Invasões estrangeiras e formação do estado ao sul de Moçambique

  • Hector Guerra Hernandez Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Sul de Moçambique. Construção nacional. Tsonga– estratificação social. Burocratização dos tributos

Resumo

Este artigo se propõe indagar o processo de construção nacional, e o de modernização implícito nele, referidas ao sul de Moçambique. Parte do questionamento da tendência de uma certa historiografia europeia de querer ordenar o mundo africano à própria imagem, exemplificada na construção de uma identidade histórica imprecisa – “Tsonga” – sob um ideário nacional. Em seguida pretende-se estabelecer uma relação entre identidade étnica e condição social, sobretudo pensada a partir da primeira e parte da segunda metade do século XIX, levantando algumas hipóteses. Em primeiro lugar, que historicamente essa região caracterizou-se pela coexistência imbricada de duas formas econômicas: o comércio e a circulação voltada para o exterior, e as formas domésticas de reprodução e redistribuição. Em segundo lugar seria possível sugerir que os processos de diferenciação e estratificação social, derivados destas relações de produção e reprodução, sejam anteriores à ocupação efetiva dos portugueses (1895) e não a partir dela. Em terceiro lugar, a partir do processo que aqui se denomina de “burocratização dos tributos” iniciado após a ocupação efetiva por parte da administração colonial portuguesa, estes processos de diferenciação e estratificação social se tornariam processos de exclusão social e política

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2015-02-16
Como Citar
Guerra Hernandez, H. (2015). Invasões estrangeiras e formação do estado ao sul de Moçambique. África, (35), 19-55. https://doi.org/10.11606/issn.2526-303X.v0i35p19-55
Seção
Artigos