Esboço de uma definição de tragédia à brasileira: Álbum de família, de Nelson Rodrigues, encontra o modernismo dos anos 1970

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2022.196121

Palavras-chave:

Nelson Rodrigues, Tragédia, Modernismo brasileiro, Família

Resumo

Este texto se propõe a examinar, através de leitura crítica e cerrada, três dramas brasileiros situados em dois momentos históricos de efervescência modernista – ambos ocorridos no Brasil durante o século XX – e que têm em comum a temática da família. A partir disso, objetivou-se mapear as singularidades do que seria uma tragédia à brasileira em comparação a outras formas dramáticas que se desenvolveram posteriormente em solo nacional. Os dramas são Álbum de família (1945), de Nelson Rodrigues, o eixo tonal da análise aqui proposta – dela partirá a tentativa de definir o drama trágico –, Em família (1970), de Oduvaldo Vianna Filho, e Hoje é dia de Rock (1971), de José Vicente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Toledo Borges, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Brasil

Mariana Toledo Borges é doutoranda em Teoria e História Literária no Instituto de Estudos da Linguagem – IEL/Unicamp. É mestra em Sociologia pelo Instituto de Filosofia e Ciências Humanas – IFCH/Unicamp, onde investigou as intersecções entre alguns conceitos psicanalíticos de Sigmund Freud e a obra teórica de Guy Debord. Possui licenciatura em Letras pela mesma universidade. Atualmente, desenvolve pesquisa em que procura explorar a possibilidade e a especificidade de uma “tragédia brasileira” na dramaturgia modernista de Nelson Rodrigues, pensando a dialética do trágico em solo nacional dentro do conflito sociológico entre o progresso e o atraso, bem como a formação de uma mitologia brasileira a partir das peças do autor. Além da Teoria Crítica, seus interesses de pesquisa incluem Literatura Brasileira, Psicanálise, Marxismo e Teoria do Valor.

Referências

ARISTÓTELES. Arte poética. In ARISTÓTELES; HORÁCIO; LONGINO. A poética clássica. São Paulo: Cultrix, 2005.

BOAL, Augusto. Teatro do oprimido. São Paulo: Editora 34, 2019.

BRECHT, Bertolt. Estudos sobre teatro: para uma arte dramática não-aristotélica. Lisboa: Portugália, 1957.

FREUD, Sigmund. Totem e tabu. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2013.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1984.

MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2010.

PRADO, Décio de Almeida. O teatro brasileiro moderno. São Paulo: Perspectiva, 2009.

RODRIGUES, Nelson. Álbum de família. In RODRIGUES, Nelson. Teatro completo de Nelson Rodrigues: peças psicológicas e míticas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2017. v. 1.

RODRIGUES, Nelson. O reacionário: memórias e confissões. Rio de Janeiro: Agir, 2008.

SCHWARZ, Roberto. As ideias fora do lugar. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2014.

SHWARZ, Roberto. Fim de século. In SHWARZ, Roberto. Sequências brasileiras. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

STEINER, George. A morte da tragédia. São Paulo: Perspectiva, 2006.

SZONDI, Peter. Teoria do drama burguês. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

TRAGEDY & Conflict. Apresentado por Franco Moretti (University of Stanford). São Paulo: Laboratório de Estudos do Romance da USP, 2021. Duração 1h35m33s. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=VkGRziaNdoI&t=4444s. Acesso em: 9 nov. 2021.

VIANNA FILHO, Oduvaldo. Em família. 2007. E-book (692 partes) (Coleção Vianninha Digital). v. 14.

VICENTE, José. Hoje é dia de Rock. In VICENTE, José. O teatro de José Vicente: primeiras obras. São Paulo: Imprensa Oficial, 2010.

Downloads

Publicado

2022-08-31

Como Citar

Borges, M. T. (2022). Esboço de uma definição de tragédia à brasileira: Álbum de família, de Nelson Rodrigues, encontra o modernismo dos anos 1970. ARS (São Paulo), 20(45), 434-469. https://doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2022.196121

Edição

Seção

Chamada aberta | Modernidade Brasileira