Tumba, templo e pirâmide: arquitetura e repatriação no Grande Museu Egípcio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672021v30e5

Palavras-chave:

Arquitetura contemporânea, Acervos museológicos, Grande Museu Egípcio, Repatriação

Resumo

Este artigo analisa os projetos de arquitetura contemporânea referentes a novos museus e sua relação com a demanda pela repatriação de acervos museológicos. A metodologia baseia-se no estudo do projeto arquitetônico do Grande Museu Egípcio (GME) – ainda em fase de consolidação – em diálogo com as experiências do Museu da Acrópole, em Atenas, e do Museu Real do Benim. Localizado a cerca de dois quilômetros das Pirâmides de Gizé, o GME está sendo construído com padrões de excelência para acondicionar e expor suas coleções egiptológicas. Seu desenvolvimento foi fruto de uma competição internacional de arquitetura promovida pelo governo egípcio, que selecionou três projetos finalistas: Rizzi, Himmelblau e Peng. Entendemos que essas propostas podem ser interpretadas a partir de três figuras importantes que nortearam o desenvolvimento de formas arquitetônicas contemporâneas: a tumba, o templo e a pirâmide. Consideramos que o projeto do GME está vinculado ao processo de consolidação da estruturação museal egípcia, que pode se relacionar aos pedidos de repatriação (ou mesmo empréstimo) de acervos museológicos, empreendidos desde 2002 no país pelo arqueólogo egípcio Zahi Hawass. Acreditamos que o caso do GME, assim como os outros exemplos citados, contribui para desarticular o argumento da falta de condições para armazenamento e pesquisa dos acervos museológicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bianca Manzon Lupo, Universidade de Mogi das Cruzes

Professora nos cursos de arquitetura e urbanismo da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC) e da Universidade Nove de Julho (Uninove). Doutoranda e mestra em história e fundamentos da arquitetura e do urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP). Especialista em museologia, colecionismo e curadoria pelo Centro Universitário Belas Artes de São
Paulo (Febasp). Arquiteta e urbanista pela FAU-USP, com passagem pelo Politecnico di Milano (Polimi, Itália). Filiada ao Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus (Icom-BR). E-mail: bianca.lupo@usp.br

Karine Lima da Costa , Universidade Estadual do Paraná

Professora colaboradora do curso de Museologia da Universidade Estadual do Paraná (Unespar). Licenciada, bacharela e mestra em história pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS); doutora em história pela Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc); e bacharela em museologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). E-mail: kakalima1@gmail.com

Referências

LIVROS, ARTIGOS E TESES

ARANTES, Otília Beatriz Fiori. Berlim e Barcelona: duas imagens estratégicas. São Paulo: Annablume, 2012.

ARANTES, Otília Beatriz Fiori. O lugar da arquitetura depois dos modernos. São Paulo: Edusp, 2015.

ARANTES, Otília Beatriz Fiori; VAINER, Carlos; MARICATO, Ermínia. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2013.

BASSIR, Hussein. The Grand Egyptian Museum: a home for interconnections. Journal of Ancient Egypt Interconnections, Tucson, v. 5, n. 4, p. 6-8. 2013. DOI: 10.2458/azu_jaei_v05i4_ bassir.

BEQRAJ, Samina. La simbologia della piramide in differenti contesti geografici. 2019.

Monografia (Graduação em Ciências da Comunicação) – Università degli Studi dell’Insubria, Varese, 2019.

BONALUME NETO, Ricardo. Discovery Channel procura ciência e entretenimento. Folha de S. Paulo, São Paulo, 11 abr. 2004. Disponível em: https://bit.ly/394D39N. Acesso em: 20 jan. 2021.

BORGES, Luiz Carlos; BOTELHO, Marilia Braz. Museus e restituição patrimonial: entre a coleção e a ética. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 11., 2010, Rio de Janeiro. Anais […]. Rio de Janeiro: PPGCI, 2010. p. 1-20.

BURKE, Peter. Repatriação de objetos históricos pode fragmentar acervos de grandes museus e empobrecer o mundo. Folha de S. Paulo, São Paulo, 28 fev. 2010. https://bit.ly/3oMDNIq. Acesso em: 13 dez. 2021.

CARVALHO, Mônica de. Cidade global, anotações críticas sobre um conceito. Revista São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 14, n. 4, p. 70-82, 2000. DOI: 10.1590/S0102-88392000000400008. CHING, Francis; JARZOMBEK, Mark; PRAKASH, Vikramaditya. História global da arquitetura. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2016.

COSTA, Karine Lima da. A demanda pela restituição do patrimônio cultural através das relações entre a África e a Europa. Locus: Revista de História, Juiz de Fora, v. 26, n. 2, p. 193-209, 2020. DOI: 10.34019/2594-8296.2020.v26.31068.

