A aventura toponímica dos sertões das capitanias do Norte e do Estado do Maranhão: paisagem, povoamento e diversidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672021v29d1e20

Palavras-chave:

Arqueologia, Paisagem, Piauí, Sertões, Salinas, Toponímia

Resumo

O artigo se propõe a reconstruir as paisagens pregressas dos sertões das capitanias do Norte e do Estado do Maranhão (capitanias do Piauí e Maranhão), entre os séculos XVI e XIX, a partir do cotejamento das toponímias relacionadas em fontes primárias cartográficas e manuscritas. Por meio dos topônimos é possível auferir e conferir que os sertões não se limitavam às imagens do vazio e da homogeneidade. Ao contrário, eles eram formados por paisagens, espaços e territórios construídos igualmente por uma sociedade diversificada de índios, africanos e europeus. Inicialmente, reflete-se sobre o papel arqueológico da toponímia no intuito de decifrar as economias ocultas nas palavras, mas que construíram os territórios dos sertões. Lança-se luz aos lugares situados em zonas de produção do “sal da terra”, uma mercadoria que conectou sobretudo os sertões do rio São Francisco com as capitanias vizinhas. A seguir, verifica-se como o léxico de origem indígena foi essencial ao povoamento e conhecimento dos sertões. Como consideração final, verifica-se a aventura toponímica inserida num jogo de escalas, tomando, no âmbito urbano, os nomes das ruas da cidade de Oeiras do Piauí como estudo de caso. O método utilizado vale-se de escalas geográficas flexíveis que celebram as
vivências e paisagens desde o intraurbano até a macroescala.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Damião Esdras Araujo Arraes, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Graduado em arquitetura e urbanismo pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em arquitetura e urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo
(FAU-USP) e doutor em ciências pela mesma instituição. Foi pesquisador visitante no Centro de Humanidades (CHAM) da Universidade Nova de Lisboa. Concluiu pesquisa de estágio doutoral na Universidade do Algarve. Realizou estágio de pós-doutorado na Freie Universität Berlin (Peter Szondi-Institut für AVL) com bolsa Fapesp (processo 2018/19708-7). Atualmente é pós-doutorando no Departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), com pesquisa supervisionada pelo prof. titular Marco Aurélio Werle. E-mail: <esdrasarraes@usp.br>.

Referências

FONTES MANUSCRITAS

ACENTO DAS CAZAS PRÓPRIAS, e de aluguer q´ ocupão os moradores da Cidade de Oeyras, Capitania de São Jozé do Piauhy, suas Famillias, pessoas de hum, e outro sexo, mossos, e Escravos, seus Suburbios, e Arebaldes, cazas e rossas delles q´ o Ill.mo S.r João Pereira Caldas governador da dita Capitania mandou fazer, e averiguar por Domingos Barreyra de Macedo Capp.am mor da mesma Cid.e, e da governança della, de que foy Escrivão Luiz Ant.º Ribr.º da mesma governança. Ministério do Reino, mç. 601, cx. 704. Lisboa: Arquivo Nacional da Torre do Tombo, 1762.

CARTA DO CAPITÃO-MOR DA PARAÍBA, João da Maia da Gama, ao rei D. João V sobre os povoados, gados e mais fazendas, e a falta de administração nos sertões. Administração Central, Conselho Ultramarino, Paraíba, Cx. 4, D. 310. Lisboa: Arquivo Histórico Ultramarino, 1710.

CARTA DO GOVERNADOR DA CAPITANIA de Pernambuco, Henrique Luís Pereira Freire de Andrada, ao rei D. João V sobre a representação dos índios Tapuias em que se queixam dos maus-tratos que os afastam da conversão, e a respeito de suas terras e cativeiro, que tendo sido consultada pela Mesa da Consciência, remeteu para o Conselho Ultramarino as cópias da Junta das Missões e a distribuição das aldeias. Administração Central, Conselho Ultramarino, Pernambuco, Cx. 55, D. 4767. Lisboa: Arquivo Histórico Ultramarino, 1739.

CARTA DO OUVIDOR-GERAL DE PERNAMBUCO, Antonio Rodrigues da Silva, ao rei sobre as queixas dos moradores de Buíque e Garanhuns, capitania do Ararobá, contra as inquietações das autoridades de justiça da vila de Penedo, e pedindo para terem jurisdição independente daquela vila. Administração Central, Conselho Ultramarino, Pernambuco, Cx. 42, D. 3826. Lisboa: Arquivo Histórico Ultramarino, 1732.

