A sombra de Anchieta: cultura material e memória histórica em museus, cidades e paisagens

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672021v30e6

Palavras-chave:

José de Anchieta, Cultura Material, Museus, Monumentos Históricos

Resumo

Este artigo analisa como alguns artefatos e lugares foram valorizados e preservar a partir de sua associação com a figura do padre José de Anchieta (1533-1597). Relaciona-se tais objetos e sítios com a construção de sua imagem histórica sob dois aspectos principais: o hagiográfico e o heroico, entendendo este último como o esforço em fazer de Anchieta um dos grandes protagonistas de uma interpretação épica da colonização do Brasil pelos portugueses, que objetivava construir uma memória nacional durante a passagem do século XIX para o século XX. Preferivelmente à produção de monumentos e eventos públicos em sua homenagem, procura-se aqui avaliar a musealização ou a preservação in situ de artefatos e sítios supostamente associados a Anchieta existentes em algumas cidades paulistas, que funcionam como fixadores de sua imagem heroificada no tempo presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Andrade, Universidade de São Paulo

Historiador pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), mestre em história, na área de política, memória e cidade e doutor em história, na área de história da arte, pela mesma instituição. E-mail: chicodandrade@gmail.com.

Referências

FONTES MANUSCRITAS

ALMEIDA, Adilson. Catálogo dos objetos líticos do acervo do Museu Paulista. [S. l.: s. n.], c. 1990, p. 1-37. Texto datilografado. Acervo Permanente do Museu Paulista, Fundo Museu Paulista.

FONTES IMPRESSAS

“Conceição de Itanhaém”, Correio Paulistano, 17 nov. 1924.

“De S. Paulo a Conceição de Itanhaen”, Commercio de São Paulo, 10 jun. 1896.

“De S. Paulo a Conceição de Itanhaen”, Commercio de São Paulo, 16 jun. 1896.

“Festejos pelo tricentenário de Anchieta”, Echo Ubatubense, 20 jun. 1897.

“Itanhaém de outrora”, A Tribuna, 10 nov. 1963.

“Itanhaen”, Correio Paulistano, 20 nov. 1924.

“Mala do interior – Santos”, Correio Paulistano, 17 abr. 1905.

“Museu Paulista: uma interessante exposição de elementos quinhentistas”, Correio Paulistano, 30 abr. 1926.

“Notas e informações”, O Estado de S. Paulo, 18 de julho 1896.

“Uma excursão proveitosa”, Mensageiro do Sagrado Coração de Jesus, n. 21, fevereiro de 1898.

LIVROS, ARTIGOS E TESES

ANCHIETA, José de. Cartas, informações, fragmentos históricos e sermões do padre Joseph de Anchieta, S. J. (1554 – 1594). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1933.

ARAÚJO, José de Souza Azevedo Pizarro e. Memórias históricas do Rio de Janeiro e das províncias anexas à jurisdição do Vice-Rei do Estado do Brasil. Rio de Janeiro: Impressão Régia, 1820. Disponível em: https://bit.ly/3cGXs6c. Acesso em: 7 fev. 2022.

AZEVEDO MARQUES, Manuel Eufrásio. Apontamentos históricos, geográficos, biográficos, estatísticos e noticiosos da Província de São Paulo. São Paulo: Livraria Martins, 1954. 2 v.

BERETTARI, Sebastiano. Vida del padre Ioseph de Anchieta de la Compañia de Iesvs, y Provincial del Brasil. Salamanca: Emprenta de Antônia Remirez Viuda, 1618. Disponível em: https://bit.ly/3cGIgWF. Acesso em: 7 fev. 2021.

BERRIEL, Carlos. Tietê, Tejo, Sena: a obra de Paulo Prado. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

BROWN, Penelope. Up, down and across the land: landscape terms, place names, and spatial language in Tzeltal. Language Sciences, Amsterdam, v. 30, n. 2, p. 151-181, 2008. DOI: 10.1016/j.langsci.2006.12.003.

BURKE, Peter. Variedades de história cultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

CALIXTO, Benedito. A villa de Itanhaém: segunda povoação fundada por Martim Affonso de Souza. Santos: Typographia do Diário de Santos, 1895.

