A construção imagética de uma Belém idílica: trans-historicidade e movimento das imagens nas apólices da Port of Pará

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672021v29e48

Palavras-chave:

Apólices, Port of Pará, Belém, Modernidade, Imagens trans-históricas

Resumo

Este trabalho analisa uma gravura representativa da cidade de Belém que ilustra uma apólice da empresa Port of Pará. A análise parte de seus aspectos trans-históricos e de suas reverberações imagéticas, a fim de engendrar uma memória coletiva da cidade assente em seus espectros de modernidade. As apólices, ferramentas transacionais mercantis daquele contexto, são fontes documentais historiográficas por representarem o dinâmico cenário pelo qual as estruturas da cidade se movimentavam no auge do ciclo da borracha. Suas gravuras, ao mesmo tempo que são leituras da cidade sob uma perspectiva desenvolvimentista e cosmopolita, também constituem escrituras de uma nostalgia memorial urbana, de projeção visionária de melancolia e utopia. As gravuras são alicerçadas no movimento de imagens devido ao rearranjo das edificações e da morfologia urbana de Belém, representativas de
diversos momentos históricos da cidade. Analisa-se aqui, a partir da perspectiva warburguiana, essa operação imagética, que sintetiza o forte caráter idílico de uma certa experiência de modernidade numa capital periférica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mateus Carvalho Nunes, Universidade de Lisboa

Doutorando em História da Arte na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FL-ULisboa), com
período sanduíche na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP). Arquiteto e Urbanista pela Universidade Federal do Pará (FAU-UFPA). Pesquisador Integrado do Instituto de História da Arte da Universidade de Lisboa (ARTIS-IHA-UL). Membro-pesquisador do Fórum Landi (FAU-UFPA). E-mail: mateusnunes@campus.ul.pt

Marcia Cristina Ribeiro Gonçalves Nunes, Universidade da Amazônia

Pós-Doutoranda na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa (FA-ULisboa) e na Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto (FAUP). Doutora em História pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Mestra em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano e graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade da Amazônia (Unama). Professora de Arquitetura e Urbanismo Stricto Sensu no Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Linguagem e Cultura (PPGCLC) da Universidade da Amazônia (Unama). E-mail: marcianunes2011@gmail.com

Jorge Eiró, Universidade Federal do Pará

Doutor e mestre em Educação pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Especialista em Ensino Superior pela Universidade da Amazônia (Unama). Arquiteto graduado pela Universidade
Federal do Pará (UFPA). Professor-pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Linguagens e Cultura da Universidade da Amazônia (PPGCLC-Unama). Professor Adjunto da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFPA e Professor Titular dos Cursos de Artes Visuais e Arquitetura e Urbanismo da Unama. E-mail: eirojorge@gmail.com

Referências

FONTES IMPRESSAS

A PROVÍNCIA DO PARÁ. Belém: [s. n.], 28 abr. 1906.

O PAIZ. Rio de Janeiro: [s. n.], 3 nov. 1909. Ed. 9161.

LIVROS, ARTIGOS E TESES

BAENA, Antonio Ladisláo Monteiro. Compêndio das Eras da Provincia do Pará. Belém: Universidade Federal do Pará, 1969.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Pereira Passos: um Haussmann tropical. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes, 1992.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

BRASIL. Decreto nº 5.978, de 18 de abril de 1906. Concede ao engenheiro Percival Farquhar autorização para executar as obras de melhoramento do porto de Belém, no Estado do Pará. Diário Official, [s. l.], p. 2392, 8 maio 1906a.

BRASIL. Decreto nº 6.283, de 20 de dezembro de 1906. Concede autorização á Companhia “Port of Pará” para funccionar na Republica. Diário Official, [s. l.], p. 7191, 26 dez. 1906b.

CASTRO, Fabio Fonseca. A cidade Sebastiana: era da borracha, memória e melancolia numa capital da periferia da modernidade. Belém: Edição do Autor, 2010.

CHOAY, Françoise. O urbanismo. São Paulo: Perspectiva, 1999.

COMPANHIA DOCAS DO PARÁ. Porto de Belém. Belém: [s. n.], 1977.

CORAZZA, Sandra Mara et al. Escrileituras: um modo de ler-escrever em meio à vida. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 40, n. 4, p. 1029-1043, 2014. Doi: <https://doi.org/10.1590/S1517-97022014121435>.

DUARTE, Cristóvão. Belém do Pará, na virada do século XIX: modernidade no plano urbanístico de expansão da cidade. 1997. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1997.

FURTADO, Luciana Martins. Nas pedras do caes: cidade, cotidiano e trabalho – Belém do Pará (1852-1912). 2015. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2015.

GAULD, Charles A. Farquhar, último titã: um empreendedor americano na América Latina. São Paulo: Cultura, 2006.

HALLE, A. Port of Pará. In: UNION OF AMERICAN REPUBLICS. Bulletin of the Pan American Union. Washington, DC: The Union, 1912. v. 35, p. 682-698.

