Chá e simpatia: uma estratégia de gênero no Rio de Janeiro oitocentista

Autores

  • Tania Andrade Lima UFRJ; Departamento de Antropologia Museu

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-47141997000100003

Palavras-chave:

História do chá, Ritual do chá, Gênero, Rio de Janeiro^i1^sséc.

Resumo

Inicialmente, a A. traça um quadro do chá e do ritual do chá na Inglaterra, foco da Revolução Industrial, e chama a atenção para seus significados como um instrumento de liberação feminina. A seguir, mobilizando especialmente material arqueológico suplementado por fontes literárias, ela dirige sua análise para a periferia do caRitalismo e esboça a introdução do chá no Brasil. O ritual do chá, claramente sob autoridade feminina, no entanto apresenta uma peculiaridade singular nas classes médias do Rio de Janeiro oitocentista: é servido num espaço masculino por excelência, a sala de jantar. Tal ambigüidade é estudada juntamente com outros rituais mais recentes (que esvaziaram a etiqueta original do chá enquanto rito de passagem!, do ponto de vista das estratégias de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1997-01-01

Como Citar

Lima, T. A. (1997). Chá e simpatia: uma estratégia de gênero no Rio de Janeiro oitocentista . Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 5(1), 93-129. https://doi.org/10.1590/S0101-47141997000100003

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material