Cultura material e práticas sociais no Caminho do Viamão: paisagens toponímicas, arqueologia do cotidiano das viagens, perfil e bagagem dos tropeiros (séculos XVIII e XIX)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672021v29d1e18

Palavras-chave:

Arqueologia da paisagem, Cultura material, Geografia retrospectiva, Caminho do Viamão, Toponímia, Cotidiano dos tropeiros

Resumo

Este artigo versa sobre métodos de leitura da paisagem e da cultura material, com foco na Carta geographica de projeção espherica da Nova Lusitânia ou América Portugueza e Estado do Brazil (1797), entrecruzada com relatos de práticos, engenheiros militares, naturalistas, pintores viajantes e maços de população coevos. De perfil arqueológico-filológico e em busca dos vestígios de uma fenomenologia dos modos de ser e estar em escala macrorregional, este artigo envereda pelo estudo da toponímia e preocupa-se em desvelar camadas de tempo, descrever e contextualizar dinâmicas, lógicas antrópicas de enraizamento e de mobilidade, fluxos em caminhos e rios nas suas possibilidades e dificuldades de comunicação. O Caminho do Viamão é aqui um pretexto para exercitar o que chamamos de Arqueologia da Paisagem, além de permitir espacializar territorialidades interimperiais analisadas do ponto de vista de suas dinâmicas cotidianas, com foco na cultura material e nas práticas sociais em suas
interfaces com aspectos geomorfológicos e fitofisionômicos. No artigo, essa paisagem cultural
é analisada em sua pluralidade, natural e antrópica, por meio de fontes primárias do século XVIII e dos primórdios do XIX, descrevendo-se o dia a dia das comitivas, o perfil social dos viajantes e o que havia na bagagem dos tropeiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Piccolotto Siqueira Bueno, Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Graduada em história pela Universidade de São Paulo (USP) e em artes plásticas pela Fundação
Armando Álvares Penteado (Faap). Doutora e livre-docente em arquitetura e urbanismo pela USP. Desde 2002 leciona as disciplinas de História da Urbanização e do Urbanismo no Departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP (FAU-USP), onde atualmente é professora associada. Bolsista Produtividade em Pesquisa do CNPq PQ 2, desde 2012. Atualmente desenvolve o projeto de pesquisa “Sig Histórico e canteiro em foco: paisagem urbana e arquitetura do Escritório Técnico Ramos de Azevedo, Severo & Villares” – Processo: 311861/2019-9 (2020 a 2023). E-mail: beatrizbueno@usp.br

Alice Pereira Barreto, Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Graduanda em arquitetura e urbanismo pela FAU-USP, bolsista de iniciação científica (CNPq/Pibic).
E-mail: alicepbarreto@usp.br

Guilherme Silvério Dias, Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Graduando em arquitetura e urbanismo pela FAU-USP, bolsista de iniciação científica (CNPq/Pibiti).
E-mail: guilherme.silverio.dias@usp.br

Referências

FONTES MANUSCRITAS

CABRAL, de José Antônio Teixeira. Estatística da Imperial Província de São Paulo: tomo I: 1827. São Paulo: Edusp, 2009. Edição Fac-similar de documento da Biblioteca Mindlin.

ITINERÁRIO da Cidade de Sam Paulo para o Contin.te de Viamão, feito por um Pratico, 1773. Biblioteca Mário de Andrade, São Paulo.

LISTAS Nominativas das vilas de Lages, Santo Antônio das Lapas, Curitiba, Castro, Itapetininga e Sorocaba, 1798, 1799, 1800, 1801, 1802, 1803, 1804. Arquivo do Estado de São Paulo.

ROTEIRO que se fez do caminho do sertão que principia da Patrulha onde se acha o Curral da Contagem, pegado ao rio do Sino, para entrar a subir a Serra e seguir para Curitiba e São Paulo no ano de 1745. Dimensão: 33cm × 21cm. Acervo da Seção de Obras Raras da Biblioteca Mário de Andrade, São Paulo. Projeto, ou plano ajustado por Ordem de […] D. Luís Antônio de Souza & o Brigadeiro José Custódio de Sá e Faria, 1772. Biblioteca Mário de Andrade, São Paulo.

FONTES CARTOGRÁFICAS

CARTA Geographica de Projeção Espherica da Nova Lusitânia ou América Portugueza e Estado do Brazil. Lisboa: Direcção dos Serviços de Engenharia, [1797]. 1 mapa em 16 folhas coladas: ms., color.; 199 × 202 cm. Escala ca. 1:2.600.000.

FONTES ICONOGRÁFICAS

ALENCAR, Vera Maria Abreu de (coord.). Castro Maya colecionador de Debret. Rio de Janeiro: Capivara, 2003.

