Associação entre o total de quedas relatadas e o número de barreiras ergonômicas domiciliares

Autores

  • Miguel Jânio Costa Ferreira Universidade CEUMA
  • Daniela Bassi Dibai Universidade CEUMA
  • Alisson Sousa Santos Universidade CEUMA
  • Andréa Santana Carneiro Universidade CEUMA
  • Karla Virginia Bezerra de Castro Soares Universidade CEUMA
  • Adriana Sousa Rêgo Universidade CEUMA
  • Silvio Gomes Monteiro Universidade Federal do Maranhão
  • Maria Claudia Gonçalves Universidade CEUMA

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v29i3a195477

Palavras-chave:

Acidentes por quedas, Acessibilidade Arquitetônica, Ergonomia, Idoso

Resumo

Objetivo: Investigar a associação entre o número total de quedas no último ano e o número de barreiras ergonômicas domiciliares (BED). Método: Estudo transversal, voluntários com idade ≥60 anos foram incluídos no estudo. A história de quedas e o número de BED foram avaliados por meio de um questionário, a vulnerabilidade através do Vulnerable Elders Survey 13 (VES-13) e o medo de cair observado pela Falls Efficacy Scale - International- Brazilian (FES-I- BR). A normalidade dos dados foi verificada com o teste de Kolmogorov-Smirnov, a correlação entre total de quedas e a quantidade de barreiras ergonômicas foi verificada com teste de Spearman e associação entre as barreiras ergonômicas e os grupos com e sem histórico de quedas no último ano, através da regressão logística bivariada e pelo teste de Qui-quadrado, o nível de significância de p≤ 0,05 foi adotado. Resultados: Dos 123 indivíduos avaliados, 48% tinham histórico de quedas, com média de 3,83±1,96. A falta de barras de apoio foi considerada protetora [OR= 0,30; p= 0,042] e a ausência de pisos uniformes e tapetes bem fixados foram considerados fatores de risco para quedas [OR= 3,71; p= 0,004]. Idosos com histórico de quedas com ≥ 04 BED, apresentaram maior risco de quedas [OR= 5,98 p<0,0001]. Conclusão: A quantidade ≥ 04 BED está associada a histórico de quedas, a ausência de corrimão é fator de proteção e pisos irregulares ou escorregadios são fatores de risco para quedas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Santinha G, Marques S. Ambiente construído, saúde pública e políticas públicas: uma discussão à luz de percepções e experiências de idosos institucionalizados. Rev Saúde Sociedade. 2015;24(3):1047-60. Doi: https://doi.org/10.1590/S0104-12902015135520

Gatti AL, Witter C, Gil CA, Vitorino SS. Pesquisa Qualitativa: Grupo Focal e Intervenções Psicológicas com Idosos. Psicol Ciênc Prof. 2015;35(1):20-39. Doi: https://doi.org/10.1590/1982-3703002382013

Dias DSG, Carvalho CS, Araújo CV. Comparação da percepção subjetiva de qualidade de vida e bem-estar de idosos que vivem sozinhos, com a família e institucionalizados. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2013;16(1):127-38. Doi: https://doi.org/10.1590/S1809-98232013000100013

Cruz DT, Duque RO, Leite ICG. Prevalência do medo de cair em uma população de idosos da comunidade. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2017;20(3):309-18. Doi: https://doi.org/10.1590/1981-22562017020.160176

Morsch P, Myskiw M, Myskiw JC. A problematização da queda e a identificação dos fatores de risco na narrativa de idosos. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(11):3565-74. Doi: https://doi.org/10.1590/1413-812320152111.06782016

Caberlon IC, Bós AJG. Diferenças sazonais de quedas e fraturas em idosos gaúchos. Ciênci Saúde Colet. 2015;20(12):3743-52. Doi: https://doi.org/10.1590/1413-812320152012.20602014

Fhon JR, Rodrigues RA, Neira WF, Huayta VM, Robazzi ML. Fall and its association with the frailty syndrome in the elderly: systematic review with meta-analysis. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(6):1005-13. Doi: https://doi.org/10.1590/S0080-623420160000700018

Franklin TA, Santos HCS, Santos Junior JA, Vilela ABA. Caracterização do atendimento de um serviço pré-hospitalar a idosos envolvidos em queda. Rev Fund Care Online. 2018;10(1):62-7. Doi: https://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2018.v10i1.62-67

Brasil. Ministério da Saúde. Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (Viva): 2009, 2010 e 2011. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013.

