Relatos de campanha: a expansão colonial portuguesa sobre os quilombos do Alto São Francisco e Alto Paranaíba no século XVIII

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672021v29d1e24

Palavras-chave:

Quilombos, Expansão territorial portuguesa no século XVIII, Povoamento do Triângulo Mineiro, Alto São Francisco e Paranaíba, Sertão do Campo Grande, Cartografia histórica

Resumo

Abrigando um expressivo número de quilombos ao longo do século XVIII, a zona entre os rios Grande, São Francisco e Paranaíba era conhecida como sertão do Campo Grande, tendo em seu entorno importantes núcleos de exploração mineradora e agropecuária das capitanias de Goiás, Minas Gerais e São Paulo. Com o objetivo de dilatar seus domínios, o Estado português organizou campanhas militares para conquistar esse planalto fértil habitado por quilombolas e ameríndios inimigos. Neste artigo abordamos a expedição liderada por Ignacio Correya Pamplona em 1769, analisando as estratégias usadas por essa campanha para a expansão territorial luso-americana por meio do combate aos quilombolas e da apropriação de suas terras. Para isso, examinamos um conjunto de documentos produzidos pelos próprios expedicionários que conta com relatos escritos, desenhos do interior de quilombos e um mapa da região explorada. Na análise documental e na tradução do mapa sertanista para a cartografia recente, verificamos que os quilombos destruídos (que possuíam roças, pilões, manufaturas e diversificadas organizações sociopolíticas) foram usados como base para o estabelecimento da estrutura colonial luso-americana, por meio da instalação de estradas, ranchos para descanso e abastecimento de tropas, demarcação de fazendas e povoados destinados aos súditos da coroa Bragança. O estudo desse episódio da guerra entre quilombolas e luso-americanos revela que, involuntariamente, tais quilombos foram elementos pioneiros na formação da malha territorial nessa região que atualmente integra o Triângulo Mineiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karen Pessoa Freire, Universidade de São Paulo

Mestre em história da arquitetura e do urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP). E-mail: karenpfreire1@gmail.com

Referências

FONTES MANUSCRITAS

[Mapa da expedição de 1769 de Ignacio Correya Pamplona], [1769?]. Papel. 1 folha, 90 × 43cm. Manuscrito. Português. Acervo da Fundação Biblioteca Nacional – Brasil, Coleção Ottoni, Arquivo Conde de Valadares, código: MS-575 (1), folha 245.

Quilonbo chamado do Rio da perdiçaõ, [1769?], Papel. 2 folhas. Manuscrito. Português. Acervo da Fundação Biblioteca Nacional – Brasil, Rio de Janeiro, coleção Ottoni, Arquivo Conde de Valadares, código: MS-575(1), folhas 258-259.

Quilonbo da Sambabaÿa, [1769?], Papel. 1 folha. Manuscrito. Português. Acervo da Fundação Biblioteca Nacional – Brasil, Rio de Janeiro, coleção Ottoni, Arquivo Conde de Valadares, código: MS-575(1), folha 243.

Quilonbo de hum dos braços da perdiçaõ, [1769?]. Papel. 2 folhas. Manuscrito. Português. Acervo da Fundação Biblioteca Nacional – Brasil, Rio de Janeiro, coleção Ottoni, Arquivo Conde de Valadares, código: MS-575(1), folhas 250-251.

Quilonbo de Sam Gonçalo, [1769?], Papel. 1 folha. Manuscrito. Português. Acervo da Fundação Biblioteca Nacional – Brasil, Rio de Janeiro, coleção Ottoni, Arquivo Conde de Valadares, código: MS-575(1), folha 244.

Quilonbo do Ambrozio, [1769?], Papel. 2 folhas. Manuscrito. Português. Acervo da Fundação Biblioteca Nacional – Brasil, Rio de Janeiro, coleção Ottoni, Arquivo Conde de Valadares, código: MS-575(1), folhas 238-239.

[Quilonbo] dos Santos fortes, [1769?], Papel. 1 folha. Manuscrito. Português. Acervo da Fundação Biblioteca Nacional – Brasil, Rio de Janeiro, coleção Ottoni, Arquivo Conde de Valadares, código: MS-575(1), folha 253.

FONTES IMPRESSAS

[Encontrando Quilombos]. Transcrição e edição por Maria Filgueiras Gonçalves. Anais da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, v. 108, p. 47-113, 1988. Disponível em: <https://bit.ly/2PQo2RU>. Acesso em: 8 abr. 2021.

LIVROS, ARTIGOS E TESES

AB’SÁBER, Aziz Nacib. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê, 2003.

ANDRADE, Manuel Correia de. Geografia do quilombo. In: MOURA, Clóvis (org.). Os quilombos na dinâmica social do Brasil. Maceió: Edufal, 2001. p. 75-86.

BARBOSA, Waldemar de Almeida. A decadência das Minas e a fuga da mineração. Belo Horizonte: Imprensa da Universidade Federal de Minas Gerais, 1971.

BARBOSA, Waldemar de Almeida. Negros e quilombos em Minas Gerais. Belo Horizonte: Selo Horizonte, 1972.

BUENO, Beatriz Piccolotto Siqueira. Desenhando o Brasil: o saber cartográfico dos cosmógrafos e engenheiros militares da Colônia e do Império. In: COSTA, Antônio Gilberto (org.). Roteiro prático de cartografia: da América portuguesa ao Brasil Império. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007. p. 29-49.

CARDOSO, Juliana; GUIMARÃES, Carlos Magno. Arqueologia do quilombo: arquitetura, alimentação e arte (Minas Gerais). In: MOURA, Clóvis (org.). Os quilombos na dinâmica social do Brasil. Maceió: Edufal, 2001. p. 35-58

COSTA, Antônio Gilberto (org.). Roteiro prático de cartografia: da América portuguesa ao Brasil Império. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

CUNHA, Marianno Carneiro da. Da senzala ao sobrado: arquitetura brasileira na Nigéria e República Popular do Benin. São Paulo: Nobel: Edusp, 1985.

