A tela do padre Bourel: percursos de uma pintura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672021v29e23

Palavras-chave:

Pintura, Século XVIII, Barroco Jesuítico, Rio Grande do Norte

Resumo

Estudo sobre a tela A morte do padre Filipe Bourel, pintura a óleo anônima que alude a uma missão jesuítica organizada entre os indígenas da nação Paiacu no final do século XVII, realizada na “Escola Portuguesa do século XVIII”. Foi parte de uma grande encomenda litúrgica e devota para ornamentar as igrejas erigidas com a expansão missionária pelas Capitanias do Norte. Remete-se à tradição barroca e segue o modelo de representação da morte de São Francisco Xavier na praia de Goa. Ao aplicarmos o método biográfico no estudo da imagem, acompanhamos o trânsito da pintura entre sua provável origem em uma oficina confessional, seu papel ornamental e devocional em uma igreja periférica do Império Português, os circuitos de colecionadores e leilões de arte, e suas formas de recepção na cultura contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Emilia Monteiro Porto, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutora em História pela Universidade de Salamanca. Professora titular da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Departamento de História. Artigo concluído em estágio de pós-doutorado realizado na Universidade Pablo de Olavide, Sevilha, em 2019. E-mail: mariaporto2@yahoo.com.br

Referências

LIVROS, ARTIGOS E TESES

ALCALÁ, Luisa Elena. A call to action: visual persuasion in a Spanish American painting. The Art Bulletin, London, v. 94, n. 4, p. 594-617, 2012. Doi: <https://doi.org/10.1080/00043079.2012.10786061>.

ALCALÁ, Luisa Elena. De compras por Europa: procuradores jesuítas y cultura material en la Nueva España. Goya: Revista de Arte, Logroño, v. 318, p. 141-158, 2007.

ALCALÁ, Luisa Elena. Jesuits and the visual arts in New Spain, 1670-1763. New York: The Institute of Fine Arts: New York University, 1998.

ALCIATO, Andrea. Emblematum Liber. Augsburg: Heinrich Steyner, 1531.

ALPERS, Svetlana. El arte de describir: el arte holandés en el siglo XVII. Madrid: Hermann Blume, 1987.

APPADURAI, Arjun. A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: Editora da UFF, 2008.

ARARIPE, Tristão de Alencar. Cidades petrificadas e inscripções lapidares no Brazil. Revista Trismestral do Instituto Histórico e Geographico Brazileiro, Rio de Janeiro, t. 50, p. 213-294, 1887.

BURKE, Peter. Visto y no visto: el uso de la imagen como documento histórico. Barcelona: Crítica, 2001.

CALABRESE, Omar. La era neobarroca. Madrid: Cátedra, 1987.

CEA GUTIÉRREZ, Antonio. Religiosidad popular, imágenes vestideras. Zamora: Obra Cultural Caja España, 1982

CERTEAU, Michel de. La fábula mística (siglos XVI-XVII). Madrid: Siruela, 2006.

CESÁREO, Mario. Menu y emplazamientos de la corporalidad barroca. In: MORAÑA, Mabel (ed.). Relecturas del Barroco de Indias. Hanover: Ediciones del Norte, 1994. p. 185-194.

COLI, Jorge. Episódio e alegoria. Anuário do Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro, v. 1, p. 105-128, 2009. Disponível em: <https://bit.ly/3es20NH>. Acesso em: 20 jun. 2020.

CONCÍLIO, Ecumênico de Trento. Montfort Associação Cultural, São Paulo, c2016. Disponível em: <https://bit.ly/3vijwuD>. Acesso em: 17 jul. 2019.

COUTO, Dom Domingos do Loreto. Desagravos do Brasil e glórias de Pernambuco (1757). Rio de Janeiro: Tipographia da Bibliotheca Nacional, 1904.

DAINVILLE, François de. La géographie des humanistes. Genève: Slatkine, 1969.

GUERRA, Válter de Brito. Apodi, no passado e no presente. Apodi: Coleção Mossoroense, 1995.

