Memória nos trilhos: o patrimônio ferroviário e sua contribuição às práticas preservacionistas brasileiras na década de 1980

Autores

  • Lucina Matos Fundação Oswaldo Cruz

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672020v28d2e27

Palavras-chave:

Patrimônio ferroviário, Democracia, Associação de Preservação Ferroviária, Preserve

Resumo

Este artigo contém reflexões sobre o processo de valorização e reconhecimento do patrimônio cultural ferroviário, emergente ao longo dos anos de 1980, interpretando-o como elemento importante na estruturação do direito à cultura, à identidade e ao patrimônio
nacional. O texto apresentado está embasado em pesquisas sobre o passado ferroviário e seu deslocamento de objeto de ações restritas a comemorações festivas para a sua encampação como política pública. Apresenta, de modo sucinto, a análise do Programa de Preservação do Patrimônio Histórico (Preserve) e das associações de preservação
ferroviárias (APFs). Duas iniciativas contemporâneas que auxiliaram na consolidação de uma sistemática de cobrança de proteção e preservação da memória ferroviária ao Estado,
disputando lugar na cena dos monumentos históricos, artísticos e culturais valorados como bens nacionais. O alcance do reconhecimento público e social desses bens é assunto de interesse recente pela academia, no entanto, se tornou um segmento importante de
investigação. Este trabalho auxilia no avanço da compreensão sobre o tema e também em relação ao período significativo na consolidação da democracia na sociedade brasileira.
Utilizou como fonte documentos oficiais do Preserve e amplo levantamento sobre as APFs,
apresentando aqui recorte sobre a Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF), no cenário dos novos movimentos sociais que surgiram no período.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Lucina Matos, Fundação Oswaldo Cruz

    Pós-Doutora em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp). Doutora em História, Política e Bens Culturais. Mestra em História, Política e Bens Culturais pelo Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil da Fundação Getulio Vargas (CPDOC/FGV). Possui especialização em Administração e Supervisão Escolar – Faculdade Plínio Leite, e graduação em Arquivologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Atualmente é tecnologista em saúde pública da Fundação Oswaldo Cruz.

Referências

FONTES IMPRESSAS

BRASIL. Ministério dos Transportes. Portaria n. 292, de 24 de abril de 1980. Diário Oficial da

União, Brasília, DF, 29 abr. 1980. Seção 2, p. 28.

BRASIL. Ministério dos Transportes. Diretriz para a instalação de centros de preservaçãoo da

história ferroviária. Rio de Janeiro: Preserve/RFFSA, 1981a.

BRASIL. Ministério dos Transportes. Museu Ferroviário de São João Del Rei: 1º Centenário da

Estrada de Ferro Oeste de Minas, 1881-1981. Rio de Janeiro, PREERVE/RFFSA/SR-2, 1981b.

BRASIL. Ministério dos Transportes. Catálogo Ceará. [S. l.: s. n.], 1982a.

BRASIL. Ministério dos Transportes. Catálogo Curitiba. [S. l.: s. n.], 1982b.

BRASIL. Ministério dos Transportes. Museu do trem. Recife, PRESERVE/RFFSA/SR-1, 1982c.

BRASIL. Ministério dos Transportes. Catálogo Rio. [S. l.: s. n.], 1984.

BRASIL. Ministério dos Transportes. Relatório de atividades 1980-1984. Brasília, DF: Preserve/CCP, 1985a.

BRASIL. Ministério dos Transportes. Catálogo Rio Grande do Sul. [S. l.: s. n.], 1985b.

BRASIL. Rede Ferroviária Federal S.A. Relatório de Atividades 1980-1989. Brasília, PRESERVE/CCP, 1989.

BRASIL. Lei nº 11.483, de 31 de maio 2007. Dispõe sobre a revitalização do setor ferroviário, altera dispositivos da Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 31 de maio 2007. Disponível em: <https://bit.ly/3eSyboa>. Acesso em: 20 ago. 2019.

LIVROS, ARTIGOS E TESES

ASSOCIAÇÃO DE ENGENHEIROS FERROVIÁRIOS. Trabalho apresentado no X seminário sobre preservação e revitalização ferroviária, realizado no dia 28 nov. 2008. Jornal Aenfer, ano XII, n. 126, nov./dez. p. 10, 2008.

COELHO, Franco. A viagem histórica da caravana Ver de Trem para a Eco 92. [on-line] [s. d.]

Disponível em: <https://bit.ly/2Y8kQRQ>. Acesso em: 20 ago. 2019.

