Da cor à imagem urbana: paradigmas contemporâneos nas cores do patrimônio cultural brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672021v29e55

Palavras-chave:

Intervenções cromáticas, Cor, Imagem urbana, Patrimônio cultural, Paradigmas

Resumo

A segunda metade do século XX foi marcada pela revisão e crítica à ideologia do movimento moderno e por novas abordagens dos conceitos de cultura e de história, cujas reverberações estenderam-se aos bens culturais. O objeto do patrimônio começou a abranger novas temporalidades e naturezas de valor patrimonial e passou a ser aplicado a tipologias materiais e imateriais, momento em que produz uma mercadoria e um objeto de consumo. Inseridas nesse contexto, as cores das superfícies arquitetônicas refletem as práticas de preservação e os princípios gerais que norteiam as intervenções. Nesse cenário, este artigo enfatiza as narrativas imagéticas e identifica a recorrência de atitudes estruturantes na base das intervenções cromáticas em bens culturais edificados. Identificadas como paradigmas, fundamentam-se no culto ao valor de novidade, em tendências cromáticas como o uso do amarelo na arquitetura historicista e no turismo cultural. O artigo analisa a existência de tais paradigmas a partir de intervenções cromáticas realizadas em bens culturais edificados no Brasil. O referencial teórico aborda o conceito de imagem urbana e é fundamentado nas reflexões de Jean Baudrillard, Guy Debord, Pierre Jeudy, no restauro crítico de Cesare Brandi e na interpretação cultural contemporânea de Flávio Carsalade. Os resultados demonstram que apesar do discurso teórico consolidado que preconiza a análise caso a caso, na prática as decisões projetuais cromáticas não refletem as tendências atuais da teoria da restauração e revelam que a questão da cor no patrimônio cultural não foi superada e deve ser discutida em toda sua complexidade histórica, teórica e fenomenológica.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Luciana da Silva Florenzano, Universidade Federal do Rio de Janeiro

    Arquiteta e Urbanista pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Doutoranda em Arquitetura na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) pelo Programa de Pós-graduação em Arquitetura (Proarq). E-mail: <lucianaflorenzano@gmail.com>.

  • Rosina Trevisan Martins Ribeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

    Atualmente é Professora do quadro Permanente do Programa de Pós-graduação em Arquitetura (Proarq) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e do Mestrado Profissional em Projeto e Patrimônio do Proarq/UFRJ. E-mail: <rosinatrevisan@gmail.com>.

Referências

AGUIAR, José. Cor e cidade histórica: estudos cromáticos e conservação do patrimônio. Lisboa: Faup Publicações, 2002.

BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulação. Lisboa: Relógio d’Água, 1991.

BEZERRA, Ana Luísa Furquim; NAPPI, Sérgio Castelo Branco. Identificação das cores de fachadas de edificações históricas. Museologia e Patrimônio, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 69-86, 2012.

BRANDI, Cesare. Il restauro: teoria e pratica. Roma: Riuniti, 2009.

BRANDI, Cesare. Teoria da restauração. Cotia: Ateliê, 2008.

CARBONARA, Giovanni. Avvicinamento al restauro: teoria, storia, monumenti. Napoli: Liguori, 1997.

CARBONARA, Giovanni. Brandi e a restauração arquitetônica hoje. Desígnio, São Paulo, n. 6, p. 3547, 2006.

CARBONARA, Giovanni. Il tema del colore in architettura con una riflessione sul caso del

Quartiere Coppedé in Roma. Recupero e Conservazione Magazine, Arona, v. 158, p. 10-19, 2020.

CARBONARA, Giovanni. Trattato di restauro architettonico. Torino: Utet, 2004. v. 1.

CARSALADE, Flavio de Lemos. A pedra e o tempo: arquitetura como patrimônio cultural. Belo Horizonte: UFMG, 2014.

CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 1998.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

COLQUHOUN, Alan. Modernidade e tradição clássica: ensaios sobre arquitetura. São Paulo:

Cosac & Naify, 2004.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2007.

JEUDY, Henri-Pierre. Espelho das cidades. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2005.

KÜHL, Beatriz Mugayar. História e ética na conservação e na restauração de monumentos

históricos. Revista do IEEE América Latina, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 1-11, 2005.

KÜHL, Beatriz Mugayar. O tratamento das superfícies arquitetônicas como problema teórico

da restauração. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 12, p. 309-330, 2004.

KUHN, Thomas Samuel. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1998.

