Comunicação popular e comunitária como alternativa à imprensa londrinense: um estudo de caso da ocupação Flores do Campo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-1507.v22i2p66-83

Palavras-chave:

Comunicação popular e comunitária, Comunicação Comunitária, Ocupações urbanas, Ocupação Flores do Campo

Resumo

Em outubro de 2016, em Londrina (PR), centenas de famílias ocuparam o empreendimento “Jardim Flores do Campo” do Programa Minha Casa Minha Vida, cuja construção estava paralisada. Deste então, observou-se uma postura de depreciação, por uma parcela da imprensa, dos moradores do local. Neste quadro, formou-se um grupo que se inseriu na ocupação para realizar oficinas práticas de comunicação. Este estudo apresenta parte dos resultados obtidos a partir das oficinas; discorre sobre a ocupação Flores do Campo; apresenta as ideias da teoria de comunicação popular e comunitária; e faz um estudo de caso específico. Por meio deste estudo, percebemos a difusão de conteúdos que amplificaram a posição e voz dos moradores, com viés alternativo em relação à imprensa local; além da criação de um canal próprio da ocupação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alana Nogueira Volpato, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Estadual Paulista (Unesp), bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), processo nº 2019/00781-9. Mestre em Comunicação, Especialista em Comunicação Popular e Comunitária e Bacharel em Comunicação Social - Relações Públicas pela Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Gabriel Pansardi Ruiz, Faculdade Pitágoras de Londrina

Jornalista pela Universidade Julio de Mesquita Filho (UNESP/Bauru), especialista em Comunicação Popular e Comunitária pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) e mestrando no Programa de Pós-graduação em Comunicação da UEL. É docente do Departamento de Publicidade e Propaganda da Faculdade Pitágoras de Londrina (PR).

Referências

BOULOS, Guilherme. Por que ocupamos? Uma introdução à luta dos sem-teto. São Paulo: Scortecci. 2012.

BOULOS, Guilherme. De que lado você está?: reflexões sobre a conjuntura política e urbana no Brasil. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2015.

MIANI, Rozinaldo. Os pressupostos teóricos da comunicação e sua condição de alternativa política ao monopólio midiático. Intexto, Porto Alegre, UFRGS, v. 2, n. 25, p.221-223, dez. 2011. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/intexto/article/viewFile/16547/14492.

PELOSO, Ranulfo. Trabalho de base: seleção de roteiros organizados pelo Cepis/ Ranulfo Peloso (org.) 1.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

PERUZZO, Cicília M. K. Desafios da Comunicação Popular e Comunitária na Cibercultur@: Aproximação à proposta de Comunidade Emergente de Conhecimento Local. In: Ciberlegenda, v. 2, n. 25, Rio de Janeiro, 2011. Disponível: http://www.ciberlegenda.uff.br/index.php/revista/article/viewFile/488/285. Acesso em: 30 maio 2018.

ROLNIK, Raquel. Guerra dos lugares: a colonização da terra e da moradia na era das finanças. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2015.

RUIZ, Gabriel Pansardi. A comunicação popular e comunitária e o midiativismo em ação em uma ocupação urbana: a ocupação Flores do Campo – Londrina (PR). 142. Trabalho de Monografia de Pós Graduação em Comunicação Popular e Comunitária – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2018.

Downloads

Publicado

2020-07-15

Como Citar

Volpato, A. N., & Ruiz, G. P. (2020). Comunicação popular e comunitária como alternativa à imprensa londrinense: um estudo de caso da ocupação Flores do Campo. Revista Alterjor, 22(2), 66-83. https://doi.org/10.11606/issn.2176-1507.v22i2p66-83

Dados de financiamento