CALIXTO, Benedito. Memória histórica sobre a egreja e o convento da Immaculada Conceição de Itanhaém. Santos: Typographia São José, 1915.

CAMARGO, Ophélia Alves Figueira de. Ubatuba ou “Ubachuva”, uma questão de geografia. Ubatuba: Graphbox, 1994.

CAMPOS, Allisson Borges de et al. Mapeamento geológico do complexo costeiro na Cama de Anchieta, bairro Praia dos Sonhos, cidade de Itanhaém. 2016 (Monografia) – Centro Universitário Monte Serrat, Santos, 2016.

CANADO JÚNIOR, Roberto dos Santos. Um monumento colonial para uma cidade moderna: o conjunto jesuítico do Pátio do Colégio nas comemorações do IV Centenário de São Paulo.

Risco: Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo, São Paulo, v. 19, p. 1-16, 2021. DOI: 10.11606/1984-4506.risco.2021.157718.

CARDIM FILHO, Carlos Alberto Gomes. O Pátio do Colégio. Revista do Arquivo Municipal, São Paulo, n. 187, 1975, p. 83-97.

CARVALHO, José M. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CAXA, Quirício. Breve relação da vida e morte do padre José de Anchieta. São Paulo: Obelisco, 1965.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

CONDEPHAAT. O sítio urbano original de São Paulo: o Pátio do Colégio. São Paulo: Secretaria de Cultura, Ciência e Tecnologia, 1977.

CONTE, Marília Bonas. A(s) vida(s) da pia de água benta da primeira igreja de São Paulo no Museu Paulista da USP. 2011. Dissertação (Mestrado em Museologia) – Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia, Lisboa, 2011.

DOSSE, François. O desafio biográfico: escrever uma vida. São Paulo: Edusp, 2009.

ERIKSEN, Anne. From antiquities to heritage: transformations of cultural memory. New York: Berghahn, 2014.

FLECK, Eliane Cristina Deckmann. Jose de Anchieta: um missionário entre a história e a glória dos altares. Projeto História: Revista do Programa de Estudos de Pós-Graduados de História, São Paulo, v. 41, p. 155-194, 2010. Disponível em: https://bit.ly/3vk2EDz. Acesso em: 7 fev. 2022.

FREITAS, Camila Corrêa e Silva de. Divulgar a biografia de um santo: os usos e as apropriações da figura de José de Anchieta no Brasil e A refna Europa (século XVII). 2016. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. DOI: 10.11606/T.8.2017.tde-02082017-113910.

FREITAS JÚNIOR, Affonso de. Discurso proferido na sessão magna de 1º de novembro de 1927.

Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, São Paulo, v. 25, p. 595-611, 1928.

FUNARI, Pedro Paulo. Arqueologia e patrimônio. Erechim: Habilis, 2007.

GERODETTI, João Emilio; CORNEJO, Carlos. Lembranças de São Paulo: o litoral Paulista nos cartões-postais e álbuns de lembrança. São Paulo: Solaris Edições Culturais, 2001.

GÓES, César Hamilton Brito. Nos caminhos do santo Monge: religião, sociabilidade e lutas sociais no sul do Brasil. 2008. Tese (Doutorado em Sociologia) – Instituto de Filosofia E ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008. Disponível em: https://bit.ly/3vk378N. Acesso em: 7 fev. 2022.

GUISARD FILHO, Felix. Ubatuba. São Paulo: Gráfica Paulista, 1940.

HEULHARD, Arthur. Villegagnon, roi d’Amérique, un homme de mer au XVIe siècle. Paris: Leroux, 1897.

IHERING, Hermann von. O Museu Paulista nos annos de 1906 a 1909. Revista do Museu Paulista, São Paulo, v. 8, p. 1-22, 1911.

KARSBURG, Alexandre de Oliveira. O eremita do Novo Mundo: a trajetória de um peregrino italiano na América do século XIX (1838-1869). 2012. Tese (Doutorado em História Social) – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: https://bit.ly/3grQSRS. Acesso em: 7 fev. 2022.

