Do borrão às aguadas: os engenheiros militares e a representação da Capitania de São Paulo

Autores

  • Beatriz Piccolotto Siqueira Bueno Universidade de São Paulo; Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-47142009000200008

Palavras-chave:

Engenheiros Militares, Cartografia Histórica, América Meridional, Capitania de São Paulo, Séculos XVI-XVIII

Resumo

A análise do papel dos engenheiros militares perpassa as discussões sobre regiões específicas, mesmo quando eles, aparentemente, estão ausentes delas. Sua presença ou ausência sempre foi sinônimo de interesse e de projeto colonizador mais ou menos dirigido. Este ensaio tem como objeto de estudo a cartografia dos engenheiros militares atuantes na Capitania de São Paulo, território comumente visto como economicamente periférico e mais autônomo face aos desígnios da Coroa portuguesa. Com foco no corpus cartográfico de alguns profissionais que aqui atuaram, trata indiretamente da multifacetada atuação desses engenheiros, bem como do processo de feitura das cartas geográficas, corográficas e topográficas, do borrão às aguadas. Investigar a cartografia de alguns desses profissionais permite não apenas explorar a riqueza de suas biografias, como, também, acompanhar o processo de produção técnica dos mapas e os desígnios políticos envolvidos no devassamento e representação das terras descobertas no Novo Mundo.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Downloads

Publicado

2009-12-01

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material

Como Citar

BUENO, Beatriz Piccolotto Siqueira. Do borrão às aguadas: os engenheiros militares e a representação da Capitania de São Paulo . Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 111–153, 2009. DOI: 10.1590/S0101-47142009000200008. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/5517.. Acesso em: 28 maio. 2024.