NOVA CLASSE MÉDIA UM PÚBLICO COM 17 NOMES DIFERENTES PARA O GOVERNO FEDERAL: O CASO DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E DOS IMPASSES COMUNICACIONAIS CRIADOS PELA POLÍTICA PÚBLICA DE COMUNICAÇÃO (SECOM/PR) E DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS (SAE/PR) (2011-2016)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-1507.v28i2p728-762

Palavras-chave:

Comunicação Estratégica. Comunicação Organizacional. CAIXA. Nova Classe Media. Políticas Públicas., Comunicação Estratégica, Comunicação Organizacional, CAIXA, Nova Classe Media, Políticas Públicas

Resumo

durante o governo Dilma Rousseff (2011-2016), a CAIXA visava ser o banco da Nova Classe Média. Em uma abordagem sistêmico-discursiva, na qual a organização é entendida como discurso feito ante a um público, percebe-se que Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE/PR), Secretaria de Comunicação (SECOM/PR) e CAIXA designavam a Nova Classe Média de modos díspares e não-alinhados estrategicamente, do ponto de vista comunicacional. A partir do estudo exploratório, qualitativo, documental de 10 ações estratégicas, táticas e operacionais o artigo identifica ocorrência de 17 outras denominações para este público de Nova Classe Média. Essa confusão se dá pelo fato dos conceitos de “classe” em Filosofia Política e de “classe média” em Sociologia serem um tanto controversos e de difícil aplicação em gestão. Além disso, fusões com a ideia de “classe econômica” (A, B, C, D, E) e neologismos adotados por gestores de políticas públicas criaram um cenário comunicacional confuso, no qual, o banco e o Estado tentavam dialogar com um público chamando-o por diversos nomes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabíola de Araújo Machado, Universidade Católica de Brasília

Mestre em Comunicação (2015, UCB), especialista em Gestão Estratégica da Comunicação (2011, PUCMinas) e profissional de Turismo (2008, PUCMinas). Funcionária da Gerência de Publicidade e Propaganda (GEPUP), Diretoria de Marketing e Comunicação (DEMAC). É a primeira funcionária da Caixa Econômica Federal, no país, a receber financiamento da instituição para cursar mestrado stricto sensu em Comunicação, na condição de bolsista. Sendo a tradição no setor bancário ser de financiamento apenas para bolsas em mestrado profissional nas áreas de Administração, Economia, Direito, Contabilidade e Tecnologia da Informação.

Robson Dias, Universidade Católica de Brasília

Jornalista, mestre e doutor em Comunicação. Professor e pesquisador do mestrado em Comunicação da Universidade Católica de Brasília (PPGCOM/UCB), linha Processos Comunicacionais nas Organizações. Líder do grupo Prêmios, Indicadores e Estratégias em Comunicação. http://lattes.cnpq.br/8069653382475080http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2838034439891860

 

Victor Márcio Laus Reis Gomes, Universidade Católica de Brasília

Publicitário, mestre em Administração e doutor em Comunicação. Professor e pesquisador do PPGCOM/UCB, linha Processos Comunicacionais nas Organizações. Líder do grupo de pesquisa: Núcleo de Estudos Comunicacionais da Estratégia (ESTRACOM).

João José de Azevedo Curvello, Universidade Católica de Brasília

Jornalista, mestre e doutor em Comunicação. Professor e pesquisador do curso de Comunicação Organizacional (UnB) e da linha de Teorias e Tecnologias de Comunicação (PPGFAC/UnB). Líder do grupo de Pesquisa em Comunicação Organizacional e Pensamento Sistêmico (COMSiS).

Referências

Brasil. (1969). Decreto nº 759, de 12 de agosto de 1969. Autoriza o Poder Executivo a constituir a empresa pública Caixa Econômica Federal e dá outras providências.

Brasil. (1999). Decreto 3.296, de 16 de dezembro de 1999. Dispõe sobre a comunicação social do Poder Executivo Federal. Presidência da República.

Caixa Econômica Federal. (2012). Relatório da Administração. Recuperado de http://caixa.gov.br/Downloads/caixa-demonstrativo-financeiro/Relatorio_da_Administracao_2014.pdf.

Caixa Econômica Federal. (2012). Relatório de Sustentabilidade. Recuperado de http://www.caixa.gov.br/Downloads/caixa-relatorio-sustentabilidade/Relatorio_de_Sustentabilidade_CAIXA_2012.pdf.