CARTA DO PROVEDOR DO REGIMENTO; e guarda-mor das minas do Rio das Contas, Manuel Dias Mascarenhas, para o Conselheiro Intendente Geral da Baia, Wenceslau Pereira da Silva. ANTT. Correspondência recebida do Brasil (Bahia). Ministério do Reino, mç. 599, n. 47. Lisboa: Arquivo Nacional da Torre do Tombo, 1755.

COLLEÇÃO DAS OBSERVAÇOENS DOS PRODUCTOS naturaes do Piauhi. Ao Ill.mo e Ex.mo S.or D. Diogo de Souza do Cons.º do Pr.e N. S.or G.or e Capitão General do Maranhão. Por Vicente Jorge Dias Cabral B.el em Filozofia e Dir.to Civil e p.or aos lugares das Letras. Anno de 1800 e 1801. Localizador: I – 12, 02, 011. Rio de Janeiro: Fundação da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, 1800 e 1801.

CONSULTA DO CONSELHO ULTRAMARINO à rainha D. Maria I sobre o requerimento de Manuel José de Sousa em que solicita que se ponha em arrematação os contratos das passagens do rio São Francisco, na capital de Pernambuco. Administração Central, Conselho Ultramarino, Pernambuco, Cx. 133, D. 9987. Lisboa: Arquivo Histórico Ultramarino, 1779.

CONSULTA DO CONSELHO ULTRAMARINO ao rei, D. João V, sobre a carta do padre Domingos Ferreira Chaves, missionário-geral e visitador-geral das missões do sertão da parte do norte do Ceará, e exposição do padre Antônio de Sousa Leal, missionário e clérigo do Hábito de São Pedro, sobre as violências e injustas guerras com que são perseguidos e tiranizados os índios do Piauí, Ceará e Rio Grande. Administração Central, Conselho Ultramarino, Ceará, Cx. 1, D. 67. Lisboa: Arquivo Histórico Ultramarino, 1720.

CONSULTA DO CONSELHO ULTRAMARINO ao rei, D. Pedro II, sobre a carta do governadorgeral do Estado do Brasil, D. Rodrigo da Costa, acerca do aviso do governador da capitania de Pernambuco, Francisco de Castro de Moraes, a respeito da guerra contra o gentio na nação Macarus, habitantes das terras da região do Salitre, do rio São Francisco, da parte da capitania de Pernambuco. Administração Central, Conselho Ultramarino, Pernambuco, Cx. 10, D. 1941. Lisboa: Arquivo Histórico Ultramarino, 1703.

CONSULTA DO CONSELHO ULTRAMARINO ao rei, D. Pedro II, sobre as cartas e papéis do ex-governador, Fernão Martins Mascarenhas de Lencastro, do desembargador e provedor da Fazenda Real da capitania de Pernambuco, Inácio de Moraes Sarmento, acerca do estado em que se encontram as minas de salitre da mesma capitania, e do seu rendimento e despesa. Administração Central, Conselho Ultramarino, Pernambuco, Cx. 20, D. 1938. Lisboa: Arquivo Histórico Ultramarino, 1703.

OFFICIO DO VICE-REI CONDE de Athouguia, expondo as dificuldades que o desembargador Agostinho Felix dos Santos Capello apresentava para realizar sua viagem a Goyaz, como lhe fora ordenado, informando que a despesa era grande, por causa da enorme distancia a percorrer, da inclemência do clima e dos caminhos e dos assaltos dos gentios, que tornavam necessário ir aquelle magistrado bem acompanhado e provido de todos os recursos. Administração Central,

Conselho Ultramarino, Bahia, Cx. 2, D. 173. Lisboa: Arquivo Histórico Ultramarino, 1751.

OFÍCIO DO GOVERNADOR DO PIAUÍ, Gonçalo Lourenço Botelho de Castro, ao secretário de estado da Marinha e Ultramar, Martinho de Melo e Castro, sobre a arrematação do contrato dos dízimos da Fazenda Real do Piauí, e informando que, acerca da arrematação do triênio de 1767 a 1769, se devem encontrar maiores embaraços do que antes, principalmente a respeito das freguesias de Oeiras do Piauí, Jerumenha, Parnaguá e Marvão. Administração Central,

Conselho Ultramarino, Piauí, Cx. 11, D. 633. Lisboa: Arquivo Histórico Ultramarino, 1770.

OFÍCIO DO GOVERNADOR DO PIAUÍ, Gonçalo Lourenço Botelho de Castro, ao secretário de estado da Marinha e Ultramar, Martinho de Melo e Castro, sobre a organização do transporte do gado que iria participar na feira de Capuame, na Bahia, e que era proveniente das fazendas da Companhia de Jesus. Administração Central, Conselho Ultramarino, Piauí, Cx. 11, D. 656. Lisboa: Arquivo Histórico Ultramarino, 1771.