KUHN, João Carlos Santos. Resistências sagradas: Pátio do Colégio, secularização e reconstrução. 2016. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, 2016. DOI: 10.11606/D.16.2017.tde- 0122016-160918.

LIMA, Solange Ferraz de. Pátio do Colégio, Largo do Palácio. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 6-7, n. 1, p. 61-82, 1999. DOI: 10.1590/S0101-47141999000100004.

MACHADO, Brasílio. Anchieta: narração de sua vida. In: RODRIGUES, Francisco de Paula et al. III centenário do venerável José de Anchieta. Paris: Aillaud e Cia, 1900. p. 58-101.

MACHADO, Leão. Era em Ubatuba a aldeia tamoia de Iperoig. In: MESQUITA FILHO, Júlio et al. Anchietana. São Paulo: Gráfica Municipal, 1965. p. 299-311.

MARQUES, Xavier. As relíquias de Anchieta. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, Salvador, v. 18, n. 37, p. 101-110, 1913.

MARTINS, Patrícia Carla de Melo. Seminário Episcopal de São Paulo e o paradigma conservador do século XIX. 2006. Tese (Doutorado em Ciência da Religião) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.

MELLO MORAES, Alexandre J. Corographia histórica, chronográphica genealógica nobiliária e política do Império do Brasil. Rio de Janeiro: Typographia Americana, 1858-1863. 5 v.

MONTEIRO, Michelli Cristiane Scapol. Uma trajetória sinuosa: o Museu Paulista e as apropriações da Fundação de São Paulo, de Oscar Pereira da Silva. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 27, p. 1-37. 2019. DOI: 10.1590/1982-02672019v27e16d2.

MORAES, Geraldo D. A igreja e o colégio dos jesuítas de São Paulo. São Paulo: Prefeitura Municipal, 1979.

MORONI, Lino. Descrizione del Sacro Monte della Vernia. Firenze: [s. n.], 1612.

MURTON, Brian. Embedded in place: ‘Mirror knowledge’ and ‘simultaneous landscapes’ among Maori. In: MARK, David et al. Landscape in LANGUAGE: transdisciplinary perspectives. Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2011. p. 73-100.

OLIVEIRA, Eduardo Polidori Villa Nova de. “Fundação de São Vicente” de Benedito Calixto: composição, musealização e apropriação (1900-1932). 2018. Dissertação (Mestrado em Museologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, 2018. DOI: 10.11606/D.103.2019.tde-03012019-113149.

OLIVEIRA, José J. Machado de. Quadro histórico da província de São Paulo. São Paulo: Typographia Imparcial, 1864.

OLIVEIRA, José T. de. Chronica do semestre (tricentenário de Ubatuba). Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, São Paulo, v. 33, 279-324, 1937.

OLIVEIRA, Lúcia L. A questão nacional na Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 1990.

OLIVEIRA, Washington de. Ubatuba (documentário). São Paulo: Editora do Escritor, 1977.

PEDRO, Lívia C. História da Companhia de Jesus no Brasil: biografia de uma obra. 2008. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, 2008. Disponível em: https://bit.ly/3xnzfJS. Acesso em: 7 fev. 2022.

PEREIRA, Antônio Baptista. A cidade de Anchieta. Revista do Arquivo Municipal, São Paulo, v. 23, p. 3-123, 1936. Disponível em: https://bit.ly/3cK84RQ. Acesso em: 7 fev. 2022.

PIERSON, Donald. Brancos e pretos na Bahia: um estudo de contato racial. Rio de Janeiro: Nacional, 1945.

PIZA, Antônio T. Igreja do colégio da capital do Estado de São Paulo. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, v. 58, n. 2, p. 57-149, 1896.

PLINY, the Elder. Natural history. Cambridge: Cambridge University Press, 1986. PRADO, Eduardo. O catolicismo: a Companhia de Jesus e a colonização do Brasil. In: RODRIGUES, Francisco de Paula et al. III centenário do venerável José de Anchieta. Paris: Aillaud e Cia, 1900. p. 19-57.

QUARENTA, Ednilson Aparecido. O apóstolo pregresso e as alegorias da fundação: Anchieta, um mito fundador no IV Centenário da Cidade de São Paulo. 2009. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. DOI: 10.11606/T.8.2009.tde-09122009-115053.

