Engenhos e fazendas de café em Campinas (séc. XVIII - séc. XX)

Autores

  • Áurea Pereira da Silva

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-47142006000100004

Palavras-chave:

Arquitetura, Engenhos, Fazenda de café, Século XVIII, Século XIX, Campinas

Resumo

O artigo estuda a produção arquitetônica rural do município de Campinas legada por dois ciclos econômicos: o da cana-de-açúcar e o do café, a partir do final do século XVIII e no século XIX. Analisa a documentação historiográfica, inventários (arquivos do Centro de Memória da Unicamp) e testemunhos materiais arrolados nos levantamentos de campo. Aborda os edifícios a partir da implantação, no terreno, das diversas formas de agenciamento (no caso da produção cafeeira, a disposição dos edifícios determinada pelo fluxo das operações e tarefas de beneficiamento do grão) e dos múltiplos programas necessários ao setor produtivo e às habitações. Enfatiza a questão tecnológica dos edifícios, revelando a preferência pelos métodos e materiais tradicionais da cultura arquitetônica paulista, particularizada no domínio da taipa de pilão e da taipa de mão até a chegada da ferrovia, na década de 1870.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-06-01

Como Citar

Silva, Áurea P. da. (2006). Engenhos e fazendas de café em Campinas (séc. XVIII - séc. XX) . Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 14(1), 81-119. https://doi.org/10.1590/S0101-47142006000100004

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material