HAHN, Hans Peter; WEISS, Hadas. Introduction: biographies, travels and itineraries of things. In: HAHN, Hans Peter; WEISS, Hadas (eds.). Mobility, meaning and the transformations of things: shifting contexts of material culture through time and space. Oxford: [s. n.], 2013. Disponível em: <https://bit.ly/32KCVrN>. Acesso em: 8 dez. 2020.

JOAQUIM, Mariana Alliatti. O ofício do procurador-geral das missões e a formação de redes sociais da Companhia de Jesus nas missões do Grão-Pará e Maranhão. Oficina do Historiador, Porto Alegre, p. 1813-1831, 2014.

KOPYTOFF, Igor. A biografia cultural de coisas: a mercantilização como processo. In: APPADURAI, Arjun. A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: Eduff, 2008. p. 89-121.

LEAL, Pedro Germano; AMARAL JR., Rubem (eds.). Emblems in colonial Ibero-America. Glasgow: Stirling Maxwell Centre, 2016.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. São Paulo: Loyola, 2004a. v. 5.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. São Paulo: Loyola, 2004b. v. 7.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. São Paulo: Loyola, 2004c. v. 8.

LIMA, Luís Filipe Silvério; SILVA, Bianca Carolina Pereira da. A presença do Novo Mundo na iconografia da morte e dos sonhos de São Francisco Xavier. Varia Historia, Belo Horizonte, v. 30, n. 53, p. 407-441, 2014. Doi: <https://doi.org/10.1590/S0104-87752014000200005>.

LISSOVSKY, Mauricio. A vida póstuma de Aby Warburg: por que seu pensamento seduz os pesquisadores contemporâneos da imagem? Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi: Ciências Humanas, Belém, v. 9, n. 2, p. 305-322, 2014. Doi: <http://dx.doi.org/10.1590/1981-81222014000200004>.

LOCKHART, John; SCHWARTZ, Stuart. América Latina en la Edad Moderna: una historia de la América española y el Brasil coloniales. Madrid: Akal, 1992.

LOPES, Fátima Martins. Índios, colonos e missionários na colonização da Capitania do Rio Grande do Norte. Mossoró: Fundação Vingt-un Rosado, 2003.

MARAVALL, José Antonio. A cultura do barroco. São Paulo: Edusp, 1997.

MASEN, Jacob. Speculum imaginum veritatis occultae. Coloniae Ubiorum: Joannis Antonii Kinchii, 1650.

MAUAD, Ana Maria. A biografia política de uma fotografia. Jornal da Unicamp, Campinas, 20 abr. 2018. Disponível em: <https://bit.ly/3evr2eV>. Acesso em: 20 abr. 2019.

MEDEIROS FILHO, Olavo de. A morte do padre Filipe Bourel: descoberta a primeira pintura do Rio Grande do Norte. Tribuna do Norte, Natal, 24 out. 1993.

MEDEIROS FILHO, Olavo de. Os antigos cronistas e os rios Upanema, Apodi e Mossoró. Mossoró: Fundação Vingt-un Rosado, 1987.

MEDEIROS FILHO, Olavo de. Os índios do Açu e do Seridó. Brasília, DF: Editora do Senado, 1984.

MELLO, Evaldo Cabral de. À sombra dos coqueirais. Folha, [s. l.], 4 abr. 1999. Disponível em: <https://cutt.ly/KfTyTL5>. Acesso em: 4 jun. 2019.

MOREAU, Pierre; BARO, Roulox. História das últimas lutas no Brasil entre holandeses e portugueses e relação da viagem ao país dos Tapuias. Belo Horizonte: Itatiaia, 1979.

MORGADO GARCÍA, Arturo. Historia de la cultura en la edad moderna. Cádiz: Universidad de Cádiz, 2019.

MOTT, Luiz. A Inquisição no Rio Grande do Norte. O Poti, Natal, 13 jul. 1986. Disponível em: <https://cutt.ly/TfTeVIh>. Acesso em: 17 jun. 2019.

