A Censura contra a Paulistanidade: a atuação do Departamento de Diversões Públicas sobre a peça Este Ovo é um Galo

  • Eliza Bachega Casadei Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes
Palavras-chave: Censura, Teatro, Nacionalismo, Regionalismo, Legitimação Histórica

Resumo

A História constantemente serviu como um instrumento para legitimar situações presentes. Baseado, normalmente, mais em anacronismos do que em mentiras, como salienta Eric Hobsbawn, a apropriação da História para a legitimação de situações presentes é tanto mais perigosa porque passa a ser propagada em livros escolares e produtos culturais. É a partir dessa ótica que iremos analisar, no presente artigo, a intervenção da censura na peça Este Ovo é um Galo, de Lauro César Muniz, que passou pelo Departamento de Diversões Públicas do Estado de São Paulo, em 1959. Ao explorar as tradições simbólicas da Revolução de 1932, a peça se torna alvo da censura, em uma época em que o elogio à nacionalidade estava em voga. A censura posiciona-se, portanto, cortando os elementos que ressaltem a paulistanidade

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliza Bachega Casadei, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes
Graduanda em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e Bolsista de Iniciação Científica do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Publicado
2009-03-18
Como Citar
Casadei, E. (2009). A Censura contra a Paulistanidade: a atuação do Departamento de Diversões Públicas sobre a peça Este Ovo é um Galo. Anagrama, 1(3), 1-11. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/anagrama/article/view/35312
Seção
Artigos