Acta Fisiátrica https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica <p style="text-align: justify;">A Acta Fisiátrica (ISSN 0104-7795 | e-ISSN 2317-0190) é uma publicação do Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas e do Departamento de Medicina Legal, Bioética, Medicina do Trabalho e Medicina Física e Reabilitação da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo com o apoio da Fundação Faculdade de Medicina e da Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação (ABMFR).</p> <p style="text-align: justify;">A Acta Fisiátrica é um periódico científico com periodicidade trimestral, de acesso livre, no formato eletrônico. Sua principal missão é difundir o conhecimento da comunidade brasileira envolvida em Medicina Física e Reabilitação, dando sempre preferência para os artigos produzidos no Brasil, porém autores de outros países também podem encaminhar sua produção científica, pois é do entendimento da revista que as contribuições estrangeiras podem fornecer novas abordagens aos problemas enfrentados no país.</p> pt-BR actafisiatrica@hc.fm.usp.br (Revista Acta Fisiátrica) actafisiatrica@hc.fm.usp.br (Revista Acta Fisiátrica) Qua, 28 Dez 2022 00:00:00 -0300 OJS 3.2.1.1 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Distrofia muscular congênita merosina negativa: um relato de caso https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/176151 <p>A Distrofia muscular laminin subunit alpha 2 (DM LAMA2) é caracterizada pela deficiência da proteína da cadeia laminina α2, apresentando sintomas distróficos que progridem na infância. Objetivo: Apresentar dados da avaliação fisioterapêutica de uma criança com DM LAMA2 em acompanhamento ambulatorial. Métodos: Pesquisou-se em prontuário dados referentes às avaliações fisioterapêuticas de uma criança de 12 anos com diagnóstico de DM LAMA2 atendida em ambulatório especializado. A avaliação caracterizou-se por ausculta pulmonar, espirometria, verificação de parâmetros cardiorrespiratórios, análise do pico de fluxo de tosse (PFT), força muscular respiratória (FMR) e avaliação motora através da escala MFM-32. Resultados: Realizou-se três avaliações durante 9 meses. A paciente possui doença pulmonar restritiva, na primeira avaliação apresentou VEF1= 29% na espirometria e, comparando com a terceira avaliação obteve aumento de 1%, também houve aumento de 2% na relação VEF1/CVF, 5% no PEF e 11% no FEF25-75%. Na FMR, obteve-se valores de PImáx= 17,9% e PEmáx= 7,13% na primeira avaliação com aumento de 16,85% e 5,34% respectivamente, entre primeira e terceira avaliação. O PFT manteve-se em 0L/min em todas avaliações. Na primeira avaliação motora pontuou 25% no escore total da escala MFM-32, aumentando 3,12% na terceira avaliação. Ao longo do acompanhamento iniciou-se o uso da VNI noturna e introduzida a técnica de AS, buscando correção da hipoxemia, apneias noturnas, aumento do PFT e FMR. Conclusão: Paciente apresentou manutenção de parâmetros espirométricos, aumento de variáveis de FMR e função motora, sem piora do quadro. Possíveis resultados decorridos do acompanhamento multiprofissional e especializado.</p> Maria Caroline Heinz, Cristina Maria Santos, Karoline Silveira, Camila Isabel Santos Schivinski Copyright (c) 2022 Acta Fisiátrica https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/176151 Qua, 28 Dez 2022 00:00:00 -0300 Atuação da fisioterapia aquática na esclerose lateral amiotrófica: revisão integrativa da literatura https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/198613 <p>A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é uma doença neurodegenerativa do sistema nervoso central, caracterizada pela rápida progressão e incapacidade, resultando em atrofia muscular, fraqueza generalizada e fasciculações, marcada pelo acometimento bulbar, ocasionando disartria, disfagia e desconforto respiratório. Objetivo: Avaliar por meio de uma revisão integrativa da literatura a intervenção da fisioterapêutica aquática na esclerose lateral amiotrófica. Métodos: Consiste em uma revisão integrativa desenvolvida com base na estratégia PICO e registrada na plataforma PROSPERO – International prospective register of systematic reviews, 2020, seguindo as recomendações do checklist da PRISMA, abrangendo a leitura, análise e interpretação de artigos publicados na integra, em periódicos científicos disponibilizados em seu formato online, nos idiomas inglês e português, nas