JONES, Owen. The grammar of ornament. London: Day and Son, 1856.

JÚNIOR, Peregrino. Chegada de um peregrino. In: MARANHÃO, Haroldo. Pará, capital: Belém: memórias & pessoas & coisas & loisas da cidade. Belém: Supercores, 2000.

LIMA, José Júlio Ferreira; EIRÓ, Jorge; NUNES, Mateus Carvalho. Perspectivas da cidade e a cidade em perspectiva: A mídia estatal e os planos urbanísticos da Região Metropolitana de Belém. In: CASTRO, Edna Maria Ramos de; ALVES, Suely Rodrigues (orgs.). Anais do II Seminário Internacional América Latina: política e conflitos contemporâneos. Belém: Naea,

p. 3001-3015.

LIMA, José Júlio; NUNES, Mateus Carvalho; EIRÓ, Jorge. Cidade, imagem, embelezamento: desenhos em perspectiva dos planos urbanísticos para Belém. Arquitextos, São Paulo, v. 19, n. 221.02, 2018.

MENDONÇA, Isabel Mayer Godinho. António José Landi (1713-1791): um artista entre dois continentes. Coimbra: Calouste Gulbenkian, 2003.

NUNES, Marcia Cristina Ribeiro Gonçalves. Rumo ao Boulevard da República: entre a cidade imperial e a metrópole republicana. 2017. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2017.

NUNES, Marcia Cristina Ribeiro Gonçalves. O Boulevard da República: um boulevard cais na Amazônia. Curitiba: Appris, 2020.

NUNES, Mateus Carvalho. Warburg, Agamben, Deleuze: a imagem e a filosofia da diferença.

MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, v. 4, n. 3, p. 210-223, 2020. Doi: <https://doi.org/10.24978/mod.v4i3.4568>.

PARÁ. Relatório do Governo da Província. Relatório apresentado a Assembléa Legislativa da Província do Pará na primeira sessão da XIII legislatura pelo Exmº Presidente da Província Dr. Francisco Carlos de Araújo Brusque em [ilegível] setembro de 1862. Pará: Typ. de Frederico Carlos Ruossard, 1862.

PARÁ. Relatório do Governo da Província. Relatorio apresentado á Assembléa Legislativa Provincial na segunda sessão da 17.a legislatura pelo dr. Abel Graça, presidente da provincia. Pará: Typ. do Diario do Gram-Pará, 1871.

PARÁ. Relatório do Governo Província do. Relatório apresentado à Assembleia Legislativa Provincial na 2ª sessão da 22ª legislatura em 15 de fevereiro de 1881 pelo Exm.º Sr. Dr. José Coelho da Gama e Abreu. Pará: [s. n.], 1881.

PENTEADO, Antonio Rocha. O sistema portuário de Belém. Belém: UFPA, 1973.

PINON, Pierre. L’haussmannisation: réalité et perception en Europe. In: LORTIE, Andre (ed.). Paris s’exporte: architecture modèle ou modèles d’architectures. Paris: Pavillon de l’ArsenalPicard, 1995.

SARGES, Maria de Nazaré. Belém: riquezas produzindo a Belle Époque (1870-1910). Belém: Paka-Tatu, 2010.

SCHWEBEL, João André. Collecçam dos prospectos das aldeas, e lugares mais notaveis que se acham em o mapa que tiraram os engenheiros de expediçam principiando da cidade do Pará the a aldeã de Mariua no Rio-Negro, onde se acha o arrayal, alem dos prospectos de outras tres ultimas aldeas chamadas Camarâ, Bararuâ, Dari; situadas no mesmo rio.

[S. l.: s. n.], 1756.

SOARES, Elizabeth Nelo (org.). Largos, coretos e praças de Belém – PA. Brasília, DF: Iphan, 2009.

SOUZA, Roseane Silveira de. Teatro da paz: histórias invisíveis em Belém do Grão-Pará. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 93-121, 2010. Doi: <https://doi.org/10.1590/S0101-47142010000200003>.

SPELTZ, Alexander. Styles of Ornament. Leipzig: Brockhaus, 1910.

SPIX, Johann Baptist von. Viagem pelo Brasil: 1817-1820. Belo Horizonte: Itatiaia, 1981. v. 3.

TRINDADE, Elna Maria Andersen. O desenhador de Belém: Antônio José Landi e o movimento das imagens na Amazônia Colonial (1753-1791). 2017. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2017.

WARBURG, Aby. Introdução à mnemosine. In: História de fantasmas para gente grande: escritos, esboços e conferências. São Paulo: Companhia das Letras, 2015. p. 363-375

Downloads

Publicado

2021-10-19

Como Citar

Nunes, M. C., Nunes, M. C. R. G., & Eiró, J. (2021). A construção imagética de uma Belém idílica: trans-historicidade e movimento das imagens nas apólices da Port of Pará. Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 29, 1-37. https://doi.org/10.1590/1982-02672021v29e48

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material