Introdução: considerações sobre a materialidade da escrita e as três camadas de informação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672020v28d3e42intro2

Resumo

Apresentação do dossiê "Dimensões materiais da cultura escrita"

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Márcia Almada, Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Belas Artes

    Professora do Curso de Conservação-Restauração de Bens Culturais Móveis da Escola de Belas Artes da UFMG. Pesquisadora do projeto “A materialidade dos documentos pintados, entre a história e a preservação” (Capes Auxpe nº 585/2015). 

Referências

FONTE MANUSCRITA

DISCURSO Histórico sobre a Sublevação que nas Minas houve no ano de 1720. Arquivo

Público Mineiro, AVC17. Belo Horizonte: Arquivo Público Mineiro, [1720?].

LIVROS, ARTIGOS E TESES

ALMADA, Márcia. Das artes da pena e do pincel: caligrafia e pintura em manuscritos no século

XVIII. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012.

ALMADA, Márcia. Cultura material da escrita ou o texto como artefato. In: CONCEIÇÃO,

Adriana Angelita da; MEIRELLES, Juliana Gesuelli (orgs.). Cultura escrita em debate: reflexões

sobre o império português na América: séculos XVI a XIX. Jundiaí: Paco, 2018. p. 17-40.

ALMADA, Marcia; MONTEIRO, Rodrigo Bentes. O Discurso e a Noticia: manuscritos sobre a

revolta de 1720 atribuídos a Pedro Miguel de Almeida, 3º conde de Assumar. Tempo, Niterói,

v. 25, n. 1, p. 1-25, 2019. DOI: 10.1590/tem-1980-542x2018v250101. Disponível em: https://

clck.ru/QmJq3. Acesso em: 3 ago. 2020.

ANTUNES, Álvaro de Araujo. Minas de letras: agentes e proposições analíticas acerca da

“cultura dos escritos” em Minas Gerais, 1750-1834. Antíteses, Londrina, v. 13, n. 25, p. 621-648,

DOI: 10.5433/1984-3356.2020v13n25p621. Disponível em: <https://bit.ly/33dnR78>.

Acesso em: 9 set. 2020.

BOUZA ALVAREZ, Fernando. Corre manuscrito: una historia cultural del Siglo de Oro. Madrid:

Marcial Pons, 2001.

CAMPOS, Ana Cristina Torres. As nuances tonais na reintegração de perdas de suporte:

reflexões sobre decisões tomadas na restauração de manuscritos iluminados do século XVIII.

58 f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Curso de Conservação-Restauração

de Bens Culturais) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.

CASTILLO GÓMEZ, Antonio. El tempo de la cultura escrita: a modo de introducción. In:

CASTILLO GÓMEZ, Antonio (coord.). Historia de la cultura escrita: del próximo Oriente a la

sociedad informatizada. Gijón: Ediciones Trea, 2002. p. 15-25.

CASTRO, Aloisio Arnaldo Nunes de. A trajetória histórica da conservação-restauração de

acervos em papel no Brasil. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2012.

CHARTIER, Roger. Mistério estético e materialidades da escrita. In: CHARTIER, Roger. Inscrever

e apagar: cultura escrita e literatura, séculos XI-XVIII. São Paulo: Editora Unesp, 2007. p. 9-22.

CORREIA, Inês Isabel Simões de Abreu dos Santos. Estudo arqueológico dos códices iluminados do Fundo Laurbanense: as intervenções de conservação num corpus medieval. 2015. 370 f. Tese (Doutorado em História de Arte Medieval) – Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2015. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10362/14781>. Acesso em: 9 set. 2020.

DARNTON, Robert. A importância de ser bibliográfico. In: DARNTON, Robert. A questão dos

livros: passado, presente e futuro. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 146-163.

DARNTON, Robert. O diabo na água benta. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

DAYBELL, James. The material letter in early modern England. Hampshire: Palgrave Macmillan,

ELKINS, James. On some limits of materiality in art history. 31: Das Magazin des Instituts für

Theorie, Zürich, n. 12-13, p. 25-30, 2008. Número especial. Disponível em: <https://clck.ru/

RA6tg>. Acesso em: 9 set. 2020.

GIMENO BLAY, Francisco. Las llamadas ciencias auxiliares de la historia: ¿erronea

interpretación?? Consideraciones sobre el método de investigación en paleografía. Zaragoza:

Diputación Provincial, 1986.

MCKENZIE, Donald F. Bibliography and the sociology of texts. Cambridge: Cambridge

University Press, 1999.

MENESES, José Newton Coelho. Introdução: cultura material no universo dos Impérios

europeus modernos. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 9-12, 2017.

DOI: 10.1590/1982-02672017v25n01do. Disponível em: https://bit.ly/35kPywl. Acesso em: 9

set. 2020.

MORAIS, Ana Paiva. Luz, cor e ouro: estudos sobre manuscritos iluminados: lançamento de

e-book apresentação da base de dados ManuscriPT. Medievalista, Lisboa, n. 22, p. 1-9, 2017.

Disponível em: <https://clck.ru/QmJby>. Acesso em: 9 set. 2020.

NABAIS, Paula et al. A 1000-year-old mystery solved: unlocking the molecular structure for

the medieval blue from Chrozophora tinctoria, also known as folium. Science Advances,

Washington, DC, v. 6, n. 16, eaaz7772, 2020. DOI: 10.1126/sciadv.aaz7772. Disponível em:

<https://clck.ru/Qimgz>. Acesso em: 9 set. 2020.

PETRUCCI, Armando. Alfabetismo, escritura, sociedad. Barcelona: Editorial Gedisa, 1999.

RODRÍGUEZ DOMÍNGUEZ, Guadalupe. La imprenta en México en el siglo XVI. Mérida: Editora

Regional de Extremadura, 2018.

UTSCH, Ana. Rééditer Don Quichotte: materialite du livre dans la France du XIXe siècle. Paris:

Classiques Garnier, 2020.

ZERVOS, Spiros; KOULOURIS, Alexandros; GIANNAKOPOULOS, Gerofios. Intrinsic data

obfuscation as the result of book and paper conservation interventions. In: INTERNATIONAL

CONFERENCE ON INTEGRATED INFORMATION, 2011, Kos Island. Proceedings […]. Piraeus:

I-DAS Press, 2011. p. 254-257. Disponível em: <https://bit.ly/2FpLzUb>. Acesso em: 8 jul. 2017.

Publicado

2020-10-26

Edição

Seção

ECM/Dossiê: Dimensões materiais da cultura escrita

Dados de financiamento

Como Citar

ALMADA, Márcia. Introdução: considerações sobre a materialidade da escrita e as três camadas de informação. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 28, p. 1–13, 2020. DOI: 10.1590/1982-02672020v28d3e42intro2. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/174760.. Acesso em: 13 jul. 2024.