bases de dados Pubmed, Medline, Cochrane Library e Physiotherapy Evidence Database (PEDro), que abordaram a atuação da fisioterapia aquática apresentando seus resultados e condutas adotadas. Resultados: Dos 1.093 artigos encontrados, 5 foram selecionados para essa revisão, sendo respectivamente: 01 estudo randomizado com grupo de 22 pessoas; 02 estudos de caso com 1 pessoa, em cada estudo, do sexo masculino; 01 revisão sistemática da literatura, identificando 31 estudos que avaliaram o uso da fisioterapia aquática como tratamento em uma das quatro condições neurológicas, visão geral dos efeitos do treinamento físico em ratos e pacientes afetados pela ELA, através de uma revisão da literatura. Conclusão: Os estudos demostram que a fisioterapia aquática tem um futuro promissor, podendo ser considerado um importante recurso terapêutico para os pacientes com ELA, beneficiando tanto as questões motoras funcionais, como osaspectos psicológicos e sociais.</p> Márjory Harumi Nishida, Ana Paula Midori Sinzato Saito, Douglas Martins Braga, Fernando César Freire, Rafael Santos Ferreira da Silva Copyright (c) 2022 Acta Fisiátrica https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/198613 Qua, 28 Dez 2022 00:00:00 -0300 Esclerose lateral amiotrófica em Belo Horizonte, Brasil entre 2010 e 2020: um estudo clínico epidemiológico https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/199833 <p>Objetivo: Descrever o perfil clínico de indivíduos com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) de um hospital de referência na cidade de Belo Horizonte, Brasil. Métodos: Trata-se de um estudo transversal retrospectivo com coleta de dados de prontuários eletrônicos de indivíduos com diagnóstico definido de ELA entre 2010 e 2020, no setor de referência em Distrofias Musculares de um hospital de uma capital brasileira. Resultados: Foram incluídos 103 indivíduos com ELA, com idade média de 60±12 anos, idade média de diagnóstico de 56±12 anos e tempo médio de evolução da doença de 3±3 anos. Além disso, 70% eram do sexo masculino, 88% com ELA esporádica, com envolvimento bulbar semelhante entre leve (32%), moderado (27%) e grave (28%), e com maior taxa de diagnóstico de 50 a 70 anos de idade. Conclusão: Os dados epidemiológicos deste estudo são muito semelhantes aos da literatura. No entanto, a heterogeneidade da doença, a complexidade do diagnóstico e a diversidade de formas que cada estudo traz para a doença, e principalmente a rápida progressão, dificultam a discussão de um quadro mais extenso. Traçar esse perfil é importante para uma clínica mais focada e um manejo mais adequado, e para isso são necessários mais estudos.</p> Myllena Harriman, Lucas Carneiro Morais, Bruno Porto Pessoa, Janaine Cunha Polese Copyright (c) 2022 Acta Fisiátrica https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/199833 Qua, 28 Dez 2022 00:00:00 -0300 Avaliação muscular do joelho e funcional de membros inferiores de jovens atletas de voleibol do sexo feminino https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/170355 <p>Os desequilíbrios musculares e funcionais são analisados na tentativa de prevenir lesões e melhorar os desempenhos de atletas. Objetivo: Analisar o desempenho muscular de extensores e flexores de joelho e o desempenho funcional dos membros inferiores de atletas de voleibol. Métodos: Quinze atletas da categoria sub-16 de voleibol feminino da Universidade de Caxias do Sul foram avaliadas. Para análise do desempenho muscular, as variáveis pico de torque de extensores e flexores de joelho, e razão convencional de extensores/flexores, foi utilizado o dinamômetro isocinético. Já para a análise funcional dos membros inferiores, foram utilizados os testes Hop tests e Y balance test (YBT). Resultados: Na comparação entre membro dominante (MD) e não dominante (MND), não houve diferenças estatisticamente significativas na análise do pico de torque; já na razão flexores/extensores foi encontrada diferença significativa apenas à 240°/s. Entretanto, os valores médios da razão flexores/extensores encontrarem-se abaixo dos valores sugeridos pela literatura. As avaliações funcionais também não mostraram assimetrias entre os membros; no entanto, a pontuação composta do YBT apresentou-se abaixo dos valores normativos. Conclusão: A excelente simetria entre os membros pode ser justificada pela especificidade do esporte, pois os gestos esportivos do voleibol apresentam carácter simétrico durante as exigências físicas dos membros inferiores. No entanto, os baixos valores da razão flexores/extensores e da pontuação composta do YBT talvez não estejam diretamente relacionados a um risco maior de lesões já que os valores de referência utilizados são de atletas adultos.