La philosophie dans le processus de democratisation en Afrique

Autores

  • Lou Bamba Faculté de Lettres. Université de Cocody. Abidjan, Côte d’Ivoire

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2526-303X.v0i29-30p33-49

Palavras-chave:

Filosofia, Democratização, África, Anos 90.

Resumo

Este artigo trabalha com a ideia de que a filosofia pode trazer sua contribuição no processo de democratização na África, pois, definida como forma de expressão livre e pública do pensamento, ela tem como missão refletir sobre a ordem natural, daí a preeminência do ser (homem). Por isso, sua contribuição intensiva e profunda reside na apreensão do sentido. Para o autor, um olhar sobre a história revela que há uma relação entre a filosofia e a democracia, uma vez que esta última, de modo geral, assenta na ideia de um direito natural ligado à natureza humana. Por causa do paradoxo que caracteriza a situação na África desde 1990 em termos de democracia, a filosofia tem como missão esclarecer os conceitos-chave do iceberg democrático: o sistema representativo, o direito ao voto, o estado de direito e o respeito pelos direitos humanos, concluindo que a filosofia deveria ser ensinada não apenas em todos os níveis de ensino, do básico ao superior, como também na formação profissional.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Publicado

2011-12-09

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

La philosophie dans le processus de democratisation en Afrique. África, [S. l.], n. 29-30, p. 33–49, 2011. DOI: 10.11606/issn.2526-303X.v0i29-30p33-49. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/africa/article/view/96105.. Acesso em: 19 jul. 2024.