DEBRET, Jean-Baptiste. Quarenta paisagens inéditas do Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Santa Catarina. São Paulo: Nacional, 1970.

DEBRET, Jean-Baptiste. Voyage pittoresque et historique au Brésil. Paris: Firmin Didot Frères, 1834-1839.

LAGO, Pedro Corrêa do; BANDEIRA, Julio. Debret e o Brasil: obra completa, 1816-1831. Rio de Janeiro: Capivara, 2007.

FONTES IMPRESSAS

AVÉ-LALLEMANT, Robert. Viagens pelas províncias de Santa Catarina, Paraná e São Paulo (1858). São Paulo: Itatiaia, 1980.

AVÉ-LALLEMANT, Robert. Viagem pelo Sul do Brasil no ano de 1858. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1953.

BIGG‐WITHER, Thomas. Novo caminho no Brasil Meridional: a província do Paraná, três anos de vida em suas florestas e campos, 1872‐1875. Rio de Janeiro: José Olympio, 1974.

SAINT-HILLAIRE, Augusto de. Viagem a Curitiba e província de Santa Catarina (1816-1822). São Paulo: Itatiaia, 1978.

SAINT-HILLAIRE, Auguste de. Viagem à província de São Paulo (1822). São Paulo: Itatiaia, 1976.

LIVROS, ARTIGOS E TESES

AB’SÁBER, Aziz Nacib. Tempos e espaços na mira de um historiador. In: D’INCAO, Maria Angela (org.). História e ideal: ensaios sobre Caio Prado Junior. São Paulo: Unesp, 1989. p. 407-418.

ARAÚJO, Maria Lucília Viveiros. Os caminhos da riqueza dos paulistanos na primeira metade do Oitocentos. São Paulo: Hucitec, 2006.

ARRAES, Damião Esdras Araújo. Ecos de um suposto silêncio: paisagem e urbanização dos “certoens” do Norte, c. 1666-1820. 2017. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

BAPTISTA, Anna Paola. Debret: viagem ao Sul do Brasil. Brasília, DF: Caixa Cultural, 2012.

BAYÓN, Damián. Pensar con los ojos: ensayos de arte latinoamericano. 2. ed. México, DF: Fondo de Cultura Económica, 1993.

BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BORSOI, Diogo Fonseca. Cidades em processo: arqueologia da paisagem de São Luiz do Paraitinga no contexto da urbanização de São Paulo. 2020. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2020.

BORSOI, Diogo Fonseca. Traços do cotidiano: Cunha entre as vilas de serra acima e os portos da marinha (1776-1817). 2013. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

BRAUDEL, Fernand. Civilisation matérielle: économie et capitalisme, XVe-XVIIIe siècle. Paris: Armand Collin, 1979. 3 v.

BRAUDEL, Fernand. Mediterrâneo e o mundo mediterrâneo na época de Filipe 2. São Paulo: Edusp, 2016. 2 v.

BRESCIANI, Maria Stella Martins. Identidades inconclusas no Brasil do século XX: fundamentos de um lugar-comum. In: BRESCIANI, Stella; NAXARA, Márcia (orgs.). Memória e (res)sentimento: indagações sobre uma questão sensível. 2. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2004. p. 399-425.

BUENO, Beatriz Piccolotto Siqueira. Por uma arqueologia da paisagem: mobilidade e enraizamento em perspectiva americana. Labor & Engenho, Campinas, v. 11, n. 3, p. 242-262, 2017. doi: 10.20396/labore.v11i3.8649556. Disponível em: <https://bit.ly/3dVMXvE>. Acesso em: 12 abr. 2021.

BUENO, Beatriz Piccolotto Siqueira; ARRAES, Esdras Araujo; MOURA, Nádia Mendes de; BORSOI, Diogo Fonseca. Décimas urbanas e censos: a dimensão material e visual de vilas e cidades em fontes textuais. Urbana, Campinas, v. 10, n. 1, p. 4-53, 2018. doi: 10.20396/urbana.v10i1.8651827. Disponível em: <https://bit.ly/3a66VCu>. Acesso em: 12 abr. 2021.

BUENO, Beatriz Piccolotto Siqueira; GIL, Tiago Luís; BARRETO, Alice Pereira; DIAS, Guilherme Silvério. O Caminho do Viamão em suas conexões americanas. In: CONGRESO IBEROAMERICANO DE HISTORIA URBANA, 2., 2019a, Cidade do México. Actas […]. Cidade do México: Unam, 2019. t. 5, p. 2678-2690.