</p> Ana Paula Rodrigues, Geiziane de Fátima Fabian, Matheus Pauletti Cecconi, Elias Franzoi Eberle, Guilherme Faria Balbinot, Andressa Viecelli, Gerson Saciloto Tadiello, Leandro Viçosa Bonetti Copyright (c) 2022 Acta Fisiátrica https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/170355 Qua, 28 Dez 2022 00:00:00 -0300 Acompanhamento das funções respiratória e motora de crianças com atrofia muscular espinhal e distrofia muscular de Duchenne: um estudo longitudinal https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/176172 <p>Objetivo: Realizar o acompanhamento de crianças e adolescentes com Atrofia Muscular Espinhal (AME) e Distrofia Muscular de Duchenne (DMD) em um centro de referência, por meio de avaliações de parâmetros respiratórios e motores. Métodos: Conduziu-se 3 avaliações em um período de 24 meses, em pacientes até 15 anos, com DMD e AME. Avaliações respiratórias incluíram: parâmetros cardiorrespiratórios, força muscular respiratória, pico de fluxo de tosse e espirometria. Analisou-se a função motora por meio de escalas especificas: 1) Children’s Hospital of Philadelphia Infant Test of Neuromuscular Disorders (CHOP INTEND) para crianças até 2 anos; 2) Medida da Função Motora (MFM-32) acima de 6 anos; 3) versão reduzida (MFM-20) para 2 a 6 anos. A análise estatística incluiu o teste de Shapiro-Wilk e utilizou-se ANOVA com Post Hoc de Bonferroni ou Friedman, e aplicou-se os coeficientes de Spearman ou Pearson. Resultados: Participaram 16 pacientes com mediana de idade de 6,5 anos, 12 com AME e 4 DMD. Houve diferença entre dados antropométricos, a frequência de crianças que não realizava fisioterapia reduziu (12,5%X6,3%) e houve aumento na adesão para técnica de empilhamento de ar (37,5%X43,8%). Uso de ventilação não invasiva se manteve igual, assim como parâmetros respiratórios e escalas motoras. Verificou-se forte correlação entre valor predito da capacidade vital forçada e escores MFM-20 e MFM-32. Conclusão: O acompanhamento ambulatorial de crianças com AME e DMD evidenciou relativa manutenção em parâmetros respiratórios e de função motora, o que pode ser atribuído a melhora na adesão de rotinas terapêuticas e aos cuidados em um centro de referência.</p> Cristina Maria Santos, Renata Maba Gonçalves Wamosy, Luciana Sayuri Sanada, Camila Isabel Santos Schivinski Copyright (c) 2022 Acta Fisiátrica https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/176172 Qua, 28 Dez 2022 00:00:00 -0300 Reabilitação e atenção à pessoa com deficiência na atenção primária à saúde no Brasil: dados do 2º e 3º ciclos do Programa de Avaliação da Qualidade a Atenção Básica https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/189811 <p>Objetivo: Descrever e comparar ações de atenção e reabilitação na Atenção Primaria à Saúde (APS) direcionados à Pessoa com Deficiência (PCD) no Brasil. Métodos: Dados do Programa de Avaliação da Qualidade na Atenção Básica (PMAQ-AB). Foi realizada uma análise com base no Módulo IV do 2º (2015) e do 3º (2018) Ciclo do PMAQ-AB. Foram realizadas comparações da avaliação positiva (“sim”) dos cuidados prestados à PCD na APS, através do cálculo a Razão de Prevalência (RP), admitindo o 2º Ciclo como categoria de referência e considerando dados nacionais e das cinco regiões geográficas. Resultados: A prevalência de repostas afirmativas para atenção à PCD aumentou no 3º ciclo no cenário nacional em relação ao apoio em ações direcionadas à PCD, avaliação e adaptação no domicílio e promoção da inserção da PCD em atividades de esporte e lazer. A prevalência de ações de reabilitação na APS no Brasil também aumentou. O cenário das mudanças no cuidado à PCD foi diferente entre as regiões brasileiras. A região Nordeste foi a que mais aumentou o percentual de ações de atenção à PCD, seguindo o padrão nacional, e ainda incluindo aumento no encaminhamento para uso de próteses/órteses e dispositivos de auxílio. Conclusão: Para a maioria das atividades avaliadas, houve aumento da prevalência de sua realização entre as avaliações do 2º e 3º ciclos do PMAQ-AB, entretanto há necessidade ainda de ampliar a oferta e o serviço de algumas atividades na maioria das regiões do país, favorecendo o cuidado integral à PCD.