritmo de vida de pessoas com lesão medular e suas famílias: potências e limites na adesão à reabilitação para a promoção da saúde [Tese]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2015.

Carneiro VMB. Vivências da sexualidade: atualizações e persistências nos discursos de mulheres com lesão na medula espinhal [Dissertação]. São Luis: Universidade Federal do Maranhão; 2007.

Amaral RB, Gomes RF. Reflexões sobre atuação de profissionais da saúde para o cuidado a pessoas com traumatismo raquimedular. EFDeportes [periódico na Internet]. 2013 [citado 2021 Nov 22];18:187. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd187/cuidado-a-pessoas-com-traumatismo-raquimedular.htm

Downloads

Publicado

2022-09-27

Como Citar

1.
Santana CN, Rebellato C. Sexualidade: implicações no cotidiano de pessoas com lesão medular. Acta Fisiátr. [Internet]. 27 de setembro de 2022 [citado 30 de janeiro de 2023];29(3):204-18. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/192778

Edição

Seção

Artigo Original
MÉTRICAS | METRICS