[1]
T. A. Lima, “ Chá e simpatia: uma estratégia de gênero no Rio de Janeiro oitocentista ”, An. Mus. Paul., vol. 5, nº 1, p. 93-129, jan. 1997.