BUENO, Beatriz Piccolotto Siqueira; BARRETO, Alice Pereira; DIAS, Guilherme Silvério. Por uma história urbana menos regionalizada. In: FRIDMAN, Fania (org.). De cidades e territórios. Rio de Janeiro: PoD, 2019b. v. 2, p. 175-191.

BUENO, Beatriz Piccolotto Siqueira; KANTOR, Iris. The New Lusitania geographical map: representation of urban and commercial networks (1797). In: SYMPOSIUM INTERNATIONAL SOCIETY FOR THE HISTORY OF THE MAP, 5., 2020. Proceedings […]. [S. l.]: ISHmap, 2020. Disponível em: <https://bit.ly/3rpKe2a>. Acesso em: 26 mar. 2021.

BURKE, Peter. Hibridismo cultural. 5. ed. São Leopoldo: Unisinos, 2016.

CABRERA, Ángel Lulio. Fitogeografía de la República Argentina. Boletín de la Sociedad Argentina de Botánica, Buenos Aires, v. 14, n. 1-2, p. 1-42, 1971.

CARVALHO, Marcio Rodrigo Coêlho de. Entre o Uwa’kürü e o Acre: fragmentos da formação territorial e urbana entre vazios e inexistências. 2020. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2020.

COSTA, Vinícius Lorini da. Estudo fitossociológico do componente arbóreo de um remanescente florestal em Palmeira das Missões, RS, Brasil. Revista da Graduação, Porto Alegre, v. 4, n. 1, p. 10-12, 2011.

DINIZ, Nathália Maria Montenegro. Fazendas de gado nas ribeiras dos sertões do Norte. 2013. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

DINIZ, Nathália Montenegro. Um sertão entre tantos outros: fazendas de gado nas ribeiras do Norte. Rio de Janeiro: Versal, 2015.

FARINATTI, Luís Augusto. Escravos do pastoreio: pecuária e escravidão na fronteira meridional do Brasil (Alegrete, 1831-1850). Revista Ciência e Ambiente, Santa Maria, n. 33, p. 135-134, 2006.

FARINATTI, Luís Augusto. Trabalhadores da pecuária. Mão-de-obra livre e escrava nas estâncias da fronteira meridional do Brasil (1825-1865). In: CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE HISTÓRIA ECONÔMICA, 1., 2007, Montevidéu. Anais […]. [S. l.]: Abphe, 2007.

FRAGOSO, João Luís Ribeiro. Homens de grossa aventura: acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro (1790-1830). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1992.

FRIDMAN, Fania (org.). De cidades e territórios. Rio de Janeiro: Editora PoD, 2019.

GIL, Tiago Luís. As listas nominativas de habitantes como fontes para a história dos preços, 1798-1810. Revista Maracanan, Rio de Janeiro, n. 17, p. 35-49, 2017.

GIL, Tiago Luís. Coisas do caminho: tropeiros e seus negócios do Viamão a Sorocaba (1780-1810). 2009. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2009.

GIL, Tiago Luís. Os infiéis transgressores: os contrabandistas da fronteira: Rio Grande e Rio Pardo: 1760-1810. 2003. Dissertação (Mestrado em História Social) – Faculdade de História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.

HERBERTS, Ana Lúcia. Análise arqueológica das estruturas viárias do Caminho das Tropas em Santa Catarina. Revista Tempos Acadêmicos, Criciúma, n. 10, p. 39-57, 2012.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Caminhos e fronteiras. 4. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 1992.

Inventário florestal contínuo. Porto Alegre: Sema, 2003. Disponível em: <https://bit.ly/32aXDRm>. Acesso em: 3 ago. 2019.

KANTOR, Iris. Cartografia e diplomacia: usos geopolíticos da informação toponímica (1750-1850). Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 39-61, 2009. doi: 10.1590/S0101-47142009000200004. Disponível em: <https://bit.ly/3uQ2rYV>. Acesso em: 12 abr. 2021.

KATO, Allan Thomas Tadashi. Elites, negócios e imóveis no plural: São Paulo nas décimas urbanas e listas nominativas (1795-1929). 2017. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

KERSTEN, Márcia Scholz de Andrade. A Lapa e o tropeirismo. Curitiba: Iphan, 2006.

KLEIN, Roberto Miguel. Flora ilustrada catarinense: mapa fitogeográfico do estado de Santa Catarina. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1978.

MENESES, Ulpiano Bezerra de. A paisagem como fato cultural. In: YÁZIGI, Eduardo (org.). Turismo e paisagem. São Paulo: Contexto, 2002. p. 29-64.

MENESES, Ulpiano Bezerra de. O objeto material como documento. São PauloIAB/ CONDEPHAAT 1980. Aula ministrada no curso “Patrimônio Cultural: Políticas e Perspectivas”. Mimeografado.