</p> Bruna Lilian Severino Carvalho, Ana Luiza Maia Nascimento, Silvia Lanziotti Azevedo Silva, Celso Brendo Furtado Brandão, Laíze Gabriele de Castro Silva, Lorrane Brunelle Moreira, Geraldo Eduardo Guedes de Brito Copyright (c) 2022 Acta Fisiátrica https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/189811 Qua, 28 Dez 2022 00:00:00 -0300 Avaliação da vulnerabilidade clínico-funcional de idosos frágeis após programa de exercícios https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/196063 <p>O envelhecimento promove mudanças na autonomia e dependência dos idosos que associado a fatores adversos pode levar o indivíduo a um estado de fragilidade. Entretanto, a prática de exercícios físicos tem mostrado efeitos positivos na funcionalidade que pode contribuir na diminuição do risco de vulnerabilidade do idoso frágil. Objetivo: Avaliar o efeito dos exercícios nos domínios avaliados pelo Índice de Vulnerabilidade Clinico-funcional (IVCF-20) em idosos frágeis. Método: Cinquenta e seis idosos frágeis de ambos os sexos, atendidos no Centro de Referência em Assistência à Saúde do Idoso - Eny Faria De Oliveira – CRASI, foram avaliados por meio do IVCF-20 antes e depois de 10 sessões de fisioterapia. Os 8 domínios que compõem o IVCF-20 foram analisados individualmente. O Teste de Friedman foi utilizado para comparação pré e pós-reabilitação intragrupo. Resultados: Foram observadas diferenças significativas nos domínios de atividades de vida diária, cognição, humor, mobilidade e comunicação pós-treinamento (p&lt;0,01) no grupo feminino e masculino. Conclusão: Programas de exercícios podem contribuir na melhora da mobilidade, cognição e funcionalidade dos idosos frágeis.</p> Anisia Gabriela Maturano Rodrigues, Ana Laura Becheleni da Cruz, Renata Ribeiro Durães, Keilla Silva Mendes Durães, Ely Carlos Pereira de Jesus, Luciana Colares Maia, Rodolpho Cesar dos Reis Tinini, Ana Carolina de Mello Alves Rodrigues Copyright (c) 2022 Acta Fisiátrica https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/196063 Qua, 28 Dez 2022 00:00:00 -0300 Versão Brasileira do Questionário de Satisfação com a Prótese (SAT-PRO/Br): validade estrutural, validade concorrente, consistência interna e estabilidade https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/201063 <p>Objetivo: Analisar as propriedades psicométricas do SAT-PRO/Br através da observação da validade estrutural e concorrente, consistência interna e estabilidade. Método: A amostra deste estudo transversal foi consecutiva, não probabilística, constituída por 128 idosos com amputação de membro inferior, com amputação unilateral e que utilizavam a prótese a pelo menos um ano. As propriedades psicométricas foram avaliadas através da validade estrutural (<em>Comparative Fit Index</em>- CFI, Tucker-Lewis <em>Index</em>-TLI, <em>Root Means Square Error of Approximation</em>-RMSEA e <em>Standardized Root Mean Residual</em>-SRMR), validade concorrente utilizando a versão brasileira da Trinity Amputation and Prosthesis Experience Scales - Revised (TAPES-R), além da consistência interna dos itens pelo alfa de Cronbach e estabilidade pelo <em>I</em><em>ntraclass Correlacion Coefficient </em>(ICC). Resultados: O SAT-PRO/Br e a TAPES-R apresentaram forte correlação em relação a validade concorrente. A estabilidade variou de 0,85 a 0,91 através do ICC. Os índices de modelo do ajuste apresentaram valores de CFI de 0,991, TLI de 0,989, RMSEA de 0,045 e o SRMR de 0,074. Observou-se uma boa consistência interna com alfa de Cronbach total de 0.91. Conclusão: As propriedades psicométricas deste estudo sobre o SAT-PRO/Br levam a concluir que esta versão é válida, confiável e apresenta boa consistência interna e estabilidade para ser aplicada em idosos brasileiros amputados de membro inferior.