Dentro do labirinto: Hélio Oiticica e o desafio do “público” no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2017.132781

Palavras-chave:

Hélio Oiticica, labirinto, público, ambiente, Cildo Meireles

Resumo

A passagem do plano para o espaço, ocorrida na arte brasileira desde o final dos anos 1950, desdobra-se em trabalhos ambientais que incorporam elementos dadaístas e surrealistas à matriz construtiva original no período conhecido como “contracultura”. No Brasil, diferentemente do que ocorreu nos Estados Unidos, esse processo não se desdobrou em uma positivação da esfera pública, buscando, por outro lado, uma potencialização dos espaços marginais, tais como terrenos baldios. Assim, paradoxalmente, quando resolvem atuar no espaço urbano e público os artistas de origem construtiva, como Hélio Oiticica, acabam criando refúgios subjetivos dentro dele, remetidos à imagem metafórica do labirinto. Importantes consequências desse processo podem ser encontradas, posteriormente, em trabalhos de artistas como Cildo Meireles e Nuno Ramos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Teixeira Wisnik, Universidade de São Paulo

Guilherme Teixeira Wisnik é professor Doutor do Departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto, na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

Downloads

Publicado

2017-10-27

Como Citar

Wisnik, G. T. (2017). Dentro do labirinto: Hélio Oiticica e o desafio do “público” no Brasil. ARS (São Paulo), 15(30), 95-110. https://doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2017.132781

Edição

Seção

Artigos