COSTA, Karine Lima da. Caminhos para a descolonização dos museus: a questão da repatriação das antiguidades egípcias. 2019. Tese (Doutorado em História) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

COLQUHOUN, Alan. Forma y figura. Oppositions, [s. l.], n. 12, 2008.

FERREIRA, Lúcio Menezes. Patrimônio arqueológico, pós-colonialismo e leis de repatriação. In: FUNARI, Pedro Paulo Abreu; PELEGRINI, Sandra; RAMBELLI, Gilson (org.). Patrimônio cultural e ambiental: questões legais e conceituais. São Paulo: Annablume, 2009. v. 1, p. 67-85.

Grécia quer resgatar de Londres as esculturas do Pártenon. National Geographic, Portugal, 19 jan. 2017. Disponível em: https://bit.ly/2KANgkT. Acesso em: 20 jan. 2021.

FOSTER, Hal. O complexo arte-arquitetura. São Paulo: Ubu, 2017.

KRUFT, Hanno-Walter. História da teoria da arquitetura. São Paulo: Edusp, 2016.

KYNOURGIOPOULOU, Vasiliki. National identity interrupted: the mutilation of the Parthenon marbles and the Greek claim for repatriation. In: SILVERMAN, Helaine (ed.). Contested cultural heritage: religion, nationalism, erasure and exclusion in a global world. New York: Springer, 2011. p. 155-170.

LAGE, Celina F. A maldição de Minerva: Lorde Byron e as esculturas do Partenon. Artefilosofia, Ouro Preto, v. 11, n. 20, p. 63-72, 2016.

LAPUENTE, Rafael Saraiva. A imprensa como fonte: apontamentos teórico-metodológicos iniciais acerca da utilização do periódico impresso na pesquisa histórica. Revista de História Bilros, v. 4, n. 6, p. 11-29, 2016.

LEFAIVRE, Liane; TZONIS, Alexander. Por que regionalismo crítico hoje? In: NESBITT, Kate (org.). Uma nova agenda para a arquitetura: antologia teórica: 1965-1995. São Paulo: Cosac Naify, 2013. p. 520-533.

LUNDÉN, Staffan. Displaying loot: the Benin objects and the British Museum. Gothenburg: Gothenburg University, 2016.

LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

MACIEL, Maria Eunice; ABREU, Regina. Antropologia dos museus: um campo de estudos em expansão. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, n. 53, p. 7-15, 2019.

MARSHALL, Alex. A new museum to bring the Benin bronzes home. The New York Times, Nova York, 13 nov. 2020. Disponível em: https://nyti.ms/3c2MXKO. Acesso em: 20 jan. 2021.

MIGNOLO, Walter. The darker side of western modernity: global futures, decolonial options. London: Duke University Press, 2011.

MONEIM, Walid A.; SHAFIK, Zeinab; MANSOUR, Yasser. The Grand Museum of Egypt and the challenge of sustainability. In: CONFERENCE SUSTAINABLE ARCHITECTURAL AND URBAN DEVELOPMENT, 1., 2004, Cairo. Proceedings […]. [S. l.: s. n.], 2004. p. 1-20.

MONTANER, Josep Maria. A condição contemporânea da arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2016.

MUMFORD, Lewis. Formas e modelos ancestrais: o Egito e a cidade aberta. In: A cidade na história: suas origens, transformações e perspectivas. São Paulo: Martins Fontes, 2004. p. 93- 104.

NESBITT, Kate. Uma nova agenda para a arquitetura: antologia teórica: 1965-1995. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

OBA, Leonardo Tossiaki. Arquitetura no papel: a obra não construída como referência histórica. Arquitextos, São Paulo, ano 15, n. 180.03, 2015.

PEREIRA, Cilene. “Espero encontrar a tumba da rainha Cleópatra”. Isto É, São Paulo, 3 jan. 2019. Disponível em: https://bit.ly/3dNe0tu. Acesso em: 13 dez. 2021.

PIRES, Kimberly. A defesa de uma presença: a disputa pela repatriação dos mármores do Parthenon. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Museologia) – Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

PROCÓPIO, Carmem Maria Oliveira; NERES, Rodrigo Morganti. Museu da Acrópole de Atenas: a arquitetura de Bernard Tschumi e a paisagem. In: COLÓQUIO IBERO-AMERICANO PAISAGEM CULTURAL, PATRIMÔNIO E PROJETO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS, 3., 2014, Belo Horizonte. Anais […]. [S. l.: s. n.],: 2014. p. 1-22.

ROSSI, Aldo. A arquitetura da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SALES, José das Candeias. A arqueologia egípcia no século XIX: da “caça ao tesouro” à salvaguarda da herança faraónica. Cadmo: Revista do Instituto Oriental Universidade de Lisboa, Lisboa, n. 12, 2002.

