Museus de Cabo Verde: continuidade e inovação

Autores

  • Henrique Coutinho Gouveia Universidade de Cabo Verde

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-47142013000100006

Palavras-chave:

Cabo Verde, Museologia, Museu nacional, Sítios históricos, Jardim botânico, Museus regionais

Resumo

O cenário da museologia cabo-verdiana tem-se vindo a desenvolver ao longo de pouco mais de três décadas, pelo que comporta ainda aspectos que se deverão considerar como em vias de definição. A independência, proclamada em julho de 1975, perfila-se assim como um marco determinante do horizonte cronológico a analisar. As referências aos antecedentes setecentistas, oitocentistas e mesmo novecentistas que se procurarão explicitar, assumem particular importância, num contexto histórico que ultrapassa a realidade do território, o que confere a esses elementos um interesse acrescido. Será portanto relativamente ao período mais recente que são detectáveis os vectores de evolução que se afiguram mais significativos. O comentário a apresentar será desenvolvido nessa linha, sendo focadas a par algumas questões relevantes para um melhor esclarecimento do assunto tratado que se julgam merecedoras de comentário.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Downloads

Publicado

2013-06-01

Edição

Seção

Museus - Dossiê: Tendências Contemporâneas de Reflexão sobre Museus e Museologia

Como Citar

GOUVEIA, Henrique Coutinho. Museus de Cabo Verde: continuidade e inovação. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 63–76, 2013. DOI: 10.1590/S0101-47142013000100006. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/68798.. Acesso em: 25 abr. 2024.