FLEXOR, Maria Helena Ochi. Abreviaturas: manuscritos dos séculos XVI ao XIX. São Paulo: Arquivo do Estado, 1990.

FONSECA, Cláudia Damasceno. Espaço e poder nas Minas setecentistas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

FREIRE, Karen Pessoa. Quilombos nas bordas do ouro: conflitos entre negros e agentes lusitanos pelo domínio do Campo Grande no século XVIII. 2020. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2020.

FRIDMAN, Fania. Donos do Rio em nome do rei: uma história fundiária da cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar: Garamond, 1999.

GOMES, Flávio dos Santos. A hidra e os pântanos: mocambos, quilombos e comunidades de fugitivos no Brasil (séculos XVII-XIX). São Paulo: Editora Unesp: Polis, 2005.

GOMES, Flávio dos Santos. Quilombos/remanescentes de quilombos. In: SCHWARCZ, Lilia Moritz; GOMES, Flávio dos Santos (orgs.). Dicionário da escravidão e liberdade: 50 textos críticos. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p. 367-373.

GUEDES, Max Justo. Introdução. In: COSTA, Antônio Gilberto (org.). Roteiro prático de cartografia: da América portuguesa ao Brasil Império. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007. p. 19-27.

GUIMARÃES, Carlos Magno. Quilombos, classes, estado e cotidiano: Minas Gerais, século XVIII. 1999. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Caminhos e fronteiras. Rio de Janeiro: José Olympio, 1957.

KANTOR, Iris. Cartografia e diplomacia: usos geopolíticos da informação toponímica (1750-1850). Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 39-61, 2009. DOI: 10.1590/S0101-47142009000200004. Disponível em: <https://bit.ly/3bn3rwn>. Acesso em: 13 maio. 2021.

KI-ZERBO, Joseph. História da África negra I. Sintra: Publicações Europa-América, 1972.

MARTINS, Tarcísio José. Quilombo do Campo Grande: história de Minas que se devolve ao povo. Contagem: Santa Clara, 2008.

M’BOKOLO, Elikia. África negra: história e civilizações. Salvador: Edufba; São Paulo: Casa das Áfricas, 2009. v. 1.

MORAES, Fernanda Borges de. De arraiais, vilas e caminhos: a rede urbana das Minas coloniais. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos (orgs.). As Minas setecentistas. Belo Horizonte: Autêntica: Companhia do Tempo, 2007. v. 1, p. 55-85.

MOURA, Clóvis. Dicionário da escravidão negra no Brasil. São Paulo: Edusp, 2004.

RESENDE, Maria Efigênia Lage de. Itinerários e interditos na territorialização das Geraes. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos (orgs.). As Minas setecentistas. Belo Horizonte: Autêntica: Companhia do Tempo, 2007. v. 1, p. 25-53.

ROSS, Jurandyr Luciano Sanches. Os fundamentos da geografia da natureza. In: ROSS, Jurandyr Luciano Sanches (org.). Geografia do Brasil. São Paulo: Edusp, 2005. p. 32-65.

RUSSELL-WOOD, Anthony John. Escravos e libertos no Brasil colonial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

SANTOS, Márcia Maria Duarte dos. Técnicas e elementos da cartografia da América portuguesa e do Brasil Império. In: COSTA, Antônio Gilberto (org.). Roteiro prático de cartografia: da América portuguesa ao Brasil Império. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007. p. 51-81.

SANTOS, Márcio Roberto Alves dos. Fronteiras do sertão baiano: 1640-1750. 2010. Tese (Doutorado em História) –Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. A Coroa e a remuneração dos vassalos. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos (orgs.). As Minas setecentistas. Belo Horizonte: Autêntica: Companhia do Tempo, 2007. v. 1, p. 191-219.

SILVA, Vagner Gonçalves. Candomblé e umbanda: caminhos da devoção brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2005.

SOUZA, Laura de Mello e. Desclassificados do ouro: a pobreza mineira no século XVIII. Rio de Janeiro: Graal, 2004.

SOUZA, Laura de Mello e. Norma e conflito: aspectos da história de Minas no século XVIII. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

VENÂNCIO, Renato Pinto. Antes de Minas: fronteiras coloniais e populações indígenas. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos (orgs.). As Minas setecentistas. Belo Horizonte: Autêntica: Companhia do Tempo, 2007. v. 1, p. 87-102.

SITES

ARAÚJO, Roberto Jorge Chaves. Normas técnicas para transcrição e edição de documentos manuscritos, sistematizadas pela Comissão de Sistematização e Redação do II Encontro Nacional de Normatização Paleográfica. São Paulo: [s. n.], 1993. Disponível em: <https://bityli.com/77Cgt>. Acesso em: 9 abr. 2018.

IBGE. Cartas e mapas. Rio de Janeiro: IBGE, [201-?]. Disponível em: <https://bit.ly/2CawxR5>. Acesso em: 9 abr. 2021.

IBGE. Sinopse do censo demográfico 2010: Minas Gerais. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: <https://bit.ly/38UULuA>. Acesso em: 9 abr. 2019.

Downloads

Publicado

2021-07-12

Como Citar

Freire, K. P. (2021). Relatos de campanha: a expansão colonial portuguesa sobre os quilombos do Alto São Francisco e Alto Paranaíba no século XVIII. Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 29, 1-45. https://doi.org/10.1590/1982-02672021v29d1e24

Edição

Seção

ECM/Dossiê: História da Urbanização no Brasil

Dados de financiamento