Caixa Econômica Federal. (2014). Relatório de Sustentabilidade. Recuperado de http://www.caixa.gov.br/Downloads/caixa-relatorio-sustentabilidade/Relatorio_de_Sustentabilidade_2014.pdf.

Caixa Econômica Federal. (2014). Código de Conduta dos Empregados. Recuperado de http://www.caixa.gov.br/Downloads/caixa-codigo-conduta-empregados-caixa/Codigo_Conduta_Empregados.pdf.

Caixa Econômica Federal. (2015). Governança Corporativa. Recuperado de http://caixa.gov.br/Downloads/caixa-governanca/caixa_governanca_corporativa2407.pdf.

Caixa Econômica Federal. (2015). Universidade Caixa. Recuperado de http://universidade.caixa.gov.br/.

Curvello, João José Azevedo. (2001). Autopoiese, Sistema e Identidade: a comunicação organizacional e a construção de sentindo em um ambiente de flexibilização nas relações de trabalho (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Curvello, João José Azevedo; SCROFERNEKER, Cleusa Maria Andrade. (2008). A comunicação e as organizações como sistemas complexos: uma análise a partir das perspectivas de Niklas

Luhmann e Edgar Morin. E-Compós (Brasília), v. 11, pp. 1-16.

Gomes, Vitor Márcio Laus Reis. (2014). Uma leitura comunicacional da estratégia na perspectiva sistêmico-discursiva. (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Kunsch, Margarida. (2003). Planejamento de relações públicas na comunicação integrada. 4. edição. São Paulo: Summus.

Lima, Fábia Pereira. (2014). A dimensão comunicacional da estratégia: a estratégia organizacional como prática comunicativa na Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Luhmann, Niklas. (2010). Introdução à teoria dos sistemas. 2. ed. Petrópolis: Vozes.

Luhmann, Niklas. (2006). A improbabilidade da comunicação. Lisboa: Vega.

Machado, Fabíola. (2015). A comunicação estratégica e a rede de decisão nas organizações: um estudo sobre a CAIXA e a Nova Classe Média. (Dissertação de Mestrado). Universidade Católica de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Maturana, Humberto; Varela, Francisco. (1995). A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. Campinas: Psy II.

Mills, Charles Wright. (1979). A Nova Classe Média. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Neri, Marcelo. (2010). A Nova Classe Média: lado Brilhante dos Pobres. Rio de Janeiro: FGV/CPS.

Neri, Marcelo. (2011). A Nova Classe Média: o lado brilhante da base da pirâmide. São Paulo: Saraiva.

Pochmann, Marcio. (2014). O mito da grande classe media: capitalismo e estrutura social. São Paulo: Boitempo Editorial.

Portal Brasil. (2014). Marcelo Neri debate classe média no Fórum Mundial. Recuperado de http://www.brasil.gov.br/governo/2014/04/marcelo-neri-debate-classe-media-no-forum-mundial

Rodrigues, Leo Peixoto; Neves, Fabrício Monteiro. (2012). Niklas Luhmann: A sociedade como sistema. Porto Alegre: Edipucrs.

Santos, Amanda Viviam. (2013). A controvérsia acerca do surgimento de uma Nova Classe Média no Brasil: uma interpretação com base teórica. (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Secretaria de Assuntos Estratégicos. (2014). Social e Renda A Classe Média Brasileira. – nº 1 (nov. 2014) – Brasília: Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República.

Secretaria de Assuntos Estratégicos. (2012). Vozes da Nova Classe Média. – Edição Marco Zero (set. 2012) – Brasília: Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República.

Secretaria de Comunicação Social. (2014). Relatório de Gestão do exercício 2013. Presidência da República.

Secretaria de Comunicação Social. (2013) Relatório de Gestão do exercício 2012. Presidência da República.

Wright, E. O. (1985). Classes. London: Verso.

Downloads

Publicado

2023-10-16

Como Citar

Machado, F. de A., Dias, R., Gomes, V. M. L. R. ., & Curvello, J. J. de A. . (2023). NOVA CLASSE MÉDIA UM PÚBLICO COM 17 NOMES DIFERENTES PARA O GOVERNO FEDERAL: O CASO DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E DOS IMPASSES COMUNICACIONAIS CRIADOS PELA POLÍTICA PÚBLICA DE COMUNICAÇÃO (SECOM/PR) E DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS (SAE/PR) (2011-2016). Revista Alterjor, 28(2), 728-762. https://doi.org/10.11606/issn.2176-1507.v28i2p728-762