MOURA, Nádia Mendes de. Sertões de mar a mar: Goyazes em suas filigranas (c. 1726-1830). 2018. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

OEA. Uruguay: Estudio Nacional. Washington, DC: Secretaria Ejecutiva para Asuntos Economicos y Sociales, 1992.

OSÓRIO, Helen. A fronteira transitada: desertores, contrabandistas, vagamundos e gado. In: OSÓRIO, Helen. O império português no sul da América: estancieiros, lavradores e comerciantes. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

OSÓRIO, Helen. Apropriação da terra no Rio Grande de São Pedro e a formação do espaço platino. São Leopoldo: Oikos, 2017.

OSÓRIO, Helen. Com a sua marca: trajetórias e experiências de trabalhadores escravos e livres da pecuária no Brasil meridional. In: FORTES, Alexandre; LIMA, Henrique Espada; XAVIER, Regina Célia Lima; PETERSEN, Sílvia Regina Ferraz (orgs.). Cruzando fronteiras: novos olhares sobre a história do trabalho. São Paulo: Perseu Abramo, 2013. p. 187-203.

OSÓRIO, Helen. Trabalhadores da pecuária: peões e gaudérios na fronteira do império português. In: JORNADAS DE HISTORIA ECONÓMICA, ASOCIACIÓN ARGENTINA DE HISTÓRIA ECONÓMICA, 10., 2006, Mar del Plata. Anales […]. Mar del Plata: Universidad de Mar del Plata, 2006. p. 1-24.

PRADO, João Fernando de Almeida. Jean-Baptiste Debret. São Paulo: Editora Nacional, 1973.

PROJETO RADAMBRASIL. Rio de Janeiro: Ministério das Minas e Energia, 1992.

REIS FILHO, Nestor Goulart. Evolução urbana no Brasil 1500-1720. 2. ed. São Paulo: Pini, 2001.

REIS, Nestor Goulart. As minas de ouro e a formação das Capitanias do Sul. São Paulo: Via das Artes, 2013.

REIS, Nestor Goulart. O caminho do Anhanguera. São Paulo: Via das Artes, 2014.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo: razão e emoção. 3. ed. São Paulo: Edusp, 2004.

SANTOS, Milton. Por uma geografia nova: da crítica da geografia a uma geografia crítica. 6. ed. São Paulo: Edusp, 2008.

SANTOS, Robson dos; CITADINI-ZANETTE, Vanilde; ELIAS, Guilherme Alves; PADILHA, Peterson Teodoro (orgs.). Biodiversidade em Santa Catarina: Parque Estadual da Serra Furada. Criciúma: Ediunesc, 2016.

SCHLERETH, Thomas J. Cultural history and material culture: everyday life, landscapes, museums. Ann Arbor: UMI Research, 1990.

SILVA, Adriana Fraga. Estratégias materiais e espacialidade: uma arqueologia da paisagem do Tropeirismo nos Campos de Cima da Serra/RS. 2006. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

SILVA, Valderez Antonio da. Paulistas em movimento: bandeiras, monções e tropas. In: SETUBAL, Maria Alice. A terra paulista: história, arte, costumes. São Paulo: Cenpec, 2004. p. 55-101.

TRINDADE, Jaelson Bitran. Debret pitoresco ou o roteiro para o sul. In: SEMINÁRIO EBA, 180., 1996, Rio de Janeiro. Anais […]. Rio de Janeiro: URFJ, 1996. p. 89-107.

TRINDADE, Jaelson Bitran. Tropeiros. São Paulo: Editoração Publicações e Comunicações, 1992.

VILARDAGA, José Carlos. Na bagagem dos peruleros: mercadoria de contrabando e o caminho proibido de São Paulo ao Paraguai na primeira metade do século XVII. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 127-147, 2017. doi: 10.1590/1982-02672017v25n0105. Disponível em: <https://bit.ly/3a8Ll0u>. Acesso em: 12 abr. 2021.

VILARDAGA, José Carlos. São Paulo na órbita do império dos Felipes: conexões castelhanas de uma vila da América portuguesa durante a União Ibérica (1580-1640). 2010. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

Downloads

Publicado

2021-07-12

Como Citar

Bueno, B. P. S., Barreto, A. P. ., & Dias, G. S. (2021). Cultura material e práticas sociais no Caminho do Viamão: paisagens toponímicas, arqueologia do cotidiano das viagens, perfil e bagagem dos tropeiros (séculos XVIII e XIX). Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 29, 1-87. https://doi.org/10.1590/1982-02672021v29d1e18

Edição

Seção

ECM/Dossiê: História da Urbanização no Brasil

Dados de financiamento