Zhang L, Yan T, You L, Li K, Gao Y. Social Isolation and Physical Barriers in the Houses of Stroke Survivors in Rural China. Arch Phys Med Rehabil. 2016;97(12):2054-60. Doi: https://dx.doi.org/10.1016/j.apmr.2016.07.007

Ferrioli E, Perracini MR. Características das quedas em idosos que vivem na comunidade: estudo de base populacional. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2017;20(5):693704. Doi: https://dx.doi.org/10.1590/1981-22562017020.170080

Oliveira AS, Trevizan PF, Bestetti MLT, Melo RC. Fatores ambientais e risco de quedas em idosos: revisão sistemática. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2014;17(3):637-45. Doi: https://doi.org/10.1590/1809-9823.2014.13087

Vieira LS, Gomes AP, Bierhals IO, Farías-Antúnez S, Ribeiro CG, Miranda VIA, et al. Falls among older adults in the South of Brazil: prevalence and determinants. Rev Saude Publica. 2018;52:22. Doi: https://dx.doi.org/10.11606/s1518-8787.2018052000103

Abdala RP, Barbieri Junior W, Bueno Júnior CR, Gomes MM. Padrão de marcha, prevalência de quedas e medo de cair em idosas ativas e sedentárias. Rev Bras Med Esporte. 2017;23(1):26-30. Doi: https://doi.org/10.1590/1517-869220172301155494

Brasil. Ministério da Saúde. Caderneta de saúde da pessoa idosa. 3 ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2014.

Luz LL, Santiago LM, Silva JF, Mattos IE. Psychometric properties of the Brazilian version of the Vulnerable Elders Survey-13 (VES-13). Cad Saude Publica. 2015;31(3):507-15. Doi: https://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00011714

Lima CAB, Carvalho JL, Aquino RCA. Avaliação de vulnerabilidade do idoso através da adaptação transcultural do Instrumento de Identificação do Idoso Vulnerável VES-13. Rev Eletr Univ Estácio de Sá. 2017;3(1).

Wallace E, McDowell R, Bennett K, Fahey T, Smith SM. External validation of the Vulnerable Elder's Survey for predicting mortality and emergency admission in older community-dwelling people: a prospective cohort study. BMC Geriatr. 2017;17(1):69. Doi: https://dx.doi.org/10.1186/s12877-017-0460-1

Camargos FFO, Dias RC, Dias JMD, Freire MTF. Adaptação transcultural e avaliação das propriedades psicométricas da Falls Efficacy Scale - International em idosos brasileiros (FES-I-BRASIL). Rev Bras Fisioter. 2010;14(3):237-43. Doi: https://doi.org/10.1590/S1413-35552010000300010

Hauser E, Sandreschi PF, Parizzotto D, Araújo CCR, Mazo GZ. Medo de cair e desempenho físico em idosos praticantes de atividade física. Rev Educ Fís/UEM. 2015;26(4):593-600. Doi: https://doi.org/10.4025/reveducfis.v26i4.28442

Ricci NA, Ferrarias GP, Molina KI, Dib PM, Alouche SR. Velocidade de marcha e autoeficácia em quedas em indivíduos com hemiparesia após acidente vascular encefálico. Fisioter Pesq. 2015;22(2):191-6. Doi: https://doi.org/10.590/1809-2950/14484522022015

Souza LHR, Brandão JCS, Fernandes AKC, Cardoso BLC. Queda Em Idosos E Fatores De Risco Associados. Rev Aten Saúde.2017;15(54):55-60. Doi: https://doi.org/10.13037/ras.vol15n54.4804

Lopes KT, Costa DF, Castro DP, Bastone AC. Prevalência do medo de cair em uma população de idosos da comunidade e sua correlação com mobilidade, equilíbrio dinâmico, risco e histórico de quedas. Rev Bras Fisioter. 2009;13(3):223-9. Doi: https://doi.org/10.1590/S1413-35552009005000026

Carvalho NPG, Palma R. Prevenção de quedas em idosos. Fisioter Bras. 2012;13(4):309-13.

Alves AHC, Patrício ACFA, Fernandes KA, Duarte MCS, Santos JS, Oliveira MS. Ocorrência de quedas entre idosos institucionalizados: prevalência, causas e consequências. J Res Fundam Care Online. 2016;8(2):4376-86. Doi: https://doi.org/10.9789/2175-5361.2016.v8i2.4376-4386

Wang J, Lin W, Chang LH. The linear relationship between the Vulnerable Elders Survey-13 score and mortality in an Asian population of community-dwelling older persons. Arch Gerontol Geriatr. 2018;74:32-38. Doi: https://dx.doi.org/10.1016/j.archger.2017.09.005

Downloads

Publicado

2022-09-27

Como Citar

1.
Ferreira MJC, Dibai DB, Santos AS, Carneiro AS, Soares KVB de C, Rêgo AS, Monteiro SG, Gonçalves MC. Associação entre o total de quedas relatadas e o número de barreiras ergonômicas domiciliares. Acta Fisiátr. [Internet]. 27 de setembro de 2022 [citado 30 de janeiro de 2023];29(3):171-6. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/195477

Edição

Seção

Artigo Original
MÉTRICAS | METRICS