Interrupções incessantes: o dilaceramento da forma em Cent mille milliards de poèmes, de Raymond Queneau, Tom, Tom, the Piper’s son, de Ken Jacobs, e Patterns, de Gerhard Richter

  • Alexandre Rodrigues da Costa Universidade do Estado de Minas Gerais
Palavras-chave: informe, interrupção, labirinto, instabilidade

Resumo

Nosso estudo tem como proposta analisar o informe, anticonceito formulado por Georges Bataille, aplicando-o às obras Cent mille milliards de poèmes, de Raymond Queneau, Tom, Tom, the Piper's son, de Ken Jacobs, e Patterns: divided, mirrored, repeated, de Gerhard Richter. Essas obras se abrem, através de dilaceramentos, para a impossibilidade de lhes fixar limites, uma vez que elas geram excessos de significados, que têm como fundamento a instabilidade da forma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Rodrigues da Costa, Universidade do Estado de Minas Gerais

Graduação em Letras (UFMG). Mestrado em poéticas da Modernidade (UFMG) e Doutorado em Literatura Comparada (UFMG). Pós-doutorado em literatura (UFMG). Professor de História da Arte, na Escola Guignard (UEMG), departamento de Disciplinas Teóricas e Psicopedagógicas.

Publicado
2017-04-30
Como Citar
Costa, A. (2017). Interrupções incessantes: o dilaceramento da forma em Cent mille milliards de poèmes, de Raymond Queneau, Tom, Tom, the Piper’s son, de Ken Jacobs, e Patterns, de Gerhard Richter. ARS (São Paulo), 15(29), 200-215. https://doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2017.121072
Seção
Artigos