LANCASTER, Michael. Colourscape. Londres: Academy, 1996.

LENCLOS, Jean-Philippe; LENCLOS, Dominique. Colors of the World. The Geography of Color.

London: W. W. Norton & Company, 2004.

LIRA, Flaviana Barreto. Patrimônio cultural e autenticidade: montagem de um sistema de

indicadores para o monitoramento. 2009. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Urbano) –

Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.

LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

MACHADO, Erika Pereira. A cobertura do Theatro Municipal do Rio de Janeiro: restauração

ou reconstrução? 2012. Dissertação (Mestrado em Preservação do Patrimônio Cultural) –

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, 2012.

MAGAR MEURS, Valerie; SCHNEIDER GLANDZ, Renata (orgs.). Construir teoría. Ciudad de

México: Instituto Nacional de Antropología e Historia, 2018.

MONTANER, Josep Maria. Depois do movimento moderno: Arquitetura da segunda metade do

século XX. Barcelona: Editora Gustavo Gili, 2011.

MONTANER, Josep Maria; MUXÍ, Zaida. Arquitetura e Política. Barcelona: Gustavo Gili, 2014.

NESBITT, Kate (org.). Uma nova agenda para arquitetura: antologia teórica (1965-1995). São

Paulo: Cosac Naify, 2008.

PHILIPPOT, P. La notion de patine et le nettoyage des peintures. Bulletin de l’Institut Royale

du Patrimoine Historique, Bruxelles, v. 9, p. 138-143, 1966.

RIEGL, Aloïs. O culto moderno dos monumentos: a sua essência e a sua origem. Goiânia:

Editora da UCG, 2006.

ROCHA-PEIXOTO, Gustavo. A estratégia da aranha: ou: da possibilidade de um ensino

metahistórico em arquitetura. Rio de Janeiro: Riobooks, 2013.

ROSADA, Mateus; BORTOLUCCI, Maria Angela Pereira. Os dilemas do restauro da pintura

eclética nas igrejas barrocas paulistas. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE REABILITAÇÃO

DO PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO E EDIFICADO, 12., 2014, Bauru. Anais […]. Bauru: Faac,

p. 365-373.

SANT’ANNA, Marcia. A cidade-atração: a norma de preservação de áreas centrais no Brasil

dos anos 1990. Salvador: Edufba, 2017.

TIRELLO, Regina. Restaurar não é pintar os edifícios de amarelo. Questões sobre técnicas

construtivas tradicionais. In: FONTES, Maria Solange Gurgel de Castro; CONSTANTINO, Norma

Regina Truppel; BITTENCOURT, Luiz Cláudio (orgs.). Arquitetura e urbanismo: novos desafios

para o século XXI. Bauru: Editora Unesp, 2009. p. 21-35.

VITIELLO, Maria. Identità cromatica e paesaggio. In: ROSSI, Maurizio; SINISCALCO, Andrea

(orgs.). Colore e colorimetria: contributi multidisciplinari. Santarcangelo di Romagna: Maggioli, 2012. v. VIII/A, p. 215-221.

VITIELLO, Maria. Il testo e il contesto: per una scrittura narrativa della facies urbana attraverso

le superfici e le cromie. In: ROSSI, Maurizio (org.). Colore e colorimetria: contributi multidisciplinari. Santarcangelo di Romagna: Maggioli, 2011. v. VII/A, p. 604-610.

YAÑES, Celia Martinez. Carta Internacional de Turismo Cultural do Icomos de 1999: primeira

aproximação para sua revisão e atualização. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Brasília, DF, n. 39, p. 71-90, 2019.

ZONNO, Fabiola do Valle. Lugares complexos: poéticas da complexidade: entre arquitetura,

arte e paisagem. Rio de Janeiro: FGV, 2014.

SITE

DALLA NEGRA, Ricardo. Forma formante: il progetto di restauro come processo critico.

Architetti, [S. l.], 21 abr. 2015. Disponível em: <https://bit.ly/3zrQkmK>. Acesso em: 16 nov. 2020.

Downloads

Publicado

2021-11-22

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material

Dados de financiamento

Como Citar

FLORENZANO, Luciana da Silva; RIBEIRO, Rosina Trevisan Martins. Da cor à imagem urbana: paradigmas contemporâneos nas cores do patrimônio cultural brasileiro. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 29, p. 1–45, 2021. DOI: 10.1590/1982-02672021v29e55. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/178536.. Acesso em: 12 jul. 2024.