OFÍCIO DO OUVIDOR DA CAPITANIA de Pernambuco, Antônio Xavier Moraes Teixeira Homem, ao secretário de estado da Marinha e Ultramar, Martinho de Melo e Castro, sobre a situação da justiça nos julgados da comarca de Olinda, Garanhuns, Tacaratú, Pajeú e Cabrobó, e sugerindo a elevação de todos à vila, e informando o desenvolvimento comercial de Paudalho e de Santo Antão da Mata e a necessidade de transformá-los em vilas a fim de melhorar a aplicação da justiça na dita capitania. Administração Central, Conselho Ultramarino, Pernambuco, Cx. 160, D. 11530. Lisboa: Arquivo Histórico Ultramarino, 30 de agosto de 1787.

RELLAÇAM DAS COMARCAS PERTENCENTES a jurisdiçam deste governo geral da Bahia, e das vilas pertencentes a cada huma das mesmas comarcas. Localizador: I – 29, 19, 48. Rio de Janeiro: Fundação da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, 1760.

VILHENA, Luís dos Santos. Recopilação de noticias referentes às Capitanias de Pernambuco e Goiás, e do pensamento político aplicados nas colônias portuguesas. Rio de Janeiro: Fundação da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, 1802.

FONTES IMPRESSAS

ANTONIL, André João. Cultura e opulência do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1982.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anaomico, architectonico. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1712-1728. 8 v.

CÂMARA, Manuel Arruda da. Obras reunidas, c. 1752-1811. Coligidas com um estudo biográfico de José Antônio Gonsalves de Mello. Recife: Prefeitura da Cidade do Recife; Fundo da Cultura da Cidade do Recife, 1982.

CARTA SOBRE AS MINAS de salitre do Brasil. Documentos Históricos, Rio de Janeiro, v. 88, p. 78-82, 1976.

COUTO, Domingos do Loreto. Desagravos do Brazil e glórias de Pernambuco: discursos brasílicos, dogmáticos, bélicos, apologéticos, moraes e históricos, tomo I. Rio de Janeiro: Officina Typographica da Bibliotheca Nacional, 1904. v. 26.

DECRETO DE VOSSA ALTEZA sobre as minas de salitre junto ao rio São Francisco. Documentos Históricos, Rio de Janeiro, v. 88, p. 172-174. 1976.

DEZCRIPÇÃO DO CERTÃO do Peauhy Remetida ao Illm.º e Rm.º S.or Frei Francisco de Lima Bispo de Pernam.co. In: ENNES, Ernesto. A guerra nos Palmares. Rio de Janeiro: Cia. Editora Nacional, 1938.

GAMA, Bernardo Jose. Informação sobre a Capitania do Maranhão dada em 1813 ao Chanceller Antonio Rodrigues Velloso. Vienna: Imp. Carlos Gerold, 1872.

GANDAVO, Pero de Magalhães. Tratado da Terra de Santa Cruz: história da província de Santa Cruz, a que vulgarmente chamamos de Brasil. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2008.

HALFELD, Henrique Guilherme Fernando. Atlas e relatorio concernente a exploração do Rio São Francisco: desde a cachoeira de Pirapóra até ao Oceano Atlântico: levantado por ordem do governo de S. M. I o senhor D. Pedro II, pelo engenheiro civil Henrique Guilherme Fernando Halfeld em 1852, 1853 e 1854. Rio de Janeiro: Lithographia Imperial, 1860.

IDEIA DA POPULAÇÃO da capitania de Pernambuco, e das suas anexas, extensão de suas costas, rios, e povoações notáveis, agricultura, numero dos engenhos, contractos, e rendimentos reais, augmento que este tem tido desde o anno de 1774 em que tomou posse o governador das mesmas capitanias o Governador e Capitam General Jozé Cezar de Menezes. Rio de Janeiro: Officinas Graphicas da Bibliotheca Nacional, 1923. (Anais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, v. 40)

MARCGRAVE, Jorge. História natural do Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial, 1942.

MOLL, Hermann. Map of South America. In: ADONIAS, Isa; FURRER, Bruno. Mapa: imagens da formação territorial brasileira. Rio de Janeiro: Fundação Emílio Odebrecht, 1993.

