A paisagem como forma simbólica: uma análise da teoria da paisagem de Anne Cauquelin

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2021.174769

Palavras-chave:

Paisagem, Forma simbólica, Percepção visual

Resumo

No ensaio A invenção da paisagem, a filósofa Anne Cauquelin investiga possíveis relações entre a produção imagética ocidental no gênero paisagem e a percepção visual do espaço como paisagem. Compreendendo a paisagem como uma peculiar forma simbólica, a filósofa defende que sua percepção resulta de um perene processo de aprendizagem que cria tanto a existência da paisagem como objeto da sensibilidade quanto as condições específicas para sua identificação com a realidade. Este artigo procura apresentar como o conceito de forma simbólica aparece e se desdobra em A invenção da paisagem, destacando o recorte referencial e a articulação autoral de Cauquelin diante da origem neokantiana do conceito em Ernst Cassirer e de sua retomada na história da arte por Erwin Panofsky.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Sebastião, Universidade Federal do ABC

Guilherme Sebastião é bacharel em Publicidade e Propaganda pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e bacharel em Ciências e Humanidades pela Universidade Federal do ABC, onde atualmente cursa o bacharelado em Filosofia. É membro do grupo de estudos Imagem e Subjetividade e tem interesse pelos diálogos contemporâneos entre filosofia, curadoria e crítica de arte.

Referências

ALBERTI, Leon Battista. Da pintura. Campinas: Editora Unicamp, 1999.

ALLOA, Emmanuel. Could perspective ever be a symbolic form? Journal of Aesthetics and Phenomenology, Abingdon, v. 2, n. 1, pp. 51-71, jul. 2015.

BELTING, Hans. A janela e o muxarabi: uma história do olhar entre Oriente e Ocidente. In ALLOA, Emmanuel (org.). Pensar a imagem. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. pp. 115-137.

CAUQUELIN, Anne. A Invenção da Paisagem. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

CAUQUELIN, Anne. Aristóteles. Rio de Janeiro: Zahar, 1995.

CASSIRER, Ernst. A filosofia das formas simbólicas: volume 1: a linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

CASSIRER, Ernst. Ensaio sobre o homem. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

CASSIRER, Ernst. Indivíduo e cosmos na filosofia do Renascimento. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

DAMISCH, Hubert. The origin of perspective. Cambridge, MA: MIT Press, 1994.

EILENBERGER, Wolfram. Tempo de mágicos: a grande década da filosofia: 1919-1929. São Paulo: Todavia, 2019.

HAMBURG, Carl H. Symbol and reality: studies in the philosophy of Ernst Cassirer. The Hague: Martinus Nijhoff, 1956.

NEHER, Allister. How perspective could be a symbolic form. Journal of Aesthetics and Art Criticism, Hoboken, v. 63, n. 4, pp. 359-373. mar./jun. 2005.

PANOFSKY, Erwin. A perspectiva como forma simbólica. Lisboa: Edições 70, 1993.

VANDENBERGHE, Frédéric. Do estruturalismo ao culturalismo: a filosofia das formas simbólicas de Ernst Cassirer. Revista Sociedade e Estado, Brasília, DF, v. 33, n. 3, pp. 653-674, set./dez. 2018.

WOOD, Christopher S. Introdução. In PANOFSKY, Erwin. A perspectiva como forma simbólica. Lisboa: Edições 70, 1993. pp. 9-25.

Downloads

Publicado

2021-04-30

Como Citar

Sebastião, G. (2021). A paisagem como forma simbólica: uma análise da teoria da paisagem de Anne Cauquelin. ARS (São Paulo), 19(41), 492-521. https://doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2021.174769

Edição

Seção

Diálogos com a Graduação