</p> Paulo José Barbosa Gutierres Filho, Diego Rodrigues Pimentel da Silva, Leonardo Dimas Ferreira, David Braga Lima, Jorge Manuel Gomes de Azevedo Fernandes, Rudney da Silva Copyright (c) 2022 Acta Fisiátrica https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/201063 Qua, 28 Dez 2022 00:00:00 -0300 Validade concorrente do Stroke Self-Efficacy Questionnaire Brazil (SSEQ-B) em brasileiros acometidos pelo acidente vascular cerebral https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/189166 <p>O Stroke Self-Efficacy Questionnaire Brazil (SSEQ-B) foi desenvolvido para avaliar a autoeficácia no desempenho funcional depois do Acidente Vascular Cerebral (AVC). Objetivo: avaliar a validação concorrente do SSEQ-B em sobreviventes brasileiros de AVC em relação a avaliações padrão áureo de atividades de vida diárias e instrumentais assim como a qualidade de vida pós-AVC. Métodos: A validação concorrente do SSEQ-B foi avaliada utilizando o Índice de Atividade Frenchay (FAI), o Índice de Barthel (BI) e a Qualidade de Vida pós-AVC (SS-QOL). As análises de estatística descritiva, índice de coeficiente Spearman’s, coeficiente de correlação intraclasse (ICC), alpha de Cronbach e potência post-hoc alcançada foram conduzidas. Resultados: Setenta e cinco sobreviventes de AVC com idade de 66.64 ± 12.97 anos foram incluídos neste estudo. A pontuação total do SSEQ-B foi correlacionada significativamente com o FAI (ICC= 0.8 / r= 0.72 / 1-ß= 1.0), BI (ICC= 0.68 / r= 0.68 / 1-ß= 0.99) e SS-QOL (ICC= 0.46 / r= 0.65 / 1-ß= 0.94), o que sugere que a autoeficácia de sobreviventes de AVC está associada com as atividades de vida diárias e instrumentais. Porém, há fraca correlação com a qualidade de vida desta amostra. Conclusão: O SSEQ-B exibe uma boa validação concorrente com as atividades de vida diárias e instrumentais e parece ser útil na avalição da autoeficácia em sobreviventes de AVC residentes no Brasil.</p> Pedro Henrique Deon, Bianca Pacheco Loss, Eliana da Silva Jaques, Janete de Souza Urbanetto, Marina Portugal Makhoul, Camila Torriani-Pasin, Régis Gemerasca Mestriner Copyright (c) 2022 Acta Fisiátrica https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/189166 Qua, 28 Dez 2022 00:00:00 -0300 Existe correlação entre atividade elétrica muscular e cerebral após treino com terapia de contensão do membro superior e tronco em sujeitos com acidente vascular encefálico? https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/168691 <p>Objetivo: Verificar se existe correlação entre excitabilidade central e periférica após o treino com a terapia de restrição induzida do movimento (TRIM) modificada associada a contensão de tronco para o membro superior parético após Acidente Vascular Encefálico (AVE). Métodos: Ensaio clínico controlado onde vinte e dois voluntários foram selecionados e randomizado em dois grupos: Grupo Controle (GC) e Grupo Experimental (GE). Eles foram avaliados por meio do eletroencefalograma (EEG) e da eletromiografia (EMG) de superfície. Os canais EEG analisados foram: Canal Ântero Frontal (AF3/AF4); Canal Frontal região medial (F7/F8); Canal Frontal região lateral (F3/F4); Canal Fronto Central (FC5/FC6); Região temporal (T7/T8); Região occipital (O1/O2). Os músculos analisados com EMG foram bíceps braquial, flexores e extensores de punho. As avaliações foram realizada durante a atividade, por dez minutos. O GE recebeu o treinamento com TRIM modificada uma hora por dia, duas semanas consecutivas. Resultados: O GC (pós-intervenção) apresentou correlação moderada negativa (r= -0,69; p= 0,02) do canal Fa com extensor de punho. O GE apresentou (pré-intervenção) correlação moderada negativa do canal AF (r= -0,68; p= 0,02) e FC (r= -0,71; p= 0,01) com flexor de punho. Na pós intervenção apresentou correlação positiva do canal Fa (r= 0,61; p= 0,04) com o extensor de punho. Conclusão: A TRIM modificada associada à contensão de tronco para o membro superior parético apresentou correlação positiva do canal Fa com o músculo extensor de punho e o grupo não treinado apresentou correlação negativa do canal Fa com extensor de punho.</p> Viviane Aparecida de Oliveira, Miqueline Pivoto Farias Dias, Aline de Paula Mendes, Adriana Teresa Silva Santos, Luciana Maria dos Reis, Andreia Maria Silva Vilela Terra Copyright (c) 2022 Acta Fisiátrica https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/168691 Qua, 28 Dez 2022 00:00:00 -0300 Comemoração do jubileu de ouro da Academia Brasileira de Medicina de Reabilitação - ABMR https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/205883 <p>Noticiamos com muita alegria o cinquentenário da Academia de Medicina de Reabilitação - ABMR, ocasião que todos os medicos Fisiatras prestam uma homenagem ao fundador reproduzindo a historia desta Academia nas palavra da Fisiatra Ana Valéria Araujo Leitão.</p> Ana Valéria Araujo Leitão Copyright (c) 2022 Acta Fisiátrica https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/205883 Qua, 28 Dez 2022 00:00:00 -0300