NANTES, Martinho de. Relação de uma missão no rio São Francisco: relação sucinta e sincera da missão do padre Martinho de Nantes, pregador capuchinho, missionário apostólico no Brasil entre os índios chamados cariris. São Paulo: Editora Nacional, 1979.

RIBEIRO, Francisco de Paulo. Descripção do Território de Pastos Bons, nos sertões do Maranhão: propriedades dos seus terrenos, suas producções, caracter dos seus habitantes colonos, e estado actual dos seus estabelecimentos. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, tomo 12, p. 41-86, 1849.

ROTEIRO PARA SEGUIR a estrada do Maranhão para a cidade da Bahia. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, tomo 3, p. 512-514, 1841.

SILVA, Antonio de Moraes. Diccionario de lingua portugueza: recompilado dos impressos ate agora, e nesta segunda edição novamente emendado e muito acrescentado. Lisboa: Typographia Lacerdina, 1789.

SOUSA, Gabriel Soares de. Tratado descritivo do Brasil em 1587. São Paulo: Cia. Editora Nacional; Edusp, 1971.

SPIX, Johann Baptist von. Viagem pelo Brasil: 1817-1820. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1981. v. 2.

VIEIRA, Antônio. Escritos instrumentais sobre os índios. São Paulo: Educ; Loyola; Giordano, 1992.

WIED, Maximilian. Viagem ao Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1989.

LIVROS, ARTIGOS E TESES

ABREU, Capistrano de. Caminhos antigos e povoamento do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1988.

ABREU, Capistrano de. Capítulos de história colonial: 1500-1800. Brasília, DF: Conselho Editorial do Senado Federal, 1998.

ANDRADE, Amélia Aguiar. Horizontes urbanos medievais. Lisboa: Livros Horizonte, 2003.

ARAUJO, Renata Klautau Malcher de. A urbanização do Mato Grosso no século XVIII: discurso e método. 2000. Tese (Doutorado em História da Arte) – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2000.

ARRAES, Damião Esdras Araujo. Imaginando a paisagem urbana de Oeiras do Piauí (1697-1762). GEOGRAFIA, Rio Claro, v. 41, n. 2, p. 351-371, 2016a.

ARRAES, Damião Esdras Araujo. Plantar povoações no território: (re)construindo a urbanização da capitania do Piauí, 1697-1761. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 24, n. 1, p. 257-298, 2016b.

ARRAES, Damião Esdras Araujo. Vendo outras paisagens dos “certoens” do Norte, séculos XVIXIX. Oculum Ensaios, Campinas, v. 13, n. 1, p. 51-69, 2016c.

ARRAES, Damião Esdras Araujo. Ecos de um suposto silêncio: paisagem e urbanização dos “certoens” do Norte, c.1666-1820. 2017. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, 2017a.

ARRAES, Damião Esdras Araujo. Do Maranhão à Bahia: cartografar e representar a urbanização dos sertões das capitanias do Norte. Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, v. 10, n. 2, p. 413-429, 2017b.

ARRAES, Damião Esdras Araujo. Narratives of Northern sertões urbanization. Mercator, Fortaleza, v. 17, p. 1-15, 2018a.

ARRAES, Damião Esdras Araujo. A paisagem e sua dimensão estética. Princípios, Natal, v. 24, n. 45, p. 37-57, 22 jan. 2018b.

BENES, Jaromír; ZVELEBIL, Marek. A historical interactive landscape in the heart of Europe: the case of Bohemia. In: UCKO, Peter J.; LAYTON, Robert. The archaelogy and anthropology of landscape: shaping your landscape. London; New York: Routledge, 1999. p. 74-94.

BERNUCCI, Leopoldo M. Pressupostos historiográficos para uma leitura de Os Sertões. Revista USP, São Paulo, n. 1, 1989.

BRAGA, Renato. Plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. Fortaleza: Imprensa Oficial, 1960.

CARVALHO, Ana Paula Mendes Alves de. Hagiotoponímia em Minas Gerais. 2014. Tese (Doutorado

em Letras) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

CLARK, Kenneth. Paisagem na arte. Lisboa: Ulissea, 1961.

DIÉGUES JÚNIOR, Manuel. Regiões culturais do Brasil. Rio de Janeiro: Centro Brasileiro de Pesquisa Educacional, 1960.

ENNES, Ernesto. A guerra dos palmares. Rio de Janeiro: Cia. Editora Nacional, 1938.

FONSECA, Cláudia Damasceno. Arraiais e vilas d´el rei: espaço e poder nas Minas setecentistas. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2011.

GALINDO, Marcos. O governo das almas: a expansão colonial no país dos tapuias (1651-1798). São Paulo: Hucitec Editora, 2017.