RELATÓRIO do governador Antônio Paes de Sande em que indica as causas do malogro das minas do sul e propõe para se obter de maneira segura o seu descobrimento. Anais da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, v. 39, p. 197-2000, 1917.

RIBEIRO, Maria Aparecida. Anchieta no Brasil: que memória? História Revista, Goiânia, v. 8, n. 1, p. 21-51, 2003. DOI: 10.5216/hr.v8i1.10442.

RODRIGUES, Pero. Vida do padre José de Anchieta pelo padre Pedro Rodrigues. [S. l.: s. n.], 1896.

SAMPAIO, Teodoro. Memória sobre a egreja do collegio dos jesuítas de São Paulo. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, São Paulo, v. 2, p. 1-10, 1898.

SANTA MARIA, Agostinho de. Santuário Mariano, e história das imagens milagrosas de Nossa Senhora. Lisboa: Oficina de Antonio Pedrozo Galram, 1723.

SANTO AGOSTINHO. O cuidado devido aos mortos. São Paulo: Paulinas, 1990.

SANTOS, Jadilson Pimentel dos. A arte e arquitetura religiosa popular de Antônio Vicente Medes Maciel, o Bom Jesus Conselheiro. 2011. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – Escola de Belas Artes, Universidade Federal da Bahia.

SANTOS, Jadilson Pimentel dos. Iconografia, arte e devoção: aspectos do legado material e imaterial em torno de Antônio Vicente Mendes Maciel, o beato Antônio Conselheiro. 2017. Tese (Doutorado em Artes Visuais), Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017. DOI: 10.47749/T/UNICAMP.2017.991764.

SCHAMA, Simon. Paisagem e memória. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SEMEÃO, Lucas de Almeida. Milagres no Brasil (sécs. XVI-XVIII). 2020. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca, 2020. Disponível em: https://bit.ly/2RTdPVW. Acesso em: 7 fev. 2022.

SESMARIAS: documentos do archivo do estado de São Paulo. São Paulo: Typographia Piratininga, 1921. v. 1.

STADEN, Hans. Duas viagens ao Brasil. São Paulo: Sociedade Hans Staden, 1942.

STADEN, Hans. Viagem ao Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1930.

VANSINA, Jan. Oral tradition as history. London: James Currey, 1985.

VARNHAGEN, Francisco Adolfo de. História geral do Brasil. São Paulo: Edusp, 1981. 3 v.

VASCONCELLOS, Simão de. Vida do venerável padre Joseph de Anchieta, da Companhia de Jesus, Taumaturgo do Novo Mundo, na Província do Brasil. Lisboa: Oficina de João da Costa, 1672.

VIANA, Hélder do Nascimento. A construção do espaço cívico: monumentos e rituais de memória na Natal republicana (1902-1922). Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 27, 1-44, 2019. DOI: 10.1590/1982-02672019v27e07.

VILAR, Socorro de Fátima Pacífico. A invenção de uma escrita: Anchieta, os jesuítas e suas histórias. Porto Alegre: Editora PUC-RS, 2006.

VIOTTI, Hélio Abranches. A aldeia de Maniçoba e a fundação de Itu. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, São Paulo, v. 71, p. 389-401, 1974.

VIOTTI, Hélio Abranches. A propósito do IV centenário da Paz de Iperuí. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, São Paulo, v. 61, p. 25-34, 1965.

VIOTTI, Hélio Abranches As relíquias de Anchieta. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, São Paulo, v. 66, p. 221-224, 1969.

VIOTTI, Hélio Abranches. O processo remissorial de 1627-1628 em São Paulo relativo à canonização de Anchieta. Revista do Arquivo Municipal, São Paulo, v. 154, p. 191-212, 1957.

VIOTTI, Hélio Abranches; MOUTINHO, Murillo. Anchieta nas artes. São Paulo: Loyola, 1991.

Downloads

Publicado

2022-03-28

Como Citar

Andrade, F. (2022). A sombra de Anchieta: cultura material e memória histórica em museus, cidades e paisagens. Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 30, 1-61. https://doi.org/10.1590/1982-02672021v30e6

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material