O fim da arte, o contemporâneo, o começo do arquivo

Palavras-chave: fim da arte, contemporâneo, arquivo, história

Resumo

Este artigo parte de uma articulação dos debates teóricos a respeito do fim da arte, do contemporâneo e do arquivo para apontar, brevemente, como em algumas experiências da arte a força propositiva dessas questões pode ser lida, ainda que de maneira cifrada. Salientamos a prevalência de tais experiências para uma releitura crítica e criativa da história. Desse modo, a arte se apresenta não como reprodução ou representação da história, mas como sua produção ou apresentação diferida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Artur de Vargas Giorgi, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Brasil

Artur de Vargas Giorgi é professor de Literatura Brasileira na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC, Brasil). No Programa de Pós-Graduação em Literatura da UFSC, sob orientação de Raúl Antelo, defendeu tese sobre os exílios de Ferreira Gullar e León Ferrari, trabalho que foi indicado ao Prêmio Capes de Tese (Edição 2015-2016). Desenvolveu pesquisa de pós-doutorado junto ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul/Capes), onde também foi professor. É autor de artigos e ensaios dedicados, sobretudo, à literatura brasileira, à teoria literária e às artes visuais.

Publicado
2019-08-31
Como Citar
Giorgi, A. (2019). O fim da arte, o contemporâneo, o começo do arquivo. ARS (São Paulo), 17(36), 99 - 116. https://doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2019.143107
Seção
Artigos