Expansão mercantil em São Paulo: 'decadência' e 'vadiagem' nos discursos de memorialistas, viajantes e autoridades públicas, 1782-1822

Autores

  • Ana Paula Medicci USP; FFLCH; departamento de História; programa de pós-graduação

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1808-8139.v0i1p94-102

Palavras-chave:

São Paulo, vocabulário político, viajantes, agricultura, comércio, legislação

Resumo

A presente pesquisa discute a expansão da lavoura mercantil em São Paulo entre 1782 e 1822, com base na análise da legislação, de memórias de contemporâneos e da documentação e de relatórios, elaborados pelos governadores da Capitania. Para memorialistas e capitães generais, o aumento da produção comercializável dependia da implantação de novas práticas agrícolas que levassem os homens livres, especialmente os índios, a se ocuparem em rotinas de trabalho consideradas produtivas, diminuindo ao máximo o tempo "ocioso" dessa população. Daí, os principais temas do discurso memorialista e governamental serem a "decadência" de São Paulo e a necessidade de "restabelecer" sua povoação e agricultura, por meio da incorporação e do controle da mão-de-obra disponível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2005-05-01

Edição

Seção

Informes de pesquisas