GROTH, Paul; WILSON, Chris. The polyphony of cultural landscapes studies: an introduction. In: Everyday in America: cultural landscapes studies after J. B. Jackson. Berkeley; Los Angeles: University of California Press, 2003.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. História da civilização brasileira. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1960. v. 2, tomo 1.

JACOB, Christian. The sovereign map: theoretical approaches in cartography throughout history. Chicago: University of Chicago Press, 2006.

KANTOR, Iris. Cartografia e diplomacia: usos geopolíticos da informação toponímica (1750-1850). Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, vol. 17, n. 2, p. 39-61.

LAZZARI, Marisa. Landscape of circulation in Northwest Argentina: the workings of obsidian and ceramics during the first millenium. In: AGBE-DAVIES, Anna; BAUER, Alexander A. (ed.). Social archaeologies of trade and exchange: exploring relations among people, places, and things. Walnut Creek: Left Coast Press, 2010.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1945. 10 v.

LOIS, Carla. Paisajes topinímicos: la potencia visual de los topónimos y el imaginario geográfico sobre la Patagonia em la segunda mitad del siglo XIX. In: OLIVEIRA, Francisco Roque de; VARGAS, Héctor Mendonza. Mapas de metade do mundo: a cartografia e a construção territorial dos espaços americanos: séculos XVI a XIX. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa, 2010.

LÖFGREN, Albert. Contribuição para a questão florestal da região do Nordeste do Brazil. Rio de Janeiro: Imprensa Ingleza, 1923.

MADERUELO, Javier. El paisaje: génesis de un concepto. 2 ed. Madrid: Abada Editores, 2006.

MELLO, José Antonio Gonsalves de. Três roteiros de penetração do território pernambucano (1738 e 1802). Recife: Imprensa Universitária, 1966. (Monografia nº 3).

MONTEIRO, John M. Tupis, tapuias e historiadores: estudos de história indígena e do indigenismo. 2001. Tese (Livre-Docência na área de Etnologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas, Campinas, 2001.

MOTT, Luiz. Aventuras e desventuras dos primeiros moradores de Sergipe del Rey mencionados nas visitações do Santo Ofício e nas cartas de sesmarias (1591-1623). Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, Aracaju, n. 35, p. 105-150, 2006.

OLIVEIRA, João Pacheco de (org.). A presença indígena no Nordeste: processos de territorialização, modos de reconhecimento e regimes de memória. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2011.

POMPEU SOBRINHO, Thomaz. Os tapuias do Nordeste e a monografia de Elias Herckman. Revista do Instituto do Ceará, Fortaleza, tomo 48, p. 7-28, 1934.

PRADO Jr., Caio. História econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2008.

PRADO Jr., Caio. História econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2011.

PUNTONI, Pedro. Tupi ou não tupi? Uma contribuição ao estudo da etno-história dos povos indígenas no Brasil colônia. Ethnos, Recife, ano 2, n. 2, p. 5-19, 1998.

PUNTONI, Pedro. A guerra dos bárbaros: povos indígenas e a colonização do sertão nordeste do Brasil, 1650-1720. São Paulo: Hucitec; Edusp; Fapesp, 2002.

ROGER, Alain. Breve tratado del paisaje. Madrid: Biblioteca Nueva, 2007.

ROSA, Guimarães. Grandes sertões: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

SAMPAIO, Theodoro. O tupi na geografia nacional. São Paulo: Editora Nacional; Brasília: INL, 1987.

SANTOS, Milton. Por uma geografia nova: da crítica da geografia a uma geografia crítica. São Paulo: Edusp, 2012.

SILVA, Ignácio Accioli de Cerqueira e. Memórias históricas e políticas da província da Bahia. [S. l.]: Imprensa Oficial do Estado, 1925. v. 2.

SILVA FILHO, Olavo Pereira da. Carnaúba, pedra e barro na Capitania de São José do Piahuy. Belo Horizonte: Rona, 2007. 3 v.

SIMONSEN, Roberto C. História econômica do Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1977.

TILLEY, Christopher. A phenomenology of landscape: places, paths and monuments. 1 ed. Oxford: Berg Publishers, 1994.

Downloads

Publicado

2021-07-12

Como Citar

Arraes, D. E. A. (2021). A aventura toponímica dos sertões das capitanias do Norte e do Estado do Maranhão: paisagem, povoamento e diversidade. Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 29, 1-39. https://doi.org/10.1590/1982-02672021v29d1e20

Edição

Seção

ECM/Dossiê: História da Urbanização no Brasil

Dados de financiamento