SPERLING, David. Museu contemporâneo: e espaço do evento como não-lugar. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE MUSEOGRAFIA E ARQUITETURA DE MUSEUS, 2005, São Carlos. Anais […]. [S. l.: s. n.],: 2005.

TAYLOR, Kate. Responsável por tesouros do Egito cai em desgraça. Estadão, São Paulo, 15 jul. 2011. Disponível em: https://bit.ly/3qSQtfd. Acesso em: 20 jan. 2021.

THE GRAND Egyptian Museum: one of the biggest cultural openings of 2020. The Stylemate, [s. l.], 5 mar. 2020. Disponível em: https://bit.ly/323XT8g. Acesso em: 22 jan. 2021.

TIETZ, Jürgen. História da arquitectura contemporânea. [S. l.]: Konemann, 2008.

UNESCO. Convenção relativa às medidas a serem adotadas para proibir e impedir a importação, exportação e transferência de propriedades ilícitas dos bens culturais. Paris: Unesco, 1970.

UNESCO. Heritage landscape of Egypt. n. 225-226, vol. LVII, nº 1, 2 2005. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000140905. Acesso em: 16 dez. 2021.

ENTREVISTAS

Héctor Vigliecca e Luciene Quel. [Entrevista cedida às] autoras. São Paulo, 23 out. 2020.

SITES

EGITO busca repatriar antiguidades expostas em diversos museus do mundo. Opinião e Notícia, Rio de Janeiro, 9 fev. 2011. Disponível em: https://bityli.com/JNRW9xu. Acesso em: 20 jan. 2021.

EGYPT to get German statue... on loan. News Network Archaeology, [s. l.], 15 abr. 2010.

Disponível em: https://bit.ly/3IJpMTL. Acesso em: 13 dez. 2021.

ESPARZA, Pablo. Como será a grandiosa e polêmica capital que o Egito está construindo no meio do deserto. BBC News, São Paulo, 9 jun. 2018. Disponível em: https://bbc.in/3pSMCzR. Acesso em: 13 dez. 2021.

GROSSER, Richard. The Grand Egyptian Museum: A4 descriptors: competition. [S. l.: s. n.], c2021. Disponível em: https://bit.ly/3GAzQfU. Acesso em: 13 dez. 2021.

The new Benin Royal Museum to see the temporary restitution of art and artifacts. Art Critique, Paris, 1 nov. 2018. Disponível em: https://bit.ly/3sIy5ap. Acesso em: 20 jan. 2021.

KOTSELI, Areti. ‘I am Greek and I want to go home’ movement for the repatriation of looted Greek antiquities. Greek Reporter, [s. l.], 5 ago. 2012. Disponível em: https://bit.ly/3p4hrzW. Acesso em: 20 jan. 2021.

MONKS, Kieron. British Museum to return Benin bronzes to Nigeria. CNN, Atlanta, 14 dez. 2018. Disponível em: https://cnn.it/3qJg49Y. Acesso em: 20 jan. 2021.

PYRAMIDS Plateau development projetct to be opende in late 2019. Egypt Today, [s. l.], 4 maio 2019. Disponível em: https://bit.ly/33sAb6c. Acesso em: 13 dez. 2021.

RETURN, RESTORE, RESTART: An international campaign for the reunification of the Parthenon Marbles. Themanews, [s. l.], 26 jun. 2014. Disponível em: https://bityli.com/B1d1VBx. Acesso em: 17 dez. 2021.

RIZZI, Renato. Il Cairo: The Grand Museum of Egypt. Divisare, Roma, 15 mar. 2005. Disponível em: https://bit.ly/2VGeSqv. Acesso em: 18 nov. 2020.

THE GRAND Egyptian Museum: competition results. New Italian Blood, Italy, 9 jun. 2003. Disponível em: https://bit.ly/39rCoQ7. Acesso em: 3 nov. 2020.

THE GRAND Egyptian Museum: one of the biggest cultural openings of 2020. The Stylemate, [s. l.], 5 mar. 2020. Disponível em: https://bit.ly/323XT8g. Acesso em: 22 jan. 2021.

THE INTERNATIONAL Architecture Competition for the Grand Egyptian Museum. Portal Vitruvius, [s. l.], ano 3, jun. 2003. Disponível em: https://bit.ly/3s3wZIw. Acesso em: 22 jan. 2021.

UNESCO. Egyptian Museum in Cairo. [S. l.], 2020. Disponível em: https://whc.unesco.org en/tentativelists/6511/. Acesso em: 16 nov. 2021.

Downloads

Publicado

2022-03-28

Como Citar

Lupo, B. M., & Costa , K. L. da. (2022). Tumba, templo e pirâmide: arquitetura e repatriação no Grande Museu Egípcio. Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 30, 1-34. https://doi.org/10.1590/1982-02672021v30e5

Edição

Seção

Museus