FONSECA, Maria Cecilia Londres. Da modernização à participação: a política federal de

preservação nos anos 70 e 80. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Iphan,

n. 24, p. 153-163, 1996.

GIL, Izabel Castanha. Cooperação, competição e resistência nas associações de municípios:

a AMNAP e o desenvolvimento regional da Nova Alta Paulista. Revista Nera, Presidente Prudente, ano 11, n. 12, jan./jun. 2008, p. 31-56.

GONCALVES, Jose Reginaldo S. A retórica da perda: os discursos do patrimônio cultural no

Brasil. Rio de Janeiro: URFJ/Ministério da Cultura/Iphan, 1996.

HARTOG, Francois. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo

Horizonte: Autêntica, 2013. (Coleção história e historiografia).

HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

JACOB, Chafic. Ferrovia, o caminho certo: panorama das estradas de ferro nos países de

economia liberal e dirigida. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1982.

LADEIRA, Rubem. Entrevista. Rio de Janeiro. Associação de Engenheiros Ferroviários. Jornal

Aenfer, ano XIII, n. 128, abr./maio, p. 4-5, 2009.

MATOS, Lucina Ferreira. Estação da Memória: um estudo das entidades de preservação

ferroviária do Estado do Rio de Janeiro. 2010. Dissertação (Mestrado em História, Política e

Bens Culturais) – Escola de Ciências Sociais, Fundação Getulio Vargas, Rio de Janeiro, 2010.

MATOS, Lucina Ferreira. Memória ferroviária: da mobilização popular à política pública de

patrimônio. 2015. Tese (Doutorado em História, Política e Bens Culturais) – Escola de Ciências

Sociais, Fundação Getulio Vargas, Rio de Janeiro, 2015.

MATOS, Lucina Ferrreira. A entrada da Rede Ferroviária no campo da preservação do patrimônio público nacional. Revista CPC, v. 14, n. 27, p. 86-113, 2019.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. A História, cativa da memória? Para um mapeamento da memória no campo das Ciências Sociais. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 34, 1992.

OLIVEIRA, Eduardo Romero de. O centenário da ferrovia brasileira (1954): ensaio sobre a elaboração da memória ferroviária no Brasil. Espaço e Geografia, p. 675-717, 2013. Disponível em: <https://bit.ly/2MAzb4k>. Acesso em: 10 ago. 2019.

OLIVEIRA, Junia. Patrimônio: história volta aos trilhos. O Estado de Minas. 14 dez. 2009. Disponível em: <https://bit.ly/2UhdIBz>. Acesso em: 15 set. 2019.

PAULA, Dilma Andrade de. Fim de Linha: A extinção de ramais da Estrada de Ferro Leopoldina (1955-1974). 2000.

PILCHER, Steve. Changing atitudes to the conservation of England’s railway heritage. In: BURMAN, Peter; STRATTON, Michael. Conserving the Railway Heritage. London: E&FN Spon, 1997, p. 133.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, 1989, p. 3-15.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, 1992, p. 200-212.

REIS, Elisa P. Introdução. In: REIS, Elisa P. (Org). In: ONGs: novos vínculos entre a sociedade e o Estado. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2013, pp. 51-82.

RODRIGUEZ, Hélio Suêvo. A formação das estradas de ferro no Rio de Janeiro: Resgate de sua memória. Rio de Janeiro: Memória do trem, 2004.

SAMPAIO, Antônio José Pedral. Rede Ferroviária Federal S.A. Passado e Presente, nº 1 dez., 1987.

SCHOPPA, Renê Fernandes. A ferrovia é viável. Rio de Janeiro: JMB Editores, 1985.

SCHOPPA, Renê Fernandes. 150 anos do trem no Brasil. Rio de Janeiro: Edição do autor, 2008.

SITES

AMERICAN HERITAGE RAILWAYS. Train history. Durango. Disponível em: <http://www.durangotrain.com>. Acesso em: 20 ago. 2019.

SANTOS, Welber Luiz dos. Ordem e desordem contra bens culturais ferroviários. Blog Trilhos do Oeste. 2013. Disponível em: <https://bit.ly/2MzLzRX>. Acesso em: 15 set. 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-14

Edição

Seção

ECM/Dossiê: Democracia, Patrimônio e Direitos: a década de 1980 em perspectiva

Como Citar

MATOS, Lucina. Memória nos trilhos: o patrimônio ferroviário e sua contribuição às práticas preservacionistas brasileiras na década de 1980. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 28, p. 1–21, 2020. DOI: 10.1590/1982-02672020v28d2e27. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/164805.. Acesso em: 21 jul. 2024.