Vogue, logo, existo

A comunicação política-corporificada da Ballroom

Autores

  • Aleson Lima Gomes Estevam UnB - Universidade de Brasília
  • Elen Geraldes

Palavras-chave:

Ballroom, Comunicação, Corpo, Subversão, Existência

Resumo

Este artigo busca debater condições para uma comunicação subversiva de normas hegemônicas presentes na sociedade, tentando responder à questão: Como os corpos dos e das participantes da cultura Ballroom se comunicam? Ao utilizar os recursos metodológicos da entrevista em profundidade e com o aporte teórico de Judith Butler, Hannah Arendt, Jesús Martín-Barbero e Roque Laraia, conclui-se que, nessa cultura, há um corpo comunicativo político. Pensar Ballroom é pensar em falas corpóreas que demandam seus locais de direito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aleson Lima Gomes Estevam, UnB - Universidade de Brasília

Estudante de Comunicação Social com habilitação em Comunicação Organizacional na Universidade de Brasília.

Elen Geraldes

Jornalista, Mestra em Comunicação, Doutora em Sociologia, Pós-doutora em Ciência da Informação. Professora do curso de Comunicação Organizacional da Universidade de Brasília.

Referências

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

BAILEY, Marlon M. Butch Queens Up in Pumps: Gender, Performance, and Ballroom Culture in Detroit. University of Michigan Press, 2013.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019.

Chatzipapatheodoridis, C. Strike a pose, forever: The legacy of vogue and its recontextualization in contemporary camp performances. European Journal of American Studies, 2017.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 14. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

SANTOS, Henrique Cintra. A transnacionalização da cultura dos Ballrooms. 2018. 1 recurso online (180 p.). Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/331699>. Acesso em: 3 set. 2018.

SODRÉ, Muniz. Do lugar de fala ao corpo como lugar de diálogo: raça e etnicidades numa perspectiva comunicacional. Entrevistador: Roberto Abib. RECIIS - Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, p. 877-886, out./dez. 2019. Entrevista concedida à RECIIS - Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde.

DANTAS, J. G. D. Teoria das mediações culturais: uma proposta de Jesús Martín-Barbero para o estudo de recepção. In: Congresso De Ciências Da Comunicação Na Região Nordeste. São Luís: Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 2008. Disponível em: <http://www.intercom.org.br/papers/regionais/nordeste2008/resumos/R12-0015-1.pdf>

RONSINI, Veneza V. Mayora. A perspectiva das mediações de Jesús Martín-Barbero (ou como sujar as mãos na cozinha da pesquisa empírica de recepção). In: XIX Encontro da Compós. Rio de Janeiro: PUC-RJ, 2010. Disponível em: <http://compos.com.puc-rio.br/media/gt12_veneza_ronsini.pdf>

História e teoria queer / Miguel Rodrigues de Sousa Neto; Aguinaldo Rodrigues Gomes (orgs.) 1 edição / Salvador, BA: Editora Devires, 2018.

LIVINGSTON, Jennie. Paris Is Burning. Burbank: Miramax Home Entertainment, 2005. RIGGS, Marlon. Tongs Untied. Documentário, 55m, EUA, 1989.

Downloads

Publicado

2021-06-28

Como Citar

Estevam, A. L. G., & Geraldes, E. (2021). Vogue, logo, existo: A comunicação política-corporificada da Ballroom. Anagrama, 15(1). Recuperado de https://www.revistas.usp.br/anagrama/article/view/186046