MOTTA, Nonato. Notas sobre a Ribeira do Apody. Revista do IHGRN, Natal, v. 18-19, p. 45-90, 1920-1921.

OLIVEIRA, Carla Mary da Silva. A América alegorizada: imagens e visões do Novo Mundo na iconografia europeia dos séculos XVI a XVIII. João Pessoa: Editora da UFPB, 2014.

OLLERO-LOBATO, Francisco. De la ocasión a la alegoría: retratos, imágenes y fiestas tras la victoria de Viena de 1683. Quintana, Logroño, v. 13, p. 221-239, 2014.

PEREIRA, Joaquim. Memoria sobre a extrema fome e triste situação em que se achava o sertão da Ribeira do Apody da Capitania do Rio Grande do Norte. RIHGB, Rio de Janeiro, v. 20, p. 175-185, 1857.

PESSOA, Ângelo Emílio da Silva. As ruínas da tradição: a Casa da Torre de Garcia d’Ávila. Família e propriedade no nordeste colonial. João Pessoa: Editora da UFPB, 2017.

PORTO, Maria Emilia Monteiro. Jesuítas na Capitania do Rio Grande, séc. XVI-XVIII: arcaicos e modernos. 2001. Tese (Doutorado em História) – Universidad de Salamanca, Salamanca, 2001.

PUNTONI, Pedro. A guerra dos bárbaros: povos indígenas e a colonização do sertão nordeste do Brasil, 1650-1720. São Paulo: Hucitec, 2000.

RIPA, Cesare. Iconologia overo descrittione dell’imagini universali cavate dall’Antichità et da altri luoghi. Roma: Heredi di Giovanni Gigliotti, 1593.

RODRÍGUEZ DE LA FLOR, Fernando. De las Batuecas a las Hurdes: fragmentos para una historia mítica de extremadura. Mérida: Regional de Extremadura, 1989.

RODRÍGUEZ DE LA FLOR, Fernando. Emblemas: lecturas de la imagen simbolica. Madrid: Alianza, 1995.

RODRÍGUEZ DE LA FLOR, Fernando. Espectros de Murillo. In: ROMERO, Pedro; MARTÍNEZMONTIEL, Luis; VÁZQUEZ, Joaquín (coord.). Aplicación Murillo: materialismo, charitas, populismo. Sevilla: Icas, 2019. p. 9-24.

SALMORAL, Manuel Lucena. Historia de Iberoamérica. Madrid: Cátedra, 1990. t. 2.

SANTOS, Luísa Ximenes. A palavra e a imagem: usos da emblemática na assistência portuguesa da Companhia de Jesus. 2015. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Pernambuco, 2015.

SCHAMA, Simon. Paisagem e memória. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SCHEID, Nicolas. Der Jesuit Jakob Masen, ein Schulmann und Schrifsteller des 17 Jh. Köln: Commissions Verlag und Druck von J. P. Bachem, 1898.

SERRÃO, Vitor. Os programas imagéticos na arte barroca portuguesa: a influência dos modelos de Lisboa e a sua repercussão nos espaços luso-brasileiros. Boletim Cultural da Assembleia Distrital de Lisboa, Lisboa, t. 1, n. 95, p. 149-186, 2009.

SERRÃO, Vítor. A leitura micro-artística e a eficácia teórico-metodológica da nossa disciplina: “estudos de caso” na Idade Moderna portuguesa. In: FLOR, Pedro (coord.). Pensar história da arte: estudos em homenagem a José-Augusto França. Lisboa: Esfera do Caos, 2016. p. 59-80.

SOUZA, Alcídio Mafra. O Museu Nacional de Belas Artes. São Paulo: Banco Safra, 1985.

SOUZA, Maria Eduarda Alves de. Duas mostras das novidades no Belas-Artes. Jornal do Brasil, [s. l.], v. 93, n. 87, p. 8, 1983

Downloads

Publicado

2021-06-14

Como Citar

Porto, M. E. M. (2021). A tela do padre Bourel: percursos de uma pintura. Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 29, 1-42. https://doi.org/10.1590/1982-02672021v29e23

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material