Mídia Ninja e a comunicação contra-hegemônica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-1507.v24i2p182-198

Palavras-chave:

Mídia Ninja, Mídia Alternativa, Hegemonia, Contra-hegemonia, Teoria do Enquadramento

Resumo

A Mídia NINJA (Narrativas Independentes, Jornalismo e Ação) se propõe a fazer jornalismo, focando em narrativas do ponto de vista do ativista, militante, ou do popular, com objetivo de dar voz e visibilidade aos que não tem. A pergunta principal é: o coletivo Mídia Ninja se considera como uma comunicação contra-hegemônica? As metodologias utilizadas são entrevistas semiestruturadas e a observação participante. Algumas considerações são que: a Mídia Ninja e a mídia tradicional apresentam diferentes versões da realidade, ou diferentes enquadramentos e que para construir uma narrativa contrária e contra-hegemônica, tem que haver uma narrativa hegemônica para ser desmontada, sendo a relação entre a Mídia Ninja e a mídia tradicional dialógica e interdependente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ian Rebouças de Andrade, Universidade Estadual do Ceará. Programa de Pós-Graduação em Sociologia

Possui graduação em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pela Universidade de Fortaleza (2015) e mestrado em Sociologia pela Universidade Estadual do Ceará (2020). Cursa Licenciatura Letras Espanhol na Universidade Federal do Ceará. Foi Pesquisador Bolsista da FUNCAP - Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (2018-2020). Foi eleito para exercer representação discente do Mestrado (PPGS/UECE), pela portaria Nº 3, de 19 de junho de 2018 (junho de 2018 a junho de 2019). Realizou estágio voluntário na disciplina de Antropologia da Comunicação no curso de Jornalismo na UNIFOR e realizou estágio obrigatório na disciplina de Ciências Políticas II no curso de Ciências Sociais na UECE. Desde 2016 integra o grupo de pesquisa Mídia, Política e Cultura (PPGCOM/UFC).Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Teorias da Comunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, ativismo, etnografia, cidadania e mídia alternativa.

Márcia Vidal Nunes, Universidade Federal do Ceará

Graduação em Comunicação Social pela Universidade Federal do Ceará (1983), Mestrado em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (1991) e Doutorado em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (1998). Atualmente é professora titular aposentada, atuando como professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Ceará, através do PROPAP/UFC (Programa Especial de Participação de Professores Aposentados da UFC), trabalhando, principalmente, com os seguintes temas: mídia, radiojornalismo, cidadania, políticas públicas e movimentos sociais.

Referências

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. 52. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2017. 116p

CARVALHO, Carlos Alberto de. O enquadramento como conceito desafiador à compreensão do jornalismo. In: XIV CONGRESSO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO NA REGIÃO SUDESTE, 14., 2009. Rio de Janeiro, Anais... Rio de Janeiro: [s.n.], 2009

COUTINHO, Carlos Nelson. Gramsci: um estudo sobre seu pensamento político. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

COUTINHO, Carlos Nelson; TEIXEIRA, Andréa de Paula. Ler Gramsci, entender a realidade. Organização e apresentação Carlos Nelson Coutinho, Andréa de Paula Teixeira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

COUTINHO, Eduardo Granja. A comunicação do oprimido e outros ensaios. Rio de Janeiro: Mórula, 2014.

DOWNING, John D. H. Mídia Radical: rebeldia nas comunicações e movimentos sociais. John D. H. Downing com a colab. de Tamara Villarreal Ford, Genève Gil, Laura Stein; Tradução de Silvana Vieira. 2. ed. São Paulo: Senac de São Paulo, 2004

GEERTZ, Clifford. Do ponto de vista dos nativos: a natureza do entendimento antropológico. In: GEERTZ, Clifford. O Saber Local. Petrópolis: Vozes, 1997

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Edição e tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999b. vol. 3.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Edição e tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. vol. 4.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Edição e tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999a. vol. 1.

GRAMSCI, Antonio. Hegemonia, Guerra de Movimento, Guerra de Posição. In: COUTINHO, Carlos Nelson. (ORG.) O Leitor de Gramsci: escritos escolhidos 1916-1935. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011

GRAMSCI, Antonio. Maquiavel, a política e o Estado Moderno. Tradução de Luiz Mário Gazzaneo. 4a Edição. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1980

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da Cultura. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968

GRUPPI, Luciano. Conceito de Hegemonia em Gramsci. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Apresentação de Luiz Werneck Vianna. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1978

MAQUIAVEL, Nicolau. O Príncipe. Tradução de Maria Júlia Goldwasser; Revisão da tradução Zelia de Almeida Cardoso. 4. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

MARTINO, Luís Mauro Sá. Teoria da comunicação: ideias, conceitos e métodos. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. p. 46-49

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2010

MORAES, Dênis de. Comunicação, Hegemonia E Contra-hegemonia: A Contribuição Teórica De Gramsci. Revista Debates, Porto Alegre, v.4, n.1, p. 54-77, jan.-jun, 2010.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do Jornalismo, porque as notícias são como são. 2. ed. Florianópolis: Insular, 2005, 224 p.

Downloads

Publicado

2021-08-02

Como Citar

Andrade, I. R. de, & Nunes, M. V. (2021). Mídia Ninja e a comunicação contra-hegemônica. Revista Alterjor, 24(2), 182-198. https://doi.org/10.11